O Manchester City faz uma temporada muito distante daquelas de 2017/18 e 2018/19, em que conquistou a Premier League com um futebol de altíssimo nível e controle sobre as partidas. Apesar das dificuldades recentes, Pep Guardiola afirma que sua equipe não mudou seu estilo de jogo, apenas tem sofrido para desempenhá-lo como em seus melhores dias. O triunfo por 3 a 1 sobre o Chelsea no domingo (3), no entanto, foi uma exceção bem-vinda, e o treinador espera que sirva de referência para o seguimento do ano.

Guardiola destacou a aplicação dos jogadores e seu sucesso em colocar em prática o plano apresentado antes do duelo diante dos Blues. Mesmo sem superioridade na posse de bola, os Cityzens souberam o que fazer quando a tiveram, diferentemente de vários momentos da atual temporada, e construíram o triunfo com três gols marcados ainda no primeiro tempo.

“Tínhamos um plano, tentamos jogar de uma certa maneira que jogávamos no passado, e funcionou”, celebrou Guardiola, acrescentando na sequência que não cabe ao City tentar imitar o estilo de futebol dos outros, mas, sim, buscar a excelência em suas próprias características.

“Os jogadores foram fantásticos em todos os departamentos: quando pressionamos alto, quando defendemos na nossa área fomos sólidos, e especialmente com a bola. Somos um time que precisa jogar em um certo ritmo, não podemos jogar como outros times, em que tudo é sobe e desce, sobe e desce. Temos que jogar no nosso ritmo: mil passes, passes, passes, e atacar no momento certo. Foi assim que vencemos Premier Leagues, com mais paciência, e nós não tivemos esse ritmo (recentemente) por vários motivos, mas hoje conseguimos”, ressaltou.

“Não temos jogadores com a fisicalidade para fazer ações em 40 metros, com transições rápidas. Talvez o Sterling, talvez o Kevin (De Bruyne), mas não muitos. Os outros precisam jogar com a bola. Você pode descansar com a bola, você cria problemas aos oponentes, tem confiança, e é assim que devemos fazer. Do goleiro ao atacante, precisamos colocar a bola no gramado, dar mil passes e, quando tivermos a oportunidade, atacá-los”, completou.

Questionado se o que se tem visto recentemente é uma mudança de estilo na equipe, Guardiola rechaçou a observação: “É o mesmo treinador, mesma comissão, meu auxiliar mudou, mas os jogadores são os mesmos em suas ideias, é tudo a mesma coisa. O jeito como vencemos a Premier League e quatro títulos em um ano, e muitas coisas, é porque jogamos como hoje. Não importa se um jogador jogou mais aqui ou ali no campo, a maneira, o ritmo, de que sentimos falta no passado, hoje nós o recuperamos”.

Com a vitória, o Manchester City alcançou a quinta colocação, com 29 pontos, mas com partidas a menos que alguns de seus concorrentes. O Liverpool e o Manchester United, líderes com 33 pontos, têm um jogo a mais que os Cityzens. Diante da recuperação recente, a imprensa inglesa já começa a discutir a inclusão da equipe de Guardiola entre os concorrentes ao título. O treinador não dá muita importância à conversa, mas aponta que a temporada atual da Premier League é atípica e que espera chegar à reta final da competição dentro da briga.

“É a primeira vez que dizem isso (que o City é concorrente ao título). Ninguém estava dizendo isso. Mas não importa. Como você disse, a Premier League está estranha em tudo: estádios sem pessoas, temos nove jogadores que testaram positivo (para a Covid-19) no grupo, tudo está estranho, mas precisamos estar focados durante o jogo, e o resto do pessoal precisa relaxar, não pensar demais. A comissão técnica prepara os jogos, mas eles precisam estar calmos e se esforçarem. Espero que nos últimos seis, sete, oito jogos possamos estar lá em cima, lutando pela Premier League. Mas tenho certeza de que as pessoas ficaram orgulhosas pela maneira como jogamos (contra o Chelsea).”