Holanda

Um gol maravilhoso de Tadic ofereceu o grand finale merecido à maluca vitória do Ajax por 5 a 4

Numa quarta-feira repleta de futebol, o Ajax protagonizou a partida mais emocionante do dia. Os Godenzonen encaravam o Utrecht pelas oitavas de final da Copa da Holanda / Países Baixos. A vitória veio, mas com muito suor, em placar de 5 a 4 para a equipe de Erik ten Hag. Dusan Tadic tirou o coelho da cartola, ao anotar um golaço que valeu a classificação aos 44 do segundo tempo.

O Utrecht saiu em vantagem na Johan Cruyff Arena, com Mimoun Mahi. Antes do intervalo, porém, o Ajax virou com gols de Tadic e Zakaria Labyad. Outro detalhe foi que, entre um tento e outro dos Godenzonen, os visitantes precisaram trocar seu goleiro. Anthony empurrou um defensor e a chuteira pegou no rosto do arqueiro Maarten Paes, que saía para a defesa e foi a nocaute. Sem condições de jogo, o camisa 1 deixou o campo para a entrada de Eric Oelschlägel.

Na volta ao segundo tempo, Mahi marcou mais um e empatou ao Utrecht, 2 a 2. Um gol contra de Tommy St. Jago recolocou o Ajax em vantagem, mas os oponentes conseguiram virar para 4 a 3: Sander van de Streek e Moussa Sylla balançaram as redes. A vitória dos Godenzonen só se concluiu depois dos 36 do segundo tempo. Labyad apareceu antes, para anotar o 4 a 4 num belíssimo contra-ataque construído com passes de primeira. Já o lance mais bonito seria cortesia de Tadic.

O gol da vitória ocorreu aos 44. Tadic recebeu na ponta esquerda e partiu para dentro. Diante da marcação, o sérvio deu duas fintas, encontrando o espaço certo ao chute. Acertou um lindo tiro cruzado, que passou por cima do goleiro Oelschlägel e morreu no alto da meta do Utrecht. Grand finale digno a uma partida tão intensa. O PSV, batendo o De Graafschap por 2 a 1, foi ouro a avançar às quartas de final.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo