Premier League

Ibe saiu do banco e, em oito minutos, deu duas assistências mágicas para o Bournemouth

O Bournemouth iniciou a Premier League de maneira claudicante. Foram quatro derrotas nas primeiras quatro rodadas, com oito gols sofridos e apenas um marcado. Tudo bem que a tabela não ajudou muito, colocando o Manchester City e o Arsenal entre os primeiros desafios. De qualquer forma, a necessidade de reação dos rubro-negros era imensa. E ela veio nesta sexta, na abertura da quinta rodada. Recebendo o Brighton no Estádio Vitality, as Cherries conquistaram os seus primeiros três pontos. Bateram os Seagulls por 2 a 1, de virada, graças à entrada providencial de Jordon Ibe.

Contratado pelo Liverpool em 2012, após se destacar no Wycombe, Ibe foi daquelas promessas que não desabrocharam. Não vingou quando teve chances em Anfield e não aproveitou os empréstimos. O Bournemouth ofereceu um recomeço na primeira divisão, ainda que os números do ponta não sejam tão impressionantes, especialmente quando se considera a transferência a um custo de €18 milhões. Nesta sexta, contudo, ele mudou o jogo para o Bournemouth. O Brighton abriu o placar aos 10 do segundo tempo, com Solomon March. Dez minutos depois, o técnico Eddie Howe lançou mão de seu substituto. E ele resolveu rapidamente.

O gol de empate do Bournemouth saiu aos 22, dois minutos após a entrada de Ibe. Jogadaça coletiva dos rubro-negros, em que o ponta deu o toque de classe, ao passar de calcanhar para Andrew Surman. O meio-campista teve sangue frio para cortar o marcador, antes de tirar do alcance do goleiro Matt Ryan. Já a virada se consumou aos 28. Após cobrança de escanteio, a bola sobrou com Ibe. O camisa 33 chamou a marcação e achou, num passe de mágica, Jermain Defoe livre dentro da área. O artilheiro não perdoou. Foi seu primeiro gol neste retorno ao Bournemouth.

A situação não melhora tanto assim às Cherries. O Bournemouth aparece na penúltima posição, acima apenas do Crystal Palace. Por mais que a diretoria tenha feito algumas contratações interessantes, a missão de se manter na elite do futebol inglês promete ser dura. Ibe, ao menos, pode ser um trunfo. Se a vontade dos oito primeiros minutos em campo nesta sexta se repetir por mais tempo, a vida dos rubro-negros poderá ser muito mais fácil.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo