InglaterraPremier League

Keane dá uma provocada: “Arsenal tem jogadores demais interessados em selfies para ser campeão”

Roy Keane tem o seu estilo muito particular de falar com a imprensa. Com “muito particular”, quero dizer que ele fala o que vem à cabeça, sem pensar muito nas palavras que está proferindo. É assim desde os tempos de jogador, e uma de suas vítimas favoritas é o Arsenal, o principal rival dos tempos em que era capitão do Manchester United. Desta vez, em entrevista ao Telegraph, identificou o motivo de o clube de Wenger não ganhar a Premier League desde 2004: muitos jogadores que gostam de selfies.

LEIA MAIS: Há 15 anos, Palmeiras jogava melhor que o Manchester United, mas perdia o título Mundial

Pode ser que tenha mais a ver com outro mercado letárgico em comparação aos maiores rivais, mas não para Keane. “Temos a mesma coisa que na temporada passada”, disse. “Há jogadores demais no Arsenal interessados em selfies, o que quer que seja isso. Ao invés de se concentrar na Premier League, eles se preocupam com a imagem dos seus corpos, com os seus cabelos, mais do que em vencer as partidas”.

Questionado pelo repórter, Keane suavizou um pouco, mas acrescentou o gosto pelas cervejas. “Eles têm bons jogadores, jogadores muito bons mesmo. É um ou dois que estão mais interessados em selfies e engradados de cerveja”, completou.

Ano passado, depois da vitória do Arsenal na Copa da Inglaterra, Keane afirmou que o clube precisava de um “choque de realidade” porque comemorava terminar a Premier League em quarto lugar e vencer a semifinal da FA Cup sobre um time da segunda divisão nos pênaltis (o Wigan). “Estamos falando sobre o Arsenal Football Club”, afirmou, o que indica que ele tem, sim, algum respeito pelo Arsenal. Mesmo que não demonstre sempre.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo