Copa da Liga Inglesa

Tottenham perdeu do Fulham, mas não foi o único da Premier Legue que se complicou

Bournemouth, Burnley e Crystal Palace tiveram que suar - mas pelo menos avançaram

O Tottenham contratou bem, desenvolveu bem, construiu estádio e chegou a uma final de Champions League, mas não conquistou títulos. O último ainda é a Copa da Liga Inglesa de 2007/08. Já em agosto, suas chances de quebrar o jejum despencaram em 50% (considerando que ser campeão da Premier League não é realista no momento) porque foi eliminado na segunda rodada da Carabao Cup pelo Fulham, nos pênaltis, após empate por 1 a 1 no tempo normal no Craven Cottage.

Os Spurs, porém, não foram o único clube da Premier Legue que se complicou nesta terça-feira pela Copa da Liga. Bournemouth e Crystal Palace tiveram que sair de buracos contra Swansea e Plymouth, respectivamente, e o Brentford precisou dos pênaltis para despachar o Newport County. Agora na segunda divisão, o Leicester derrotou o Tranmere Rovers sem problemas, mas o Leeds foi eliminado pelo Salford City – o que deve ter doído porque é o clube gerido pelos ídolos da classe de 1992 do odiado Manchester United.

Por que o Tottenham colocou tantos reservas?

Tudo bem que é começo de temporada, todo mundo ainda precisa ganhar ritmo, mas o Tottenham não terá competições europeias (pela primeira vez desde 2009/10) e sua campanha na Copa da Inglaterra começará apenas em janeiro. Além de que, como estabelecemos, está desesperado por um título. Qualquer título. E ainda assim, o técnico Ange Postecoglou decidiu entrar com um time misto para um duelo bem difícil fora de casa.

O Fulham ficou apenas oito pontos atrás do Tottenham na última Premier League e repetiu cinco titulares que empataram com o Arsenal no fim de semana. Os Spurs pouparam quase todo mundo, menos Micky van de Ven e Richarlison. A punição foi levar um belo baile dos donos da casa no primeiro tempo, embora o primeiro gol tenha sido um lance de azar. Tom Cairney fez Davinson Sánchez de gato e sapato e cruzou rasteiro. A bola pegou no calcanhar de Van de Ven, subiu e cruzou a linha, além do goleiro reserva Fraser Forster.

Forster fez duas boas defesas antes do intervalo para frustrar o brasileiro Rodrigo Muniz, titular no comando de ataque do Fulham. Primeiro por baixo, com uma batida firme, e depois com uma cabeçada, quase em cima da linha. Postecoglou demorou um pouco para mexer. Colocou apenas o garoto Dane Scarlett na vaga de Giovanni Lo Celso para a retomada. Ainda assim melhorou. Hojbjerg perdeu uma chance clara, após Scarlett dividir com Kenny Tete dentro da área, e Richarlison tocou de cabeça no contrapé de Rodák, após cruzamento de Perisic, para empatar.

Harry Wilson, Andreas Pereira e Raúl Jiménez saíram do banco para o Fulham, Son Heung-min, Dejan Kulusevski, Pape Matar Sarr e, no fim, James Maddison para o Tottenham. Forster foi bem para abafar uma grande chance de Wilson pela direita da grande área nos minutos finais, e a decisão de quem se classificaria à próxima fase ficou para os pênaltis. Andreas Pereira, Jiménez e Kulusevski cobraram sem problemas. Wilson exagerou um pouco na tentativa de mandar pelo alto e teve a sorte de acertar o lado correto da trave.

Sorte era tudo que Davinson Sánchez queria porque, se já era contestado antes de bater um pênalti bem ruinzinho no canto esquerdo de Rodák, imagina agora. Palhinha ampliou para 4 a 2, Maddison bateu firme, e Tete classificou o Fulham para a terceira rodada da Copa da Inglaterra.

Bournemouth, Brentford e Palace sofrem, mas avançam

Jogadores do Bornemouth comemoram gol contra o Swansea (Foto: Icon Sport)

O meio da tabela da Premier League entrou com time misto também, uma contradição que a Copa da Liga Inglesa não consegue resolver – para ser relevante, deveria ser uma chance alternativa de título para clubes que, do contrário, apenas sobrevivem na primeira divisão. Enfim, enquanto isso não acontece, Bournemouth, Brentford e Crystal Palace precisaram suar, mas conseguiram passar à próxima fase.

O Brentford foi quem mais sofreu. O primeiro gol do empate por 1 a 1 com o Newport County, da quarta divisão, saiu apenas aos 42 minutos do segundo tempo. Kiban Rai empatou nos acréscimos e levou a decisão à marca do cal. Por sorte, a rapaziada do Newport realmente não sabe bater pênalti porque errou os três primeiros. Bryan Mbeumo, Yoane Wissa e Keane Lewis-Potter foram impecáveis para as Abelhas.

O segundo na hierarquia de sofrimento foi o Bournemouth. Matt Grimes abriu o placar cobrando pênalti no primeiro tempo, e o Swansea chegou ao intervalo vencendo por 1 a 0. Andoni Iraola retornou com alguns titulares – Dominic Solanke, Milos Kerkez e Lewis Cook – e conseguiu virar sem muita demora. O empate foi um momento especial para David Brooks. Seu primeiro gol desde que retornou aos gramados após se recuperar de câncer. Não marcava desde agosto de 2021. Hamad Traoré pegou rebote da trave e parecia que tudo estava encaminhado para os visitantes.

Jamie Paterson, porém, empatou com um belo chute cruzado de fora da área, e parecia que o Bournemouth também teria que ir aos pênaltis, até os 46 minutos do segundo tempo, quando Ryan Christie fechou a vitória por 3 a 2.

O Crystal Palace chegou a estar perdendo por 2 a 0 para o Plymouth, da segunda divisão, no começo da etapa final, mas não teve tanta dificuldade porque, quando levou a sério, conseguiu amassar o adversário e virar sem problema. Jordan Ayew, Eberechi Eze e Jeffrey Schlupp entraram aos 11 minutos do segundo tempo e, aos 17, os londrinos já haviam passado à frente.

E cada um deles deu uma assistência: Ayew serviu Édouard para o desconto, Eze acionou Jean-Philippe Mateta para o empate, e Schlupp ajudou Mateta a marcar o terceiro. Mais tarde, Eze e Mateta combinaram novamente para completar o hat-trick do francês e deixar o Palace mais sossegado com a vitória por 4 a 2.

Era apenas o Blackpool, da terceira divisão, mas o Wolverhampton teve algumas boas notícias. Como mais um gol de Sasa Kalajdzic, que no fim de semana garantiu o 1 a 0 sobre o Everton dois minutos depois de sair do banco de reservas. O atacante austríaco perdeu quase toda a temporada passada após se lesionar com seriedade, em seu primeiro jogo pelos Lobos. O garoto Fábio Silva, contratação cara que precisou dar uma voltinha pela Europa para se desenvolver, fez o segundo da goleada por 5 a 0, fechada por dois gols de Matt Doherty, de volta ao Molineux, e Nathan Fraser.

Agora na segunda divisão, o Leicester venceu o Tranmere Rovers, da quarta, por 2 a 0, com gols de Wilfried Ndidi e Jamie Vardy no segundo tempo. O Salford também está no quarto patamar da pirâmide, mas não é um clube típico porque recebe investimentos de David Beckham, Gary Neville Paul Scholes e outros integrantes daquela famosa geração do Manchester United. E pela rivalidade entre Red Devils e Leeds, a vitória nos pênaltis do Salford após o 1 a 1 deve ter sido deliciosa.

Foto de Bruno Bonsanti

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.
Botão Voltar ao topo