Inglaterra

Alexis: “Quero jogar a Champions, mas meu futuro depende da decisão do Arsenal”

Alexis Sánchez continua protagonizando uma das principais histórias da janela de transferências da Europa. Vários clubes cresceram os olhos sobre o futebol do chileno, sobretudo Bayern de Munique e Manchester City. Segundo o diretor-executivo Karl-Heinz Rummenigge, após conversas com Carlo Ancelotti, os bávaros decidiram não contratar mais ao seu ataque. Ainda assim, a situação permanece pendente e a vontade do camisa 7 em encontrar um novo destino parece clara. Neste final de semana, ele afirmou que pretende disputar a Liga dos Campeões, algo que não poderá fazer com os Gunners nesta temporada.

VEJA TAMBÉM: Özil quer ficar no Arsenal e torce por permanência de Alexis Sánchez

“A verdade é que a decisão não depende de mim. Eu fiz a minha escolha, mas agora preciso esperar a resposta do Arsenal. Depende deles, preciso esperar para saber o que eles querem”, declarou, em entrevista à Radio Sport, do Chile. “Minha ideia é disputar a Champions e ganhá-la, é um sonho que tenho desde criança”.

Durante os últimos dias, em pré-temporada na Austrália, Arsène Wenger declarou sua confiança na permanência de Alexis Sánchez. “Obviamente ele ficará. Não há muito o que resolver. Troquei mensagens com ele e foi muito positivo. Meus pensamentos são muito positivos”, apontou o treinador. Segundo a imprensa inglesa, há a oferta de um novo contrato ao atacante, com ganhos semanais na casa de £300 mil. O atual vínculo do chileno se encerra ao final da temporada.

Por causa da Copa das Confederações, Alexis permanece de férias, sem se integrar ao elenco. O ponto-chave do imbróglio será o dinheiro que o Arsenal pode perder, caso não satisfaça a vontade do jogador e o mantenha até o final da temporada. Precisa avaliar se compensa o risco, ainda mais considerando a vontade expressa. Vale lembrar que os Gunners trouxeram Alexandre Lacazette nas últimas semanas, já integrado ao elenco.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo