Copa da Inglaterra

Chelsea amassa o Plymouth, mas precisa da prorrogação e de Kepa para avançar

Antes de viajar ao Mundial, o campeão europeu bateu 41 vezes a gol, mas precisou que Kepa defendesse um pênalti na prorrogação para vencer o sétimo colocado da terceira divisão

Em seu último jogo antes de viajar para o Mundial de Clubes, o Chelsea acertou três vezes a trave e finalizou mais de 40 vezes em Stamford Bridge, mas precisou disputar a prorrogação e contar com uma defesa de pênalti de Kepa Arrizabalaga para derrotar o Plymouth, sétimo colocado da terceira divisão, por 2 a 1 e avançar às oitavas de final da Copa da Inglaterra.

Tuchel escalou um time bastante forte, com Jorginho, Mason Mount, Mateo Kovacic, Hakim Ziyech e Romelu Lukaku, mas saiu perdendo logo aos sete minutos, quando Jordan Houghton cobrou falta pela esquerda e Macaulay Gillesphey desviou de cabeça. O Plymouth teve dois protagonistas para resistir à pressão: no primeiro tempo, a trave; no segundo, o goleiro Michael Cooper.

Kovacic acertou o travessão, aos nove minutos. Callum Hudson-Odoi encontrou o cruzamento de Ziyech e também carimbou a trave. Aos 37 minutos, Lukaku fez a parede para o meio croata mandar outra no poste. O Chelsea conseguiu o empate a poucos minutos do intervalo, com César Azpilicueta completando de letra o centro rasteiro de Mason Mount.

A expectativa era que o Chelsea construiria uma vitória confortável durante o segundo tempo. Havia tempo de sobra para isso. E houve chutes de sobra também, 22 apenas naqueles 45 minutos, mas o Plymouth quase voltou à frente quando Ryan Hardie saiu nas costas da defesa. Kepa saiu para abafar.

Em seguida, foi a vez de Cooper brilhar. Espalmou por cima do travessão um chute potente de Mount, de frente para o gol, e depois barrou Havertz, que havia dominado o lançamento e batido de bico no cantinho. Praticamente garantiu 30 minutos a mais para o Plymouth superar o Middlesbrough – que eliminou o Manchester United na sexta-feira – com uma zebra ainda maior.

O tempo se arrastou na prorrogação, mas o Chelsea conseguiu o gol do alívio, em outro cruzamento rasteiro, agora com Havertz encontrando Marcos Alonso na entrada da pequena área. Era uma questão de administrar os 15 minutos finais, mas Malang Sarr tinha outros planos. Zagueiro de 23 anos contratado do Nice que fez apenas 10 jogos pelo Chelsea nesta temporada, após ser emprestado ao Porto, o francês não ajudou muito a sua causa por mais tempo em campo.

Recebeu de Alonso na frente da área, errou o passe para devolver e foi interceptado por Hardie. O camisa 9 do Plymouth entrou na área e hesitou antes de chutar. Fez bem porque Sarr chegou como um trem desgovernado e o derrubou. Pênalti para o Plymouth ganhar a chance de bater mais cinco para tentar eliminar o campeão europeu. O próprio Hardie bateu rasteiro no canto esquerdo.

Kepa, porém, defendeu, para o alívio do Chelsea, que evitou passar muitas horas dentro de um avião com a cabeça inchada.

.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo