Inglaterra

Demitido do Stevenage, Sheringham foi ver jogo disfarçado para sentir o clima após sua saída

A primeira empreitada de Teddy Sheringham como treinador passou longe do que o ex-goleador esperava. No comando do Stevenage, da quarta divisão inglesa, o ex-atacante de Tottenham e Manchester United conquistou apenas sete vitórias em 33 jogos e acabou demitido no início de fevereiro, após apenas oito meses no cargo. A demissão afetou tanto o novo treinador que, como um louco apaixonado dispensado que observa nas redes sociais os passos da ex, Sheringham foi acompanhar, disfarçado, o clube no primeiro jogo sem sua presença no banco.

VEJA TAMBÉM: Vardy comemora evolução no Fifa do melhor jeito: com uma cabeçada no cartão antigo

Em entrevista ao jornal The Times, Sheringham afirmou que queria ver como seus ex-comandados e torcedores estavam se sentindo sem ele. Revelou que se disfarçou para não ser reconhecido, embora não tenha revelado como tenha feito isso. Esperamos que com algum tipo de máscara bem esquisita, o que tornaria a história ainda melhor. “Fui demitido na segunda-feira, o Stevenage ia jogar em casa, e eu queria ver como eles reagiam à minha demissão. Então fui ao jogo no sábado, irreconhecível. Fui disfarçado, digamos assim. Queria ver qual era a reação dos jogadores e dos torcedores. Só queria sentir como as coisas estavam”, explicou.

As próprias palavras de tentativa de avaliação do que se passou em seu período no Stevenage pareciam as de um apaixonado que tenta buscar explicação para o fim do amor de sua parceira. “Ainda estou preocupado. Não quero ver o Stevenage rebaixado. Havia algo que eu não estava fazendo? Alguma coisa seria melhor ali sem mim?”

A dor da rejeição também fez Sheringham questionar suas próprias qualidades. “Se eu não consigo sucesso no Stevenage, na quarta divisão inglesa, quem mais vai me querer? Essa foi minha reação inicial e era minha apreensão antes de aceitar o trabalho, em primeiro lugar”, contou. Entretanto, como sempre acontece, eventualmente o pé na bunda tornou-se motivo para crescimento pessoal. “Mas trata-se de aprendizado e crescimento, e me sinto melhor preparado agora. Se eu conseguir uma chance agora, não preciso cometer os mesmos erros”, completou.

Sheringham aposentou-se como jogador em 2008, defendendo o Colchester. Foram sete anos entre seu último trabalho como atleta e o primeiro como treinador. É compreensível a maneira como encarou o fracasso na primeira tentativa. Seu longo e bem-sucedido histórico como goleador na elite inglesa deve ajudá-lo a ter mais chances futuramente, e, com 49 anos, Teddy terá tempo suficiente para se reciclar e ter resultados melhores em suas próximas tentativas.

Mostrar mais

Leo Escudeiro

Apaixonado pela estética em torno do futebol tanto quanto pelo esporte em si. Formado em jornalismo pela Cásper Líbero, com pós-graduação em futebol pela Universidade Trivela (alerta de piada, não temos curso). Respeita o passado do esporte, mas quer é saber do futuro (“interesse eterno pelo futebol moderno!”).

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo