Premier League

Salah chega ao gol 100 na Premier League em vitória do Liverpool contra o Leeds

Triunfo dos Reds em Elland Road teria sido mais especial, não fosse uma grave lesão de Elliott

Tinha tudo para ser um dia de festa em mais uma vitória do Liverpool na Premier League, neste domingo. Mas apesar do placar tranquilo de 3 a 0 contra o Leeds, em Elland Road, e do gol 100 de Mohamed Salah pela liga, o clima foi de preocupação nos vestiários dos Reds, por conta da lesão do jovem Harvey Elliott.

Como em seus grandes tempos sob o comando de Jürgen Klopp, a equipe do Liverpool não demorou para ocupar completamente o campo de defesa do Leeds. A blitz que mobilizou todo o ataque, aos poucos, foi expondo a fragilidade defensiva dos Whites. Apesar de ser o calcanhar de Aquiles dessa formação de Marcelo Bielsa, o problema segue se repetindo, partida após partida.

LEIA MAIS: Claro que Klopp é contra a Copa do Mundo a cada dois anos: “É tudo sobre dinheiro”

O clube dos 30

A expectativa da torcida visitante era mais ou menos a mesma de toda rodada: um gol de Salah. Era a chance que o egípcio tinha de entrar para a história, rumo ao posto de maior jogador africano da Premier League. E o gol veio aos 20 minutos, com uma ajudinha espetacular de Joel Matip, que resolveu atacar de homem-surpresa e iniciou a jogada dentro da área do Leeds. A assistência, ao fim do lance, veio de Trent Alexander-Arnold, algo que também estava sendo esperado por todos. Um passe diagonal achou Salah com tempo e espaço suficiente para dar um toque por cima de Illan Meslier.

O camisa 10 do Liverpool entrou em um seleto clube de 30 jogadores a alcançarem a marca de 100 gols na Liga. Nesta tarde, ele igualou o número de Matt Le Tissier, ex-meia do Southampton, que precisou de 270 jogos para tal, enquanto Salah chegou à sua 162ª aparição.

Se a correria do Leeds parecia funcionar para pelo menos tirar o Liverpool da condição de ameaça constante, logo a proposta foi por água abaixo. Depois do gol, os Reds cresceram ainda mais e tomaram conta, amassando o time de Bielsa contra a parede. Essa acabou sendo a tônica de todo o confronto e, mesmo ampliando a vantagem na etapa complementar, pareceu que foi pouco para tamanho volume de jogo apresentado.

O choque da tarde

O segundo tempo começou bem para o Liverpool. Com menos de cinco minutos, o bombardeio continuou. Quando a bola caiu nos pés de Fabinho, ele sabia muito bem o que fazer com ela. Depois de um escanteio cobrado por Alexander-Arnold, a zaga do Leeds deu mole e Fabinho aproveitou um rebote para mandar para as redes, praticamente decidindo o confronto, uma vez que os donos da casa não conseguiam responder.

A partida foi perdendo a temperatura até o momento em que o público prendeu o fôlego em Elland Road. O meia Pascal Struijk dividiu uma bola com o ala Harvey Elliott, de apenas 18 anos, que está começando sua história pelo Liverpool. Mas o excesso de força, somado ao azar de Elliott, que estava com a perna esquerda presa ao chão, causou uma fratura no atleta dos Reds.

Não há mais informações por ora, a respeito da gravidade da lesão, mas ficou claro no mesmo momento de que o garoto havia sofrido uma contusão bastante preocupante. Struijk, por conta da entrada, que a princípio não pareceu violenta, foi expulso e também aparentava estar em choque pelo dano infligido ao adversário.

Com as atenções dispersas pelo ocorrido com Elliott, o jogo não teve grandes momentos. No fim, após os acréscimos, foi a vez de Sadio Mané fechar a conta. Foi o primeiro gol dele na temporada. A assistência e a responsabilidade por tirar a marcação do lance estão na conta de Thiago Alcântara, que mostrou velocidade e precisão para acionar o companheiro em um lugar tão crítico da área.

Passo a passo, o Liverpool se consolida entre os concorrentes ao título. E essa sabedoria para gerir o ritmo deve ser importante. Na próxima quarta-feira, a equipe de Klopp enfrenta o Milan pela Liga dos Campeões. Para Bielsa e o Leeds, a primeira vitória ainda não veio, e antes de começar a planejar como será somar três pontos, o treinador argentino precisa primeiro entender como não sofrer tantos gols.

Mostrar mais

Felipe Portes

Felipe Portes é editor-chefe da Revista Relvado, zagueiro ocasional, ex-jornalista, cruyffista irremediável e desenhista em Instagram.com/draw.portes

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo