InglaterraPremier League

Clubes ingleses vetam ingressos mais baratos mesmo com novas receitas bilionárias de TV

Em reunião nesta quinta-feira, os clubes da Premier League receberam a confirmação das cifras envolvidas na negociação pelos direitos de transmissão das próximas três temporadas: £ 8,1 bilhões (£ 5,1 bilhões pelos direitos no Reino Unido e £ 3 bilhões pela transmissão no exterior). Uma quantidade absurda de dinheiro que tornará financeiramente competitivo no mercado o mais mediano dos clubes da elite inglesa. Falando apenas dos direitos de transmissão no Reino Unido, o valor representa um aumento de 70% em relação ao acordo ainda em vigência, mas, mesmo com o salto significativo na receita de TV, os clubes se recusam a estabelecer um teto no preço dos ingressos de visitante na Premier League.

VEJA TAMBÉM: Dois jogões na Premier League e clássicos pela Europa são os destaques da rodada no Carnaval

A reunião desta quinta serviu também para que os clubes debatessem uma série de assuntos, ao longo de uma conversa de cinco horas e meia. Segundo o Daily Mail, a questão dos ingressos de visitantes, uma demanda de grupos de torcedores, foi a mais discutida.

Havia uma proposta para limitar o preço dessas entradas em até £ 30, e, para a ideia ser aprovada, era necessária uma maioria de 14 clubes concordando com a proposição. No entanto, de acordo com o jornal britânico, pelo menos oito clubes foram contrários à diminuição no preço dos ingressos, entre eles o Arsenal, equipe que cobra o ingresso de visitante mais caro de seus torcedores entre todos os 20 times da Premier League. Ainda segundo o Daily Mail, o Everton foi um dos que se posicionaram fortemente a favor do estabelecimento de um limite para o preço dos ingressos.

A Football Supporters’ Federation, principal associação de defesa dos interesses dos torcedores na Inglaterra, pronunciou-se pouco após o anúncio do veto dos clubes da Premier League à proposta de diminuição, tocando justamente no ponto das novas receitas com TV para atacar a política gananciosa adotada pelos clubes.

“Os torcedores têm razão em estar bravos com a aparente relutância dos clubes da Premier League em combater o problema dos preços dos ingressos. Os clubes da primeira divisão sabem desde o ano passado que irão receber um aumento enorme nas receitas de televisão. À luz desse dinheiro, os clubes da Premier League não podem justificar a manutenção de preços altos de ingressos, particularmente para torcedores visitantes. Apesar dos clubes não terem chegado a um acordo que avance isso ontem, essa questão não vai sumir, e os torcedores continuarão lutando por preços justos. Entendemos que a Premier League trabalhará com os clubes nas próximas semanas para achar um caminho. Isso deve resultar em alguma ação significativa sobre o preço de ingressos de visitantes na próxima reunião dos acionistas, no fim de março. Se os clubes tiverem vontade de fazer isso, deve haver um jeito”, dizia trecho do comunicado.

Sobretudo com o dinheiro que chegará a partir da próxima temporada, as equipes poderiam subsidiar essa diminuição no preço dos ingressos, pelo menos para partidas como visitantes. O custo disso seria muito pequeno se colocada na balança também a preservação de uma boa relação com seus torcedores. Em vez disso, o posicionamento contrário à proposta de um teto no preço dos ingressos passa a mensagem de que, cada vez mais, os clubes dão mais valor aos consumidores em vez dos torcedores de verdade.

Querem atrair aquele público que paga caro para estar no estádio e, consequentemente, tendo alto poder de compra, também consome outros produtos do clube, dentro da experiência do matchday. Uma postura muito evidenciada, por exemplo, no site da empresa proprietária do Liverpool, que se orgulha de estar “transformando torcedores em consumidores”. Como o próprio comunicado da FSF expressa, as parcelas de torcedores insatisfeitas com o afastamento cada vez maior das camadas mais populares e fanáticas por futebol dos estádios não assistirão caladas a esse processo. Após algumas conquistas nos últimos meses, esse passo para trás com a decisão dos clubes mostra que, de fato, os torcedores não podem cessar suas vozes diante dos primeiros sucessos advindos de suas demandas.

Mostrar mais

Leo Escudeiro

Apaixonado pela estética em torno do futebol tanto quanto pelo esporte em si. Formado em jornalismo pela Cásper Líbero, com pós-graduação em futebol pela Universidade Trivela (alerta de piada, não temos curso). Respeita o passado do esporte, mas quer é saber do futuro (“interesse eterno pelo futebol moderno!”).

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo