Premier League

Manchester City vence Fulham e segue 100% e sem adversários à altura na Premier League

Parece que o Manchester City segue sem um adversário que possa romper seus 100% de aproveitamento neste começo de Premier League ao vencer o Fulham, em jogo que virou goleada do nada

O Manchester City segue sem adversários à altura na Premier League e hoje, novamente sem jogar seu melhor futebol, venceu de novo. Desta vez o Fulham, por 5 a 1, em jogo bastante equilibrado dada a distância técnica entre as duas equipes. No final, o talento e a organização dos Citizens acabaram sendo cruciais na manutenção dos 100% de aproveitamento na liga, tal qual a continuidade da dúvida: quem pode parar o Manchester City dentro da Inglaterra?

A resposta até o momento é ninguém mesmo, por mais que, dentre os principais times do campeonato, o City tenha enfrentado apenas o Newcastle até o momento — mesmo assim, claro, venceu. E não são apenas os 12 pontos em 12 disputados que dão essa tônica de que não há adversário para os Citizens. O grande ponto é que o time de Pep Guardiola, principalmente depois da lesão de Kevin De Bruyne, está longe de apresentar o seu melhor futebol com constância e ainda se adapta à falta de seu grande armador, mas mesmo assim consegue seguir vencendo com consistência e sem sequer tomar sustos.

Sem De Bruyne, Julián Álvarez virou o cérebro do Manchester City

Desde que perdeu o meio-campista belga, Guardiola tem feito com que o argentino Julián Álvarez atue mais recuado do que sempre o fez, suprindo assim a necessidade de ter um armador ocasionada pela falta de De Bruyne. E até o momento esse vem sendo o grande ponto positivo do City em seus jogos recentes, fato que se repetiu na vitória de hoje diante do Fulham.

Álvarez tem uma capacidade impressionante de se adaptar às necessidades do Manchester City no ataque e isso vem fazendo dele uma das principais peças de Guardiola neste começo de temporada. Aos 30 do primeiro tempo foi ele quem deu alívio a um City que martelava, mas ainda não havia aberto o placar. O argentino recebeu de Erling Haaland, até então meio sumido, para fazer 1 a 0. A vitória parcial não durou muito e Tim Ream empatou apenas dois minutos depois. O Fulham foi um digno adversário a maior parte do tempo e fez uma primeira etapa na qual pareceu ser osso duro de roer.

Tanto que o Manchester City foi voltar à frente do placar apenas no último dos cinco minutos de acréscimos adicionados ao primeiro tempo. Nathan Aké aproveitou assistência de Phil Foden e acabou com qualquer chance do Fulham seguir fazendo um jogo duro. E aí entrou em cena Haaland.

Em quase um piscar de olhos, Haaland transforma vitória da City em goleada

Não que em qualquer momento da partida a vitória do Manchester City estivesse realmente ameaçada, mas o primeiro tempo duro foi um mérito do Fulham. Mérito esse que a equipe de Londres não conseguiu reproduzir no segundo tempo, quando apareceu mais uma vez o faro de artilheiro de Haaland, cada vez mais entrosado com Álvarez, o que tem se mostrado um perigo eminente para qualquer adversário.

Foi do argentino a bola para Haaland ampliar o placar aos 13 minutos da segunda etapa. Aos 25 minutos, agora de pênalti, o noruguês chegou ao seu segundo gol na partida e quinto na temporada, dando mostras de que vai perseguir com força o recorde de gols em uma só temporada da Premier League, que ele mesmo estabeleceu no último ano, quando fez sua estreia na competição. Em menos de 15 minutos, o que era um jogo que havia sido até apertado em algum momento se transformou em goleada. E Haaland faria seu hat-trick para fechar o 5 a 1.

Manchester City será assustador quando estiver 100% entrosado

Novamente, o grande ponto do Manchester City até o momento não é discutível pelo nível dos adversários que já enfrentou, mas sim pelo teto que é possível ver que o time tem para ainda atingir. Álvarez e Haaland já estão se entendendo melhor a cada rodada e seus envolvimentos em gols têm mostrado isso. Hoje, Jeremy Doku foi titular e, mesmo que não tenha sido exatamente brilhante, deu também mostras do que pode fazer: rápido e incisivo, deverá ser uma opção interessante para o City pressionar adversários.

Tudo isso sem Kevin De Bruyne. Quando ele voltar, provavelmente a máquina de Guardiola estará rodando ainda mais perfeitamente do que está rodando agora e isso é será um problema e tanto para os adversários que o City terá pela frente. Ou seja lá o nome que esse time que não sabe perder dê a quem se opõe a ele.

Foto de Leonardo Sacco

Leonardo Sacco

Formado em Jornalismo pela Cásper Líbero, fez categorias de base na TV Gazeta, Olheiros e Impedimento. Se profissionalizou no Yahoo e desde junho de 2023 é coordenador de conteúdos editoriais da Trivela.
Botão Voltar ao topo