O meio-campista Cesc Fàbregas, atualmente no Monaco, comentou sobre similaridades que existem entre e Pep , vistos como rivais. Para o catalão, que foi dirigido por ambos, eles são similares, embora com um tipo de futebol diferente. O jogador ainda falou, em entrevista ao jornal italiano Tuttosport, que recebeu sondagem para se transferir ao Milan e Napoli, mas optou pelo Monaco, e contou dos problemas dos jogadores do Chelsea com Maurizio Sarri, que durou só uma temporada no clube inglês e o fez, por isso, deixar o clube depois de quatro anos e meio.

LEIA MAIS: Fàbregas revela ser amigo de Mourinho, mas que não conversa mais com Guardiola

Fàbregas jogou sob o comando de Guardiola no Barcelona por uma temporada, em 2011/12, quando o técnico fez sua última temporada pelos catalães e depois ficou em um ano sabático. Depois, em 2014, foi negociado com o Chelsea, onde foi comandado por José Mourinho. Conquistou títulos sob o comando dos dois técnicos: a Copa do Rei pelo Barcelona em 2011/12 com Guardiola e Premier League e Copa da Liga em 2014/15 com o Chelsea de Mourinho.

“Todos pensam que eles são opostos um ao outro e é verdade que eles jogam um tipo diferente de futebol. Pelo modo como vivem o futebol, eles são absolutamente similares”, afirmou o meio-campista. “Eles marcaram uma era, eles estão entre os melhores técnico dos últimos 20 anos junto com [Jürgen] Klopp, [Arsène] Wenger, [Alex] Ferguson, [Marcelo] Lippi e [Carlo] Ancelotti”.

Problemas de Sarri com jogadores do Chelsea

O técnico Maurizio Sarri só durou uma temporada no Chelsea antes de deixar o clube, embora tenha conquistado o título da Liga Europa. Na entrevista, Fàbregas falou sobre elementos que levaram o treinador a entrar em conflito com os jogadores, o que o desgastou com o elenco e também com a direção do clube.

“Ele queria colocar Jorginho, que veio para o Chelsea por €60 milhões, e jogar apenas Copa da Liga ou Liga Europa não era o suficiente para mim, eu sempre fui titular e no fim eu deixou o Chelsea”, contou Fàbregas. “Sarri é um bom técnico, mas ele tem fortes convicções em nível tático. Ele é muito supersticioso e é difícil fazer ele mudar de ideia”.

“Por exemplo, ele sempre queria que nós, os jogadores do Chelsea, treinássemos às 15h. Era ruim para jogadores que têm família, como eu. Nós não conseguíamos ver nossos filhos o dia todo. Eles iam para a escola de manhã e eles iam dormir quando nós voltávamos para casa, depois do treinamento”, contou.

“Um dia nós pedimos a ele para nos deixar treinar de manhã. Ele disse que tínhamos que treinar 15h, porque um professor em Pisa provou que era o melhor horário para o corpo. Eu sei apenas que para qualquer jogador é importante passar tempo com sua família”.

Possibilidade de jogar por Napoli ou Milan

Atualmente com 33 anos, Fàbregas deixou o Chelsea em janeiro de 2019 por estar insatisfeito no clube e jogando pouco. Sem contrato acabaria em junho e os Blues decidiram liberá-lo, já que o perderiam de graça se ele não fosse negociado naquela janela.

Fàbregas jogava pouco com o técnico Maurizio Sarri, que preferia outro tipo de jogador. Sendo assim, acabou assinando pelo Monaco, clube que pagou € 9 milhões para contar com o catalão, e onde ele sabia que poderia jogar mais.

“Eu estava próximo de três ou quatro cubes antes de ir para o Monaco. Eu falei com [Carlo] Ancelotti quando ele estava no Napoli e [] Gazidis quando ele foi para o Milan. No fim, eu optei pelo Monaco”.

“Pirlo se tornará um grande treinador”

Fàbregas chegou a jogar algumas vezes contra Andrea Pirlo como jogador e fez muitos elogios ao ex-jogador, que agora comanda a Juventus. O catalão não está surpreso com a escolha do lendário meio-campista italiano para ser técnico da Juventus, porque outros ex-jogadores assumiram com nenhuma ou pouca experiência antes e isso funcionou.

“De modo algum estou surpreso, a vida é feita de oportunidade e você tem que aproveitá-las. [Pep] Guardiola, [Zinedine] Zidane e [Mikel] Arteta estão indo bem, apesar de não terem muita experiência quando eles começaram. Pirlo era um gênio em campo e ele foi dirigido por técnicos como [Carlo] Ancelotti, [Marcelo] Lippi e [Antonio] Conte. Eu não tenho dúvidas, ele se tornará um grande técnico”.