Premier League

Ou vende ou racha: fair play financeiro da Premier League pressiona seis clubes ingleses

Times precisam fazer caixa até o final de junho para se enquadrarem nas regras de lucro e sustentabilidade

A Premier League 2023/24 já terminou, mas segue dando o que falar fora das quatro linhas. Segundo a emissora inglesa Sky Sports, seis clubes da competição sofrem pressão para vender jogadores até o fim de junho.

O motivo? Respeito às regras de lucro e sustentabilidade (PSR), o fair play financeiro da liga.

O dia 30 de junho é o ponto limite do ano financeiro da Premier League. Até esta data, os clubes precisam garantir a estabilidade financeira. Ou seja, que as perdas acumuladas nos últimos três anos não ultrapassem os 105 milhões de libras.

Chelsea, Aston Villa, Everton, Newcastle, Nottingham Forest e Leicester são as equipes na mira das investigações. Todos eles se veem obrigados a fazerem caixa nas próximas semanas. Caso contrário, punições virão.

Estratégia deve ser negociar no mercado durante a Eurocopa é a melhor saída

Restando pouco mais de três semanas para o fim do prazo, os clubes da Premier League precisam se apressar para colocarem suas finanças em ordem. Uma vez declarados infratores do regulamento de gastos, os times poderão sofrer sanções — incluindo deduções de pontos na próxima edição do torneio.

O jeito mais rápido e fácil de arrumar a casa financeira é negociar a saída de jogadores. E para isso está a janela de transferências, que acontece durante a realização da Eurocopa 2024. Ela abriu duas semanas antes do prazo estabelecido pela Premier League, em 14 de junho. E a situação requer pressa.

Quais serão os negócios?

Aqui, a Trivela destaca quais jogadores de Chelsea, Villa, Newcastle, Everton, Forest e Leicester poderiam ser vendidos em meio à pressão da Premier League.

Chelsea

O Chelsea está confiante de que respeitará as regras do PSR 2023/24. Porém, de acordo com a imprensa inglesa, os Blues trabalham para sacramentar pelo menos uma venda antes de 30 de junho.

Conor Gallagher é o nome mais inclinado a deixar o Chelsea. O jovem meio-campista, que defenderá a Inglaterra na Euro, venceu a desconfiança e foi peça crucial do time londrino na última temporada. Atlético de Madrid, Tottenham e Aston Villa monitoram a situação do camisa 23 dos Blues.

Emprestado ao Borussia Dortmund, Ian Maatsen deve ser comprado pelos aurinegros. O Chelsea quer 35 milhões de libras para liberar o lateral-esquerdo, mas a equipe alemã tenta reduzir tal pedida. A tendência é que o acordo seja selado nos próximos dias.

Armando Broja e Trevoh Chalobah também estão no mercado. O atacante retornou de um empréstimo sem sucesso no Fulham, enquanto o zagueiro enfrenta forte concorrência no setor.

Aston Villa

Douglas Luiz atraiu o interesse da Juventus. Em um primeiro momento, o Aston Villa rechaçou a possibilidade de vender o meio-campista brasileiro; contudo, diante da pressão da Premier League, os planos do clube de Birmingham podem mudar.

Especula-se que o Villa pediu mais de 50 milhões de libras por Douglas. A Velha Senhora, que não atravessa grande momento financeiro, se nega a pagar tal quantia, porém, está disposta a envolver jogadores na transação.

Matty Cash é outro que pode ser ‘sacrificado’. O lateral-direito polonês entrou na lista de desejos do Milan, e o Villa não irá segurá-lo se uma boa proposta chegar.

Douglas Luiz tem sido um dos nomes mais importantes da ótima campanha do Aston Villa (Foto: Icon sport)

Newcastle

Darren Eales, CEO do Newcastle, sugeriu que um jogador valioso precisará ser vendido nesta janela para que o clube permaneça alinhado com o PSR. O técnico Eddie Howe não quer perder seus melhores atletas, mas nomes como Bruno Guimarães e Aleksander Isak são os mais assediados no mercado.

Para tirá-los dos Magpies, os clubes devem ter que desembolsar ao menos 100 milhões de libras por jogador. O brasileiro, por exemplo, possui cláusula de rescisão um pouco acima desse valor.

Foto: (IconSport) - Bruno Guimarães está voando no Newcastle
Foto: (IconSport) – Bruno Guimarães está voando no Newcastle

Everton

O Everton evitou um rebaixamento inédito na última temporada. E depois de um 2023/24 complicado e desgastante, que incluiu a dedução de oito pontos por violação às regras do PSR, os Toffees não querem que isso se repita em 2024/25.

São três os jogadores que já chamaram a atenção do mercado e podem servir para o Everton obter o montante desejado: Dominic Calvert-LewinAmadou Onana e Jarrad Branthwaite.

Jarrad Branthwaite e Dominic Calvert-Lewin fizeram os gols do Everton no clássico de Liverpool (Icon Sport)

Nottingham Forest

Assim como o Everton, o Nottingham Forest espera ter aprendido a lição. O clube não quer sofrer novas deduções na próxima temporada e, por isso, já se movimenta no mercado.

Morgan Gibbs-White, Calum Hudson-Odoi e Anthony Elanga são os principais ativos do Forest. O trio despertou o interesse de outras equipes da Premier League, e pode mudar de ares num futuro próximo.

Os brasileiros Murillo e Danilo são outros que mostraram potencial em 2023/24 e certamente aumentaram seus valores de mercado.

Cria do Corinthians, Murillo foi eleito o jogador do mês de novembro no Nottingham Forest (Foto: Icon Sport)

Leicester

A situação do Leicester é uma das mais delicadas, e o clube se vê obrigado a ‘se livrar’ desesperadamente de ativos importantes do elenco.

O principal candidato à venda dos Foxes é Kiernan Dewsbury-Hall, que foi muito importante na campanha de acesso à Premier League na temporada passada. Brighton, Brentford e Fulham estão interessados no meia.

O ponta Stephy Mavididi e o lateral-direito James Justin, que também se destacaram na Championship 2023/24, têm sido observados por diversos clubes da elite do futebol inglês.

Foto: (IconSport) - Jamie Vardy é a alma do Leicester
Foto: (IconSport) – Jamie Vardy é a alma do Leicester

Punições na última temporada servem de alerta

A rigidez da Premier League no trato de violações nas regras de lucro e sustentabilidade é motivo de preocupação para os times. Na última temporada, o Everton foi punido pela competição em mais de uma oportunidade. Os Toffees registraram duas violações e acabaram perdendo oito pontos na tabela de classificação.

O Nottingham Forest, por sua vez, também é observado de perto há meses. A equipe investiu cerca de 250 milhões de libras em reforços desde que subiu da Championship, em 2022, e o escapou das investigações — perdeu quatro pontos e por pouco não foi rebaixada.

Torcedores do Everton protestaram contra a Premier League após clube perder pontos na tabela (Foto: Icon Sport)

O caso do Chelsea é um dos que mais chama atenção. Afinal, ninguém movimentou mais dinheiro com contratações nas últimas cinco temporadas do que os Blues. Entre compras e vendas, a equipe londrina mexeu em aproximadamente 2,5 bilhões de euros (cerca de R$ 13,7 bilhões).

Foto de Guilherme Calvano

Guilherme Calvano

Jornalista pela UNESA, nascido e criado no Rio de Janeiro. Cobriu o Flamengo no Coluna do Fla e o Chelsea no Blues of Stamford. Na Trivela, é redator e escreve sobre futebol brasileiro e internacional.
Botão Voltar ao topo