Inglaterra

A cena do dia foi a comemoração dos jogadores do Fulham com este garoto

Um gesto de carinho com Rhys Porter, de 13 anos, que sofreu com comentários odiosos por uma deficiência, tornou o gol ainda mais bonito

Rhys Porter tem 13 anos e é um apaixonado por futebol. Torcedor fanático do Fulham, ele ama o esporte e ver o seu time. Estava lá, atrás de um dos gols, e os jogadores do Fulham foram comemorar com ele o gol do time contra o Bristol City, neste sábado, pela Championship, a segundona inglesa. Já seria lindo se a história parasse aí, mas vai além.

Porter tem paralisia cerebral tetraplégica e epilepsia. Isso faz com que ele tenha dificuldades de locomoção, entre outros problemas. Isso não o impede de treinar futebol como goleiro e é aí que a história tem o seu capítulo mais triste. Um vídeo de Porter treinando como goleiro se tornou viral e foi motivo de muitos comentários de ódio, discriminando o garoto. Diversas pessoas menosprezaram e direcionaram ofensas a Porter pela forma como ele defendia. Um comportamento cruel com alguém que não tinha feito nada além de se divertir jogando futebol.

O episódio não passou em branco pelo Fulham. O clube agiu: levou o garoto ao centro de treinamento e o levou para treinar com os goleiros do time principal, Marek Rodak e Paulo Gazzaniga. Ele conheceu os jogadores, tirou fotos e teve um dia agradável. O Fulham foi além: listou Rhys Porter como um jogador do time.

Sua mãe lamentou o comportamento abusivo de tantas pessoas online, mas junto com o filho, decidiram fazer daquilo algo melhor: começaram uma campanha para arrecadar fundos a uma entidade que ajuda pessoas que tenham algum tipo de deficiência, a Scope. O objetivo era arrecadar 5 mil libras. A campanha já está em mais de 16 mil.

Foi com todo esse contexto que a comemoração aconteceu. Aos cinco minutos do segundo tempo, o atacante sérvio Aleksandar Mitrovic marcou o gol do Fulham e os jogadores dos Cottagers foram lá com Rhys porter comemorar. O abraçaram efusivamente. Mostraram, com um gesto, que o carinho por quem ama o futebol é muito maior do que aqueles que acham que podem destilar ódio contra um jovem que só se divertia com futebol quando ouviu comentários dos mais odiosos.

Ah sim, o jogo acabou 1 a 1, porque o Bristol empataria com Kasey Palmer, aos 34 minutos do segundo tempo. Mas isso é o menos importante da partida. O que ficará marcado para sempre é que um clube como o Fulham se importou com um torcedor e agiu por ele, de forma que ele sentisse que o amor dele pelo futebol e pelo clube é muito maior que todo o ódio que foi direcionado a ele. Esse é o tipo de vitória que vale para a vida toda.

Veja a cena no jogo:

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo