InglaterraPremier League

Falcao voltou a marcar, no momento certo para mostrar que retornou ao topo

O Manchester United podia mais em sua visita ao Villa Park. A equipe volta para casa com o empate por 1 a 1 contra o Aston Villa, que até veio de maneira satisfatória, com David De Gea operando outro de seus milagres. No entanto, pelo time que Louis van Gaal tem em mãos, é muito pouco. O técnico escalou quase todas as suas estrelas na partida, deixando apenas Ángel Di María para o segundo tempo. Serviu para que o time pressionasse mais no ataque, embora não criasse chances tão perigosas. Quem se salvou mais acabou sendo Falcao García, que voltou a balançar as redes pelo clube após dois meses e meio em jejum.

A forma física de Falcao claramente está longe da ideal. Por mais que o centroavante demonstre vontade, sua mobilidade está um pouco distante de seus melhores momentos. Não à toa, Van Gaal tem deixado o colombiano no banco em boa parte dos jogos – quando, é claro, ele não está lesionado. O goleador saiu do banco em cinco das nove partidas em que atuou na Premier League. A única que se manteve em campo durante os 90 minutos foi a deste sábado, talvez um ótimo indicativo do espaço que pode conquistar.

O faro de gol segue intacto, isso está claro. A forma como Falcao se posicionou e cabeceou de maneira certeira para vencer Brad Guzan demonstram isso. O problema é a continuidade em uma equipe que possui tantos atacantes qualificados, sobretudo com Van Persie servindo de referência. Em um campeonato intenso como o Inglês, é preciso mais para se firmar e aguentar o ritmo forte na campanha, especialmente nesta reta final do ano.

O gol é importantíssimo para Falcao. Para resgatar a sua confiança e também o seu respeito junto à torcida. E esta maratona de dezembro será imprescindível para El Tigre. Tanto para ele ganhar mais chances nos Red Devils quanto para ajudar o clube a emendar bons resultado e, quem sabe, começar a brigar pela liderança. O gol contra o Aston Villa garantiu ao menos um ponto, oito a menos que Chelsea e Manchester City. Não é o cenário ideal, mas o United possui elenco qualificado o suficiente para tentar tirar esta diferença. Para tanto, dependerá bem mais dos gols de Falcao.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo