Premier League

Édouard Mendy: “É uma responsabilidade abrir mais portas a outros goleiros negros”

Em excelente fase no Chelsea, Mendy conversou com Lawrence Vigouroux, do Leyton Orient, que recentemente ressaltou como o senegalês é uma inspiração aos goleiros negros

Há duas semanas, Lawrence Vigouroux deu uma entrevista que repercutiu na Inglaterra. O goleiro de 27 anos é o titular do Leyton Orient na quarta divisão e, após ser vítima de ataques racistas nas redes sociais de um torcedor do Port Vale (que acabou banido dos estádios), declarou como Édouard Mendy é uma inspiração. “Eu olho para Mendy no Chelsea e ele realmente pavimentou o caminho para muitos goleiros negros. Podemos olhar para ele como uma referência por aquilo que tem feito”, afirmou. Diante das palavras, os Blues resolveram promover o encontro e garantiram um bate-papo entre os dois goleiros, que falaram sobre essa relação e também a realidade como raros negros na posição.

“Na divisão em que jogo, não há muitos goleiros negros, talvez seis ou sete em 24 times. Na Premier League, talvez existam ainda menos. Então apenas queria dizer que ver o que você está fazendo na Premier League é muito inspirador para muitos de nós. Você ganhou a Champions League e nós olhamos para isso sabendo que podemos te ver como um ponto de referência, tentar ser mais como você, jogar mais como você, mostrar que temos muitos outros goleiros negros. Eles não jogam e muitas crianças, quando são novas, não querem jogar no gol, especialmente crianças negras”, afirmou Vigouroux.

” O que você faz é muito inspirador, e espero que você continue”, complementou o goleiro do Leyton Orient. “Sou um grande torcedor do Chelsea e estou muito feliz, especialmente como goleiro negro. Posso olhar para você e trabalhar meu jogo ao redor do que você faz. Vou ao máximo de jogos que posso, quero que você continue fazendo o que você está fazendo. Você faz muitos de nós orgulhosos. Estou realmente feliz. Obrigado”.

Diante das afirmações feitas pelo colega, Mendy agradeceu e falou sobre o seu sentimento como goleiro negro. O senegalês avalia que tem uma responsabilidade em abrir mais portas: “Não sei se você tem o mesmo sentimento, mas é uma responsabilidade ser o melhor, jogar em seu nível mais alto, dar essa oportunidade e abrir mais portas a outros goleiros negros”.

Durante a conversa, os dois goleiros falaram sobre diferentes assuntos. Inclusive, ressaltaram a maneira como ficam expostos a insultos racistas – pela posição onde atuam no campo, próximos das arquibancadas, e também pela vulnerabilidade das redes sociais. Mendy reforçou a importância de se denunciar todos os casos.

“Fui vítima racismo muitas vezes. Tento me manter focado no meu futebol, no meu jogo. Mas, sim, fui vítima mesmo nas redes sociais. É difícil, porque você não pode ver quem escreverá. Acho que é realmente difícil para nós lidar com isso, mas precisamos falar e não deixar que eles façam isso. Temos que denunciar esse tipo de abuso”, apontou o goleiro do Chelsea.

Em outros temas, perguntado sobre o início de sua carreira como goleiro, Mendy confessou que não era sua posição preferida: “Quando eu era mais novo, para ser honesto, não queria ser goleiro. Mas era o único lugar onde eu podia jogar. Eu era alto, era rápido, então decidiram me colocar no gol e eu queria estar com meus amigos. Quando você tem esse sentimento de fazer seus amigos orgulhosos, de ajudar seu time, aí é mais fácil ser goleiro. Acho que não são muitos jovens que querem jogar no gol, algumas pessoas gostam de dizer que você precisa ser um pouco louco se quer ser goleiro… [risos]”.

Além disso, o senegalês salientou como todos no Chelsea o ajudaram na adaptação rápida: “Antes de assinar com o Chelsea, eu estava no Rennes. Acho que na Premier League ninguém conhece o Rennes, exceto a torcida do Chelsea, porque Petr Cech jogou antes lá, mas eu era desconhecido. Quando o Chelsea me chamou, era uma grande oportunidade para mim. Mas, assim que cheguei, vi imediatamente que as coisas são realmente diferentes. Tudo muda ao seu redor. Não foi difícil, porque eu estava num bom clube, com um bom técnico e bons companheiros. Então eles realmente me ajudaram e foi simples me integrar ao time. Acho que foi um grande salto, mas eu estava confortável e confiante”.

Mendy soma 55 partidas pelo Chelsea, com 34 gols sofridos e 31 jogos sem ser vazado. Após o papel fundamental na conquista da Champions League, o senegalês vive um início de temporada impressionante, especialmente na Premier League. Sofreu apenas três gols em sete rodadas, sem ser vazado mais que uma vez na mesma partida. Na rodada passada, o arqueiro de 29 anos teve uma atuação espetacular para segurar a vitória sobre o Brentford, que reforçou a opinião de quem o coloca como melhor do mundo no momento.

Já Vigouroux possui uma trajetória singular. Formado na base do Tottenham, ele nunca defendeu o time principal dos Spurs. Também ficou limitado ao segundo quadro do Liverpool quando ganhou uma chance em Anfield. O jovem só teve espaço na terceira divisão, na meta do Swindon Town, além de passar pelo Waterford no Campeonato Irlandês. Descendente de chilenos, ele chegou a atuar brevemente pelo Everton de Viña del Mar e foi convocado pela seleção principal do Chile como reserva, antes de assinar com o tradicional Leyton Orient na temporada passada. Quem sabe, para inspirar outros goleiros negros também nas divisões de acesso.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo