InglaterraPremier League

“O Figo de Bristol”: Artilheiro troca um rival pelo outro e causa enorme barulho na Inglaterra

“O dinheiro faz bem e você gosta da vida boa. Mas certamente sua hora chegará […] Você sabe que isso não tem perdão”. Os versos, cantados pela banda The Clash, fazem referência aos chamados Distúrbios de Brixton. Em abril de 1981, moradores do subúrbio londrino e a polícia metropolitana protagonizaram sangrentos confrontos, que deixaram centenas de feridos e um rastro de destruição, em meio a uma área que enfrentava sérios problemas sociais e econômicos. Este trecho de ‘The Guns of Brixton’, no entanto, parece pronto para ser readaptado como ‘The Guns of Bristol’. Pela primeira vez em 30 anos, um jogador trocou o Bristol Rovers pelo Bristol City, rivais ferrenhos do sudoeste do país. No anúncio, o City aproveitou para cutucar, mandando um “bem-vindo a Bristol”.

A BBC compara o negócio feito por Matty Taylor como uma nova versão do que aconteceu com Carlos Tevez em Manchester. O Guardian, por sua vez, vai além, ao traçar um paralelo entre o que ocorreu com Luis Figo, comprado pelo Real Madrid junto ao Barcelona. Fato é que, mesmo em uma região pouco acostumada a desfrutar da elite do futebol inglês (o City foi o único a alcançá-la, aparecendo na primeira divisão pela última vez em 1979/80), a transferência possui um impacto imenso. Basta ver pelas reações causadas nas últimas horas, desde a apresentação do atacante no novo time.

Algumas listas costumam apontar o Dérbi de Bristol entre os 10 mais acirrados da Inglaterra. Inseridos em uma cidade de 400 mil habitantes, City e Rovers estão separados por cerca de seis quilômetros. A rivalidade começou em 1894 e, desde então, são 232 confrontos. Ao longo das décadas, o clássico acumulou episódios de hooliganismo. Em um dos mais famosos, há 21 anos, jogadores dos Rovers chegaram a ser agredidos por membros do City que invadiram o campo. Já o último duelo aconteceu em 2013/14, pelo Troféu Football League, uma copa exclusiva aos participantes da terceira e da quarta divisão do Campeonato Inglês. Como não poderia deixar de ser, houve mais confusão, com invasão de campo, 19 torcedores presos e três policiais feridos.

Contratado em 2014, Matty Taylor não teve a oportunidade de experimentar o dérbi. E ganhou a idolatria dos torcedores do Rovers. Afinal, nas últimas duas temporadas, nenhum outro jogador marcou tantos gols nas quatro divisões profissionais do Campeonato Inglês. Em 2015/16, ele foi artilheiro da League Two com 29 tentos, fundamental para o acesso. Já na League One, ele ajudou o time a entrar na rota dos playoffs, balançando as redes 16 vezes. Por isso mesmo, sua transferência se torna ainda mais dolorida. Irá se juntar aos maiores rivais, que estão na segunda divisão, mas perderam 11 de seus últimos 12 jogos na competição e estão a uma posição da zona de rebaixamento. Caso não consiga salvar o novo clube da degola, Taylor possivelmente reencontrará seus antigos empregadores.

O que mais machuca a torcida do Bristol Rovers é a maneira como Taylor resolveu sair. O atacante havia renovado o seu contrato no último verão, assinando por duas temporadas e meia. Todavia, por estar próximo do término de seu vínculo, o clube concordou em estabelecer uma multa rescisória de apenas £300 mil, para não perdê-lo de graça ao Oxford. Já nesta terça, diante da promessa do Bristol City em pagar a multa e aumentar o seu salário, o goleador não teve dúvidas em se decidir pela mudança. O último jogador a trocar o Rovers pelo City até então havia sido Trevor Morgan, em 1987 – embora, em 2012, David Clarkson tenha assinado com os Rovers após ser dispensado pelo City. Nenhum deles, porém, gerando tamanha polêmica.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo