InglaterraPremier League

Duas crianças comemoraram gol de Falcao na torcida do Aston Villa e foram expulsas do estádio

Uma família de moradores de Birmingham foi ao Villa Park assistir ao jogo entre Aston Villa e Manchester United, no último sábado. A mãe torce para o time da casa, o pai para o visitante. Os seus dois filhos, crianças de sete e nove anos, ainda não tiveram seus pequenos corações conquistados por nenhum dos dois. Mas gostam de futebol, reconhecem grandes estrelas como Radamel Falcao e vibraram quando o colombiano marcou de cabeça. Foi a última coisa que fizeram no estádio.

LEIA MAIS: Falcao voltou a marcar, no momento certo para mostrar que retornou ao topo

Lawrie e os filhos, segundo o seu relato em entrevista à rádio BBC, estavam na Family Stand, do Villa Park, uma arquibancada reservada aos donos da casa e às famílias, naturalmente. Quando saiu o gol do Falcão, os meninos começaram a pular e abraçaram o pai. Uma mulher ao seu lado e outra três fileiras para baixo começaram a reclamar. Gritaram para que eles – lembrando: sete e nove anos – fossem expulsos do estádio. Os fiscais apareceram e, sem ouvir a versão da família ou abertos a negociação, realizaram esse desejo. Aos 9 minutos do segundo tempo, foram retirados do estádio.

Existe, de fato, uma etiqueta a ser observada quando um torcedor assiste a um jogo entre torcedores adversários. Uma imposição social da intolerância porque, no mundo ideal, deveria ser aceitável que rivais convivessem civilizadamente um ao lado do outro, com suas alegrias e tristezas. Ainda mais quando estamos falando de crianças jovens demais para ter a maldade de provocar o adversário. Elas, inocentes, apenas comemoraram um gol, como estão acostumadas a fazer à frente da televisão. E foram expulsas sem que o pai tivesse a chance de explicar que não poderiam. Mas, agora pensando bem, como que ele explicaria isso?

Veja o relato de Lawrie à BBC:

Estou ligando para expressar o meu desgosto com a forma como fui tratado no Villa Park. Nós só pudemos ficar no estádio durante 53 minutos porque os fiscais decidiram expulsar duas crianças de sete e nove anos. Eu comprei ingressos para a arquibancada da família, um presente de Natal para os meus meninos. A mãe deles é torcedora do Villa, eu sou torcedor do United e eles estão entre os dois. Não comemoramos o gol do Villa, mas quando Falcao empatou, os dois garotos pularam no ar, super felizes porque Falcao havia marcado. Eu dei um grande abraço neles. Naquele exato momento, uma mulher ao meu lado e outra três fileiras abaixo pularam dos seus assentos gritando: “expulse-os!”. Em um segundo, fomos abordados por dois fiscais que, sem pensar, sem negociar, sem avisar e dizendo para nos acalmarmos, disseram: ‘Vocês tem que deixar o estádio’. Não foi um pedido, foi uma ordem e fomos expulsos. Eu pedi desculpas às pessoas ao meu redor, meus filhos estavam chorando. Eu disse: “Vocês certamente estão brincando? Não podemos apenas pedir desculpas e prometer que não vamos mais pular? Realmente precisamos sair?” Os fiscais disseram: “vocês têm que sair imediatamente ou quer que chamemos a polícia?”

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo