InglaterraItália

Podolski pode ser uma arma importante da Inter de Mancini

Desde que assumiu o cargo na Internazionale, Mancini tem tirado aos poucos o modo de jogar do ex-técnico, Walter Mazzarri. A começar pelos três zagueiros, uma ideia insistente do antigo comandante. Nemanja Vidic, por exemplo, não teve mais espaço, depois de uma primeira metade de temporada muito abaixo do esperado. Com o mercado de inverno aberto, Mancini quer reforçar o elenco e Lukas Podolski é o primeiro nome a chegar. O alemão, de 29 anos, desembarcou em Milão na sexta, já com cachecóis na cor do clube, e passou por exames médicos na manhã deste sábado. Já deu declarações como jogador do clube. Ele é o primeiro a chegar para ajudar o novo técnico interista a mudar a cara do time para um esquema tático parecido com o que usou no Manchester City, o tão falado 4-2-3-1. E não deve ser o único.

CRÍTICAS: Matthäus corneta Podolski e Inter de uma vez só: “Estaria se juntando a um time medíocre”
ADEUS: Podolski cansou de ser só um palhaço do Instagram no banco do Arsenal
COPA 2014: 25 momentos (carisma) em que a Alemanha foi o Brasil na Copa

Podolski é acostumado a atuar nesse esquema. Durante anos, ele foi o ponta esquerda da seleção alemã no esquema que é muito utilizado no mundo todo. É uma posição que a Inter não tinha, até porque quem poderia exercer esse papel é Ricky Álvarez, que foi para o Sunderland por empréstimo. Obi chegou a ser utilizado, mas é um jogador muito abaixo do que a Inter precisa. Podolski é o nome para vestir a camisa 11 – vaga desde a saída de Ricky Álvarez – e fazer esse papel. Se for bem, é bem provável que a Inter tente exercer a prioridade de compra ao final da temporada e ele mesmo deve querer continuar.

Segundo a imprensa italiana, a Inter tem opção de compra de Podolski por € 5,5 milhões até o fim de junho. O alemão aceitou ganhar menos para jogar na Inter, apostando em uma recuperação. Além de jogar pouco pelo Arsenal, ele perdeu espaço também na seleção alemã. Na campanha do título no Brasil, ele esteve em campo poucos minutos. Sabe que se não começar a jogar, nem todo seu prestígio e carisma será suficiente para mantê-lo em um grupo de jogadores tão forte quanto a seleção alemã. De reserva pouco importante ele pode rapidamente se tornar um jogador descartável e não convocado. O talento da geração alemã que surge pede passagem e o atacante precisará estar muito melhor se quiser chegar à Eurocopa de 2016, na França, a próxima grande competição de seleções da Alemanha.

“Eu falei com Mancini e ele é um grande técnico. Ele me queria e eu estou feliz em estar aqui. eu conheço a Serie A, é uma liga muito competitiva. Eu quero ajudar o time a chegar à Champions League. Se eu tenho uma mensagem aos torcedores? Eu estou feliz, Forza Inter e nós esperamos ter uma grande temporada”, declarou o alemão. Podolski não é um jogador de tantos gols. Sua melhor temporada foi no Colônia, em 2010/11, com 18 gols marcados. Pelo Arsenal, chegou a fazer 16 em uma temporada.  É um jogador que ajuda muito o setor ofensivo criando jogadas, abrindo espaços. Tem um chute muito forte, que pode ser uma arma usada pelo time.

Podolski fez exames médicos na manhã de sábado na clínica Humanitas, em Rozzano, e durou cerca de duas horas. Ele treina com o time neste sábado e Roberto Mancini espera que ele possa estrear já na partida contra a Juventus, na terça-feira, em Turim. Um jogo crucial para as expectativas interistas, atualmente apenas no 11º lugar na Serie A, com 21 pontos, seis atrás da Lazio, terceira colocada. Só os três primeiros colocado se classificam à Champions League.

Podolski não deve ser o único contratado pela Internazionale na janela de janeiro. Mancini quer outro atacante pelos lados do campo. Entre os nomes especulados, Paulinho, do Tottenham, foi consultado, assim como Shaqiri, do Bayern de Munique. Lucas Leiva, do Liverpool, e Lassana Diarra, que espera decisão da justiça para saber se poderá deixar o Lokomotiv Moscou e jogar por outro clube. Outro que é especulado é o meio-campista bósnio Tino-Sven Susic, atualmente no Hadjuk Split, da Croácia.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo