Premier League

Pressão aumenta sobre Lampard, mas Chelsea dará tempo ao treinador para se recuperar

O Chelsea é um dos clubes conhecidos na Inglaterra por não ter muita paciência com seus técnicos. Ainda mais se uma vaga na Champions League estiver ameaçada. Depois de quatro derrotas em seis jogos, os Blues estão em nono na Premier League, a três pontos do quarto colocado, neste momento o Tottenham, mas a diferença tende a aumentar porque o Manchester City tem dois jogos a menos ainda a fazer. Com tudo isso, a derrota dura contra o próprio City de Pep Guardiola no último domingo fez com que a pressão sobre Frank Lampard, técnico e ídolo do time, aumentasse. Apesar disso, ele deve ter tempo de tentar recuperar o time.

LEIA TAMBÉM: Manchester City passou pelo Chelsea como uma avalanche em Stamford Bridge

A derrota para o Manchester City por 3 a 1 em Stamford Bridge no domingo foi pesada não só pelo placar, nem por jogar em casa, mas pela forma que aconteceu. Os visitantes dominaram o jogo, resolveram rápido e não deram muita chance ao time comandado por Lampard de reagir. A sensação de não ter tido nem chance de competir tornou os questionamentos mais constantes. Ainda assim, a diretoria do clube, que tem Roman Abramovich como dono, não pretender demitir o técnico. Ainda.

“Eu esperava períodos de dificuldade este ano porque as coisas não vêm facilmente”, afirmou Lampard, após a derrota no domingo. “Se isso me pressiona, não importa, porque há um mês todo mundo estava me perguntando se eu assinaria um novo contrato. Em uma rápida sucessão de uma maré e em um período apertado e movimentado, perdemos quatro jogos, então a pressão permanece constante neste trabalho. O meu trabalho é tentar levantar os jogadores, para que eles possam alcançar o nível que o Manchester City mostrou”.

“Quando o City pressionou no primeiro tempo, nossos jogadores não reagiram para o gol. Eu acho que esse é um problema de confiança, mas esse o nível que queremos chegar. Estamos em um período complicado no momento. Eu joguei aqui por um longo tempo, então eu entendo que no minuto que você perde alguns jogos em um curto período de tempo, então todo mundo faz questionamentos”, continuou Lampard.

“As expectativas são diferentes neste ano porque nós gastamos muito dinheiro, mas este clube terá que sofrer um pouco para chegar onde queremos. Eu sempre irei sentir a pressão. Eu sinto a pressão quando estamos em uma boa fase, porque eu sei que virando a esquina pode ser negativo”, afirmou o técnico.

Aos 42 anos, Lampard terá tempo para provar que merece continuar no cargo, apesar da queda de rendimento do time. No começo do campeonato, o Chelsea chegou a brigar pela liderança, mas caiu de rendimento e consequentemente, na tabela também. O nome de Thomas Tuchel já é falado como um potencial substituto, mas para isso a situação precisaria piorar ainda mais.

É a segunda temporada de Lampard no cargo de técnico do Chelsea e a terceira no geral. Sua primeira experiência foi no Derby County, na segunda divisão, e o treinador foi bem, levando o time aos playoffs. Na primeira temporada, Lampard conduziu o time ao quarto lugar na tabela, garantindo uma vaga na atual edição da Champions League. Esse é o objetivo mínimo em Stamford Bridge.

Com £200 milhões em contratações, incluindo estrelas como Timo Werner e Kai Havertz, a expectativa no Chelsea era estar em uma posição melhor a essa altura do campeonato, com quase um turno já passado. Os sete pontos de desvantagem em relação ao atual líder da Premier League, Liverpool, incomodam.

Segundo o Guardian, os jogadores apoiam Lampard, mas já se ouve questionamentos sobre as escolhas do técnico, em termos táticos e também de escalação. Havertz, uma das principais contratações da janela de transferências do verão europeu, não conseguiu se recuperar depois de ter contraído a COVID-19. O seu retorno aos gramados não teve o mesmo nível e é possível que esteja relacionado com a doença, que deixa consequências que não se sabe exatamente quais são neste momento. Isso já aconteceu a outros jogadores.

Timo Werner chegou com pompa, mas não tem conseguido render, apesar da insistência de Lampard em escalá-lo, seja pelo lado do campo, seja como um jogador de referência no ataque. São 13 jogos sem gols do atacante, o que tem levado a questionamentos. Ainda mais porque os concorrentes para a vaga de camisa 9, Tammy Abraham e Olivier Giroud, vivem melhor fase.

O pouco uso de Callum Hudson-Odoi também é visto com desconfiança. Lampard não o coloca com frequência como titular, embora ele tenha entrado bem de forma consistente nas partidas. Foi dele o gol do Chelsea no último domingo, quando o time perdia por 3 a 0. Além disso, há também uma crítica que o Chelsea ainda não tem uma identidade, nem sequer tem um time titular claro. Todos esses questionamentos pesam sobre Lampard.

Além de Thomas Tuchel, recentemente demitido do PSG, outro técnico que está no mercado é Massimiliano Allegri, ex-Juventus. Os dois trariam mais nome em relação ao cargo, mas o Chelsea entende que a saída de Lampard, neste momento, seria muito ruim pelas consequências que teria, inclusive a repercussão. Assim, o treinador terá mais tempo para provar que pode reverter a recente maré negativa. O relógio, porém, seque passando e o tempo vai ser cada vez mais curto para que isso aconteça.

Classificação da Premier League

Standings provided by SofaScore LiveScore

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Bloqueador de anúncios? Aí é falta desleal =/

A Trivela é um site independente, que precisa das receitas dos anúncios. Desligue o seu bloqueador para podermos continuar oferecendo conteúdo de qualidade de graça e mantendo nossas receitas. Considere também nos apoiar pelo link "Apoie" no menu superior. Muito obrigado!