Premier League

Brighton provou que é uma pedra no sapato do Liverpool e buscou o empate no segundo tempo

Agora, nos últimos oito jogos contra as Gaivotas, o Liverpool conseguiu vencer apenas um

Mesmo antes de se tornar a sensação da Premier League e fazer a melhor temporada da sua história, o Brighton era uma pedra no sapato do Liverpool. Nos sete confrontos que antecederam o deste domingo, as Gaivotas ganharam três, empataram três e perderam apenas um. E novamente causaram problemas, buscando o empate por 2 a 2 com um gol de Lewis Dunk nos minutos finais.

Uma grande falha defensiva do Liverpool na bola parada permitiu que o Brighton empatasse, e agora são duas rodadas consecutivas sem vitória pela Premier League, após a derrota para o Tottenham, no último fim de semana. Os Reds pararam em 17 pontos, contra 20 do Tottenham, e estão em terceiro lugar. Arsenal e Manchester City jogarão ainda neste domingo.

Mohamed Salah resolve

Simon Adingra passou a última temporada emprestado à Union Saint-Gilloise, que tem os mesmos donos do Brighton, e brilhou no Campeonato Belga, com 15 gols e 12 assistências. Parece mais uma promessa que o Brighton está pronto para lançar ao mundo. Aos 20 minutos, interceptou um passe de Virgil Van Dijk na saída de bola e, de fora da área, bateu rasteiro no canto, aproveitando o posicionamento de Alisson, que não conseguiu alcançar.

O Brighton abriu o placar em um primeiro tempo de poucas chances e parecia que levaria a vantagem para o intervalo. Mas, se está começando a ajeitar um novo time, o Liverpool sabe que sempre pode contar com Mohamed Salah. O egípcio havia tido uma oportunidade pela direita da área, mas bateu torto. Aos 40 minutos, porém, Szoboszlai recebeu no círculo central e acionou Luis Díaz. Darwin Núñez recebeu na entrada da área e tocou para o lado. Elliott deixou passar, e Salah mandou para dentro.

Ainda no primeiro tempo, a pressão do Liverpool funcionou novamente. O goleiro Bart Verbruggen deixou Pascal Gross na fogueira. Szoboszlai apertou, Núñez ficou com a bola e devolveu para o húngaro, que teve a camisa puxada por Gross. Salah converteu o pênalti e virou para o Liverpool.

Controlado, mas nem tanto

Adingra recebeu nas costas de Andrew Robertson, limpou o lateral esquerdo do Liverpool e bateu na saída de Alisson, que fez uma grande defesa, aos quatro minutos do segundo tempo. Após essa chance, foi um período até que bem controlado pelo Liverpool. Houve até a chance de matar a partida, com um bom passe de Núñez para Szoboszlai dentro da área. Ryan Gravenberch recebeu na segunda trave, bateu de primeira e acertou o poste.

Mas o Liverpool não matou o jogo. E o Brighton levava perigo ocasionalmente, como em uma batida de Mitoma pela esquerda da área que pegou no braço de Van Dijk. O Brighton pediu pênalti, mas a bola havia pegado no corpo do zagueirão antes de encostar em sua mão e nada foi dado. Aos 33 minutos, Solly March cobrou falta da esquerda, e Lewis Dunk simplesmente caminhou dentro da área até encontrar a bola. Bateu de primeira e empatou.

O Brighton ainda teve a chance de vencer. Outra boa jogada de Adingra pela direita. O cruzamento desviou e chegou a João Pedro, na marca do pênalti, de frente para Alisson. Ele bateu de primeira com a chapa do pé, mas mandou por cima. Uma grande oportunidade desperdiçada. O Liverpool tentou pressionar nos minutos finais, sem sucesso.

Foto de Bruno Bonsanti

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.
Botão Voltar ao topo