Inglaterra

Agora são 97: 32 anos após Hillsborough, torcedor do Liverpool morre em decorrência de ferimentos da tragédia

Andrew Devine passou três décadas em uma cadeira de rodas, sem poder se comunicar, mas ainda frequentando Anfield para ver o Liverpool jogar sempre que possível

A pedido de James Milner, o ônibus que levava os jogadores e técnicos do Liverpool que haviam acabado de conquistar o sexto título da Champions League ao redor da cidade fez uma parada antes de retornar ao Centro de Treinamento de Melwood. Um dos capitães do clube, o veterano fez questão de levar a taça à porta da casa de Andrew Devine, torcedor que sofreu lesões cerebrais sérias e irreparáveis na tragédia de Hillsborough que o confinaram durante 32 anos a uma cadeira de rodas, sem conseguir se comunicar ou comer direito, com necessidade de auxílio médico 24 horas por dia.

LEIA MAIS: A tragédia de Hillsborough: por que aconteceu, e o que mudou depois dela

O gesto de Milner foi enorme naquele momento e, nesta quarta-feira, ficou ainda maior porque Andrew Devine não é mais um sobrevivente de Hillsborough, mas a 97ª vítima do desastre causado pela negligência das autoridades, das quais nenhuma foi responsabilizada pela Justiça, apesar do veredito de 2016 que determinou que aquelas pessoas que saíram de casa para ver um jogo da semifinal da Copa da Inglaterra de 1989 e nunca voltaram para casa foram mortas de maneira ilegal pela polícia de Sheffield.

Um inquérito médico realizado em Liverpool nesta quarta-feira determinou que Andrew foi morto aos 55 anos na última terça em decorrência dos ferimentos que sofreu na tragédia de 15 de abril de 1989 no estádio de Hillsborough, quando a superlotação de um dos setores, a má gestão da polícia, que naquele dia era comandada por um quase novato em operação de dia de jogo, e a estrutura capenga do estádio levaram centenas e centenas de torcedores a serem esmagados.

Devine foi um deles. Seu peito foi amassado e o então funcionário dos Correios ficou muito tempo sem oxigênio. Sobreviveu às primeiras 24 horas, mas seus pais foram informados pelos médicos que ele provavelmente não viveria mais do que seis meses e que ninguém com lesões daquele tipo havia passado dos oito anos. Vivendo com a família, sob o cuidado dos país e com assistência médica, Devine sobreviveu mais três décadas, apesar de depender de cadeira de rodas, não conseguir falar ou comer comida sólida.

Passou esse tempo sendo “a cola” que unia a família e sempre que possível visitando Anfield para torcer pelo Liverpool. “É com grande tristeza e senso de perda que confirmamos que Andrew Devine morreu ontem (terça-feira) na prematura idade de 55 anos”, afirmou a família da vítima em um comunicado publicado no site do Liverpool.

“Nossa devastação coletiva é muito grande, mas também é a compreensão de que fomos abençoados por ter Andrew conosco por 32 anos depois da tragédia de Hillsborough. Saudamos a conclusão de que Andrew foi morto ilegalmente, tornando-o a 97ª fatalidade dos eventos trágicos que ocorreram em 15 de abril de 1989”.

“Nos anos que se passaram, Andrew foi um filho, um irmão e um tio muito amado. Ele foi apoiado pela sua família e uma equipe de cuidadores dedicados, todos dedicados a ele. Como sempre, nossos pensamentos estão com todos os afetados por Hillsborough. Pedimos que a nossa privacidade seja respeitada neste momento de tristeza”, completou.

O clube também emitiu um comunicado: “O Liverpool Futebol Clube está profundamente triste com a morte de Andrew Devine. Torcedor do Liverpool a vida inteira, Andrew continuou indo a Anfield sempre que possível, apesar dos ferimentos que sofreu em 15 de abril de 1989 em Hillsborough. Ao fazê-lo, desafiou as expectativas de que não sobreviveria seis meses após a tragédia”.

“Em um inquérito realizado em Liverpool nesta quarta-feira, foi determinado que Andrew foi morto de maneira ilegal em decorrência do desastre, mais uma lembrança trágica do fardo que Hillsborough continua a ser para todos os afetados pela tragédia”, completou.

Em 15 de abril, 95 pessoas morreram durante a tragédia ou pouco depois. Tony Bland, com danos cerebrais irreparáveis, faleceu em 1993, levando o total de vítimas a 96. Andrew Devine é oficialmente o 97º torcedor do Liverpool que perdeu a vida naquela tarde.

No que parecia ser a culminação de anos buscando Justiça às vítimas da tragédia, um júri em Warrington determinou, em abril de 2016, que a negligência da polícia foi responsável pelas mortes “ilegais” e que os torcedores não tiveram nenhuma culpa, apesar da campanha organizada pelas autoridades durante décadas para pintá-los como bárbaros cujo comportamento havia contribuído para o que havia acontecido.

A decisão ratificou as descobertas de um painel independente em 2012, que levou o jornal The Sun a pedir desculpas por ter publicado mentiras sobre o incidente. O então primeiro-ministro David Cameron fez a mesma coisa pela responsabilidade do governo britânico na campanha de difamação. O veredito também abriu a porta para que os culpados fossem processados nos tribunais.

No entanto, em novembro de 2019, Duckenfield, chefe da polícia de Sheffield durante aquela partida, foi absolvido das acusações de “homicídio por grave negligência”, e, no último mês de maio, outros três ex-agentes da polícia de South Yorkshire também escaparam de processos por obstrução de justiça por terem editado depoimentos das autoridades depois do desastre, o que na prática encerrou as vias legais às famílias.

A única pessoa que sofreu alguma condenação por qualquer coisa relacionada à tragédia de Hillsborough foi o secretário do Sheffield Wednesday, Graham Mackrell, responsável por preservar a segurança do público naquela partida. Ele foi multado em £ 6,5 mil. Na época, a irmã de uma das vítimas havia feito a conta: £ 67,7 por vida perdida. Agora, é menos.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo