InglaterraPremier League

Hazard decide, e o Chelsea conquista vitória crucial para se aproximar do título

Com o Swansea vencendo o Tottenham até os 43 minutos do segundo tempo, a rodada estava muito favorável para o Chelsea, que vencia o confronto direto contra o Manchester City por 2 a 1. Os Spurs conseguiram a virada, o que apenas aumentou a importância dos três pontos conquistados pelos homens de Antonio Conte no Stamford Bridge. Após perder para o Crystal Palace, no último final de semana, um segundo tropeço azul, aliado à reviravolta no País de Gales, abriria um Campeonato Inglês que parece definido há muito tempo. Agora, com sete pontos de vantagem a oito rodadas do fim, o Chelsea está ainda mais próximo do título.

LEIA MAIS: Acima do fenômeno, Kanté desafia o futebol a reconhecer um tipo diferente de talento

E muito dessa campanha brilhante deve-se a Eden Hazard. O belga foi o craque da última vez que o Chelsea venceu a Premier League, sob o comando de José Mourinho, em 2014/15, mas teve uma temporada muito ruim na sequência, tendo que aguardar o fim de abril para colocar sua primeira bola na rede pela liga inglesa. Com Conte, voltou à boa forma. Marcou duas vezes na vitória sobre o City e chegou a 13 na campanha dos Blues, segundo artilheiro da equipe, sem contar as assistências – cinco – e outras jogadas importantes das quais ele participou.

Em um primeiro tempo bem movimentado, o Chelsea abriu o placar, com Hazard, completando de primeira um passe de Azpilicueta. O chute não foi muito forte, nem muito colocado, mas Caballero não fez um trabalho muito bom no lance. Sorte que Courtois fez pior. Saiu muito mal, com um passe nos pés de David Silva, que concluiu a jogada. O goleiro belga ainda fez a defesa, mas Agüero pegou a sobra e empatou o jogo. O Chelsea voltou à frente ainda no primeiro tempo. Fernandinho derrubou Pedro dentro da área, e o árbitro marcou pênalti. Hazard cobrou, e Caballero defendeu. No entanto, o atacante pegou o rebote e fez o seu segundo gol na partida.

 

A tônica da segunda etapa foi completamente diferente. O Manchester City assumiu o controle da bola – terminou a partida com 60% de posse -, mas não do jogo. O Chelsea, mesmo em casa, fechou-se na defesa, em um risco calculado para manter o adversário à distância. E deu certo. Principalmente porque faltou muita inspiração para os visitantes, com De Bruyne e David Silva em noite pobre. Durante todos os 45 minutos finais, o City deu quatro chutes a gol, apenas um à baliza. O Chelsea, apesar de mais recuado, finalizou cinco vezes.

Considerando que a briga pelo título está restrita a Chelsea e Tottenham, três dos outros quatro clubes que brigam por duas vagas na próxima Champions League tropeçaram nesta rodada. Além do Manchester City, United e Liverpool ficaram no empate, em casa. Este duelo promete ser acirrado até o fim, ao contrário da busca pelo principal troféu, que parece cada vez mais definida.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo