Premier League

Guia da Premier League 2022/23 – Brentford: Quanta falta fará Christian Eriksen?

Eriksen ajudou o Brentford a se recuperar de uma brusca queda de rendimento, e agora Thomas Frank terá que manter a regularidade sem ele

Este texto faz parte do Guia da Premier League 2022/23. Clique e leia sobre todos os times.

Cidade: Londres
Estádio: Brentford Community Stadium (17.000) 

Temporada passada – 13º lugar

Acima das expectativas. O Brentford ganhou reputação durante sua militância na segunda divisão por ser um clube que praticava bom futebol, fazia contratações espertas e usava métodos diferentes para tentar cortar a distância para colegas mais ricos. A dúvida era se isso também funcionaria na Premier League – e até certo ponto, funcionou. Com uma folha salarial bem baixa, correu poucos riscos de rebaixamento e ainda conseguiu encher o saco dos grandes.

Logo na primeira rodada, quando retornou à elite inglesa após 74 anos derrotando o Arsenal. Perdeu apenas uma vez nos primeiros sete jogos, tirando pontos do Liverpool e ganhando de Wolverhampton e West Ham, dois habitués da parte de cima da tabela, fora de casa. Os problemas começaram no Boxing Day, e foi necessária muita convicção para não se desesperar com nove derrotas e apenas uma vitória em 11 partidas. Mas reforçado por Christian Eriksen, o Brentford deu a volta por cima e terminou a Premier League em alta, com direito a uma goleada por 4 a 1 sobre o Chelsea em Stamford Bridge.

Entre o ótimo começo e o ótimo final, e o péssimo meio, a média deu o 13º lugar ao Brentford, com confortáveis 11 pontos de vantagem para a zona de rebaixamento. Mas fica o alerta de outros times que surpreenderam em seu retorno à elite, como Sheffield United e Leeds, e tiveram grandes problemas na segunda temporada. A prioridade é evitar que isso aconteça.

Mercado

Hickey anunciado pelo Brentford (Foto: Divulgação)

Principais chegadas: Keane Lewis-Potter (Hull), Aaron Hickey (Bologna), Tomas Strakhosa (Lazio) e Ben Mee (Burnley)

Principais saídas: Christian Eriksen (Manchester United), Álvaro Fernández (Levante), Zanka (sem clube), Marcus Forss (Middlesbrough),

Por um lado, a espinha dorsal foi mantida e inchada por bons reforços. Por outro, o centro em torno do qual o time se uniu para se recuperar da queda de rendimento no meio da temporada passada agora defende o Manchester United. Eriksen foi muito importante na recuperação do Brentford, que agora terá que provar que consegue ser competitivo novamente, como no começo da campanha, sem o dinamarquês.

Famoso por ser um clube que usa e abusa dos dados para fazer suas contratações, o Brentford dessa vez misturou apostas com qualidade comprovada e experiência. Começando pelas apostas, Keane Lewis-Potter é um ponta de 21 anos que custou quase € 20 milhões e fez 12 gols em 46 jogos na segunda divisão pelo Hull City em 2021/22. Aaron Hickey é mais conhecido, um lateral versátil que pode jogar pelos dois lados e que chegou a ser especulado em clubes grandes.

Experiência de Premier League fica por conta de Ben Mee, um ótimo zagueiro de 32 anos que foi peça central ao sucesso do Burnley (376 jogos!) nos últimos dez anos. Dará um pouquinho mais de casca a uma defesa que alternou bons e maus momentos – e ainda foi melhor que a do Manchester United. Tomas Strakhosa deixou a Lazio para trás e brigará por posição com o espanhol David Raya.

O elenco

Tem versatilidade para Thomas Frank adotar o esquema com três zagueiros que mais gosta ou manter o 4-3-3 que terminou a última temporada. Ben Mee se junta ao capitão Pontus Jansson, Ethan Pinnock e  Kristoffer Ajer como as principais opções para a zaga, à frente de Raya e Strakhosa, que travarão um duelo interessante pela titularidade debaixo das traves. Com três zagueiros, Frank usou bastante o ponta Sergi Canós pela ala direita – que agora deverá ser ocupada por Hickey – e Rico Henry pela esquerda. Com linha de quatro, preferiu um zagueiro fechando a direita.

O meio-campo geralmente começa com o dinamarquês Christian Nörgaard e o alemão Vitaly Janelt. Foram os dois mais atuantes, com o apoio de Mathias Jensen, Frank Onyeka e Shandon Baptiste. O Brentford tem pontas se quiser jogar no 4-3-3 ou no 4-2-3-1. O melhor deles é o francês Bryan Mbeumo, de 21 anos, mas Yoane Wissa também fez boa temporada. Agora terá o jovem Lewis-Potter. O principal responsável pelos gols é Ivan Toney, que marcou 14 e tem sido especulado em outros clubes, como Newcastle e Manchester United. Ficar com ele será importante às pretensões do Brentford.

O técnico

O técnico Thomas Frank, do Brentford (Foto: Imago / One Football)

Ninguém tem uma palavra ruim para dizer sobre Thomas Frank, que mostrou ter capacidade para enfrentar os melhores técnicos do mundo, às vezes de igual para igual, na última temporada. Foi o substituto de Dean Smith no comando do Brentford e conseguiu o tão aguardado acesso. Soube ao longo da última temporada reinventar o seu time e principalmente manter o ânimo de todo mundo sob controle durante uma sequência péssima de resultados. Foi premiado com o retorno das vitórias e pelo menos mais um ano para se testar na Premier League.

O futuro

Aos 20 anos, Aaron Hickey tem quase 50 jogos de Serie A em seu currículo. Quando estava para sair do Hearts, houve muito burburinho sobre Bayern de Munique e Arsenal, mas preferiu o Bologna porque queria mais tempo de jogo entre os adultos imediatamente. Uma decisão que mostra muita personalidade e maturidade. É um lateral ofensivo e moderno que cai como uma luva ao que o Brentford se propõe. Parece ter sido uma contratação muito esperta, inclusive para o futuro.

Expectativa para a próxima temporada

Em resultado bruto, evitar o rebaixamento. Principalmente diante dos exemplos recentes de times que subiram surpreendendo todo mundo e não souberam se reinventar quando seu estilo ficou manjado. A sorte do Brentford é que ele já passou por todo esse processo em uma única temporada e saiu por cima. O azar é que perdeu Eriksen e terá que fazê-lo de outra maneira para continuar a sua trajetória ascendente. Nos melhores dias, mesmo com poucos recursos, pode encarar qualquer time da Inglaterra – e isso não é pouca coisa. O segredo é regularidade.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo