Premier League

A chegada de Lucas Perri ao Crystal Palace reforça a relevância dos goleiros brasileiros na Premier League

Os goleiros brasileiros possuem a sua relevância no mercado de transferências europeu ao longo das últimas três décadas. Na Europa, a Itália foi o primeiro país a realmente abrir as portas para os grandes arqueiros brasileiros. Taffarel ostenta a marca de ser o único estrangeiro da posição a ser contratado antes da Lei Bosman, quando os limites nas transferências mantinham a prioridade a meias e atacantes. Anos depois, seria seguido por outros ídolos no país, com menções especiais a Dida e Júlio César. Enquanto isso, a “grife” do goleiro brasileiro demorou um pouco mais a pegar na Premier League. E, de certa maneira, dá para dizer que este se tornou um espaço conquistado pelos compatriotas. Alisson e Ederson estão entre os melhores goleiros do campeonato. A partir deste mês, ganharão uma companhia a orientar: Lucas Perri, nome frequente nas seleções de base, permanecerá ao menos os próximos seis meses emprestado ao Crystal Palace.

O primeiro goleiro brasileiro a realmente desbravar esta fronteira na Inglaterra foi Gomes. Após excelentes anos com o PSV, o mineiro se tornou uma aposta do Tottenham para a sua meta. Oscilou um bocado em seus anos em White Hart Lane, embora tenha sido uma peça constante na equipe e também tenha sustentado os seus bons momentos com os Spurs. Foram três temporadas como titular, até ser suplantado por Brad Friedel e perder espaço com a contratação de Hugo Lloris. Apesar disso, sua reputação no país permaneceria e a idolatria no Watford comprova isso, fundamental para que os Hornets se estabelecessem novamente na primeira divisão. O veterano é o segundo jogador brasileiro com mais aparições na história da Premier League, atrás apenas de Lucas Leiva.

Gomes até possuiu o seus contemporâneos na Premier League, mas não que a sua chegada tenha causado uma onda. Diego Cavalieri e Doni acumularam passagens opacas pelo Liverpool, enquanto Júlio César também tentou a sorte brevemente no Queens Park Rangers, quando tentava recuperar o seu moral rumo à Copa de 2014. Assim, a nova era dos goleiros brasileiros na Inglaterra começou com Ederson, o fenômeno que estourou no Benfica e parecia a escolha perfeita para Pep Guardiola no Manchester City. Depois de uma primeira temporada conturbada na meta celeste, o treinador pagava caro pelo jovem. Um preço prontamente justificado, não apenas pelo estilo agressivo do paulista sob os paus. Pesou ainda mais sua qualidade absurda para jogar com os pés, transformando suas reposições em arma constante na conquista da Premier League.

E se o nome de Ederson atualmente é inquestionável em Manchester, Alisson também se tornou outra solução bem-vinda ao Liverpool. De maneira parecida com o compatriota, o gaúcho não tinha tantos anos atuando em alto nível. Ascendeu muito bem no Internacional, sobretudo pela estupenda participação na Libertadores 2015, e virou um dos melhores goleiros da Serie A, após um ano na reserva da Roma. Foi um elo à história dos arqueiros brasileiros na Itália àquilo que se constrói atualmente na Inglaterra. O valor altíssimo para encerrar os pesadelos com Loris Karius gerou desconfianças, mas por enquanto o camisa 1 faz valer o investimento. Acumula atuações preponderantes aos líderes da competição e pode ser mais um jogador do país a erguer a taça. Os dois parecem prontos a se estabelecer por anos na Premier League.

O Crystal Palace, por sua vez, já havia contratado outro goleiro brasileiro recentemente. Diego Cavalieri compôs o elenco na reta final da última Premier League. Não chegou a entrar em campo pelo torneio, assim como em sua passagem pelo Liverpool. E, diante das necessidades, as Águias voltam a observar um arqueiro do país para rechear o seu elenco. Igualmente Lucas Perri pode ser uma alternativa somente temporária em Selhurst Park, considerando o seu empréstimo até junho. Mas os londrinos também possuem uma opção de compra definitiva ao final do período, o que implica que a adaptação imediata será fundamental ao novato.

Lucas Perri começou na Ponte Preta, antes de ser contratado pelo São Paulo em 2013 – resultado de uma transferência turbulenta, gerando rusgas entre os clubes. Integrou as seleções de base e sempre foi apontado entre os melhores goleiros de sua geração. Quando chegou ao profissional, porém, acabou preterido por Sidão e Jean. Ao menos se livrou de se queimar na crise de goleiros tricolores e, ao longo dos últimos meses, algo facilitado por sua cidadania italiana, vinha recebendo sondagens de clubes europeus. O Crystal Palace se concretiza como a oportunidade. A princípio, o novato auxilia Roy Hodgson em meio aos problemas que as Águias encaram na posição. Wayne Hennessey e Vicente Guaita estão lesionados, o que deu a titularidade ao veterano Julián Speroni. Mas o trabalho nos treinamentos podem abrir o caminho ao jovem de 21 anos.

Talentoso sob as traves, Perri ainda possui virtudes a aprimorar. A maturidade é necessária a qualquer goleiro para tomar as decisões corretas, enquanto ele trabalhou intensamente o seu jogo com os pés nos últimos anos, um ponto fraco. E a jornada na Inglaterra será facilitada pelo domínio da língua. Logo em sua apresentação no Crystal Palace, o goleiro conversou em inglês e deu uma longa entrevista com pronúncia excelente. Certamente impulsionou a escolha de seu destino rumo à Premier League. A exigência agora será em campo. Por suas palavras, o brasileiro deseja permanecer em Selhurst Park.

“É um sentimento fantástico, estou realmente feliz em me juntar ao clube. É a oportunidade da minha vida. Há dois meses, soube da possibilidade de me juntar ao Palace. Desde então, fiquei ansioso em estar aqui, porque realmente queria isso. É algo realmente importante para mim. Farei de tudo para agarrar a chance. Estou pronto, definitivamente tenho certeza disso. Quando for chamado para a primeira partida, estarei pronto”, analisou. “Os goleiros brasileiros sempre foram bons. Há dez anos eles começaram a jogar aqui na Inglaterra e tiveram grande sucesso. Alisson e Ederson são inspirações para mim, espero ficar próximo deles”.

Cada negócio possui as suas circunstâncias, mas não se nega que os goleiros brasileiros sustentam o seu moral na Premier League. Lucas Perri, agora, terá a chance de construir sua trajetória desde cedo. O futebol brasileiro conta como uma escola excepcional na posição e o número de arqueiros acima da média nos grandes clubes do país se nota pela idolatria que eles sustentam. Dá até para dizer que os clubes ingleses demoraram um bocado para perceber isso. Resta saber se a ascensão desses nomes poderá criar também uma ponte aérea direta rumo à ilha, como acontece com talentos de outras posições.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo