Inglaterra

Demissão de Nigel encerra a história dos Clough no Derby County

O sábado passado foi o último dia, pelo menos por enquanto, da história da família Clough no Derby County. Nigel, filho de Brian, foi demitido após perder para o Nottingham Forest, por 1 a 0, na segunda divisão inglesa. Brian Clough assumiu o Derby na segunda divisão em 1967 e transformou o clube em campeão inglês e semifinalista da Liga dos Campeões. Houve, portanto, um sentimento de nostalgia no Pride Park quando Nigel foi contratado 42 anos depois.

Ele estava no clube desde 2009 e era o quarto treinador há mais tempo no cargo em todo o futebol inglês, atrás de Arsène Wenger, no Arsenal, Paul Tisdale, no Exeter City, e Chris Wilder, no Oxford United. Em quatro anos de trabalho, comandou o time em 211 partidas, com 69 vitórias, 50 empates e 92 derrotas. Os números brutos são melhores até que os do seu pai, que ganhou 85 jogos, empatou 39 e perdeu 52, mas em torneios muito mais difíceis, como a primeira divisão inglesa e a Liga dos Campeões. Nigel deixa o clube na 14ª posição, a sete pontos dos playoffs da Championship.

A sua carreira como treinador começou, de fato, em 1998, quando aceitou ser o técnico e jogador do Burton Albion, então na sétima divisão inglesa. Aos 42 anos, ainda entrou em campo, em fevereiro de 2008, na quinta divisão. Foram 11 anos comandando o clube até chegar ao Derby County.

Aos 47 anos e sem emprego, Nigel Clough deve conseguir outro trabalho em breve, com a certeza de que foi bem nos dois clubes que comandou em 15 anos de carreira como técnico. Seu objetivo, mais do que treinar um novo time, deve ser provar que pode ser a estrela que não foi na época de jogador.

O Gary Lineker que nunca foi

Nigel chegou a trabalhar junto com o pai por nove temporadas, quando jogou no Nottingham Forest, que era treinado por Brian. Ele atuava como meia e atacante. Chegou ao clube em 1984, mas demorou dois anos para ser titular. Em 1986/87, foi artilheiro do time na primeira divisão, com 14 gols.

O Notthingham Forest não vivia mais os áureos tempos do bicampeonato europeu (entre 1978 e 1980), também conquistados sob o comando de Brian, mas era clube de primeira divisão. Nigel ganhou dois títulos da Copa da Liga Inglesa e foi vice da Copa da Inglaterra.

Nessa época, o jovem jogador chegou a ser especulado como o sucessor de Gary Lineker na seleção inglesa e estreou em 1989, aos 23 anos. No total, foi convocado 14 vezes e chegou a enfrentar a seleção brasileira em um torneio amistoso, em 1993. Outro fato marcante na sua carreira como jogador foi presenciar o desastre de Hillsborough, na semifinal da Copa da Inglaterra contra o Liverpool, em 1989, que matou 96 pessoas.

Entretanto, a carreira de Nigel decaiu a partir de 1992/93, quando o Notthingham Forest foi rebaixado para a segunda divisão depois de 16 anos, justamente na primeira temporada da Premier League. Seu pai deixou o clube e encerrou a carreira. O filho também saiu, negociado com o Liverpool por € 2,7 milhões. Começou muito bem com a camisa dos Reds, com três gols nos dois jogos iniciais.

Um até então novato Robbie Flowler começou a aparecer e acabou assumindo a vaga de Clough, que ainda fez gols importantes, como dois no empate de 3 a 3 com o Manchester United, em casa. Em janeiro de 1996, Nigel já não tinha mais espaço no time – no último ano e meio, jogou apenas 12 vezes – e aceitou ser transferido no meio de 1995/96 para o Manchester City, por € 1,7 milhão.

Com dois gols em 15 partidas, Clough se contundiu, mas esteve em campo na última rodada, empate de 2 a 2 com o Liverpool, que rebaixou o City. Sem chances no lado azul de Manchester, Nigel foi emprestado para Nottingham Forest e Sheffield Wednesday. De maneira melancólica, retornou ao Manchester City em 1997/98, quando o time caiu para a terceira divisão. Livre e sem oportunidades, o atleta praticamente encerrou a carreira, aos 32 anos.

 

Mostrar mais

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo