Premier League

Tottenham preferiu não esperar o fim da temporada para dar adeus a José Mourinho

A seis dias da final da Copa da Liga Inglesa, Spurs anunciam a demissão do técnico português

Mesmo em meio a um trabalho e uma temporada decepcionantes, a notícia da demissão de José Mourinho chega de forma meio abrupta. O Tottenham anunciou o desligamento nesta segunda-feira (19), a seis dias da final da Copa da Liga Inglesa, em que os Spurs enfrentarão o Manchester City. Se, por um lado, a continuidade do português no clube do norte de Londres parecia insustentável, por outro, o curso mais natural seria a rescisão ao fim da temporada.

No mesmo comunicado em que anunciou a saída de José Mourinho, o Tottenham já apontou o substituto imediato, até o fim da campanha: Ryan Mason, ex-jogador dos Spurs de apenas 29 anos e que encerrou prematuramente sua carreira após fraturar o crânio em partida contra o Chelsea em janeiro de 2017, enquanto defendia o Hull City. Sem perspectivas de melhora sob o comando de Mourinho, talvez a decisão seja uma tentativa de tirar proveito de um possível impulso mental que, convenhamos, não é raro no rescaldo da demissão de um treinador. Mason retornou ao Tottenham como parte da comissão técnica em abril de 2018, assumiu o comando do time Sub-19 em julho de 2019 e, desde agosto de 2020, era o diretor das categorias de base do clube.

É importante ressaltar que, segundo a imprensa especializada que cobre os bastidores do Tottenham, a demissão em nada teve a ver com a decisão do Tottenham de se juntar à Superliga Europeia, rumor lançado por uma conta “troll” no Twitter e que passou a se espalhar logo após o anúncio da saída do treinador. Jornalistas de Sky Sports, Goal e de jornais locais apontam que a razão é simples: maus resultados e deterioração do relacionamento entre Mourinho e o elenco.

José Mourinho foi contratado pelo Tottenham em novembro de 2019, após a demissão de Mauricio Pochettino. O argentino havia tido um trabalho de destaque no clube ao longo de cinco anos, fazendo a equipe saltar de patamar. A falta de conquistas, no entanto, pesou mais forte na balança, e Daniel Levy, presidente dos Spurs, via Mourinho como o nome certo para o cargo, dado seu longo histórico vencedor por onde passou – mesmo que seu trabalho já desse sinais claros de obsolescência.

Com o português, a expectativa era atualizar a sala de troféus e, é claro, manter classificações constantes à Champions League. Hoje a cinco pontos do atual quarto colocado, o West Ham, o Tottenham ocupa a sétima colocação, e a ida ao torneio da Uefa na próxima temporada parece bastante improvável. Isso certamente deve ter pesado na decisão anunciada nesta segunda-feira – e a situação só foi piorada pela fase recente dos Spurs e pela personalidade conflituosa do treinador, que não se abstém de criticar seus próprios jogadores publicamente.

Em um momento da temporada, no entanto, tudo corria bem, e a discussão na imprensa girava em torno de uma ponderação: Mourinho havia recuperado sua magia? Em novembro de 2020, o Tottenham chegou a liderar a Premier League, tendo goleado o Manchester United em pleno Old Trafford por 6 a 1.

Desde então, no entanto, a coisa degringolou. Sem consistência, a equipe caiu na tabela, e o time passou a colecionar tropeços em vários duelos em que saiu à frente. Nas últimas cinco rodadas, conseguiu apenas uma vitória, sendo derrotado por Arsenal e Manchester United no período. A nível continental, a eliminação para Dinamo Zagreb nas oitavas de final da Liga Europa após vencer a partida de ida por 2 a 0 foi talvez o fracasso mais emblemático da temporada até aqui – e uma representação da dificuldade dos Spurs de manter um resultado favorável.

Ultimamente, Mourinho já estava naquele seu estágio clássico em que começa a desviar a atenção de suas derrotas para outros cantos, chegando a se envolver em uma troca de farpas anedótica com Ole Gunnar Solskjaer, do Manchester United, ao hiperdimensionar uma fala do norueguês em crítica a Heung-min Son.

Mesmo com o enorme crédito que conquistou ao longo de sua carreira, a sensação é de que Mourinho pode ter desperdiçado sua última grande oportunidade em um grande palco da elite do futebol europeu.

Ao Tottenham, a missão agora é coletar os cacos do colapso dos últimos meses, buscar o melhor fim de temporada possível e já planejar a campanha seguinte, atento aos nomes que possam se disponibilizar no mercado.

Mostrar mais

Leo Escudeiro

Apaixonado pela estética em torno do futebol tanto quanto pelo esporte em si. Formado em jornalismo pela Cásper Líbero, com pós-graduação em futebol pela Universidade Trivela (alerta de piada, não temos curso). Respeita o passado do esporte, mas quer é saber do futuro (“interesse eterno pelo futebol moderno!”).

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo