Holanda

Sem qualquer piedade, o Ajax aplicou a maior goleada da história da Eredivisie: superlativos 13 a 0 sobre o VVV

A Eredivisie é reconhecida por seus placares elásticos. Ainda assim, o que o Ajax aprontou neste sábado é sem precedentes. Os Godenzonen aplicaram a maior goleada da história do campeonato, em 64 anos de competição. Mesmo fora de casa, a equipe implodiu o VVV-Venlo por 13 a 0, superando o recorde na liga que era seu – os 12 a 1 sobre o Vitesse, imposto pelo esquadrão de Johan Cruyff em 1972. Uma expulsão nos aurinegros durante o início do segundo tempo impulsionou os visitantes, que marcaram nove gols num intervalo de apenas 33 minutos. Lassina Traoré foi o mais impiedoso: o atacante anotou cinco e deu assistências a mais três.

O primeiro tempo já seria amplamente dominado pelo Ajax. Ainda assim, não dava indícios de um vareio nessas proporções. Foram quatro gols na primeira etapa. Lassina Traoré começaria a pintar desde então. Cria da base alvirrubra, o atacante de 19 anos desviaria de cabeça e Jurgen Ekkelenkamp abriu o marcador aos 12. Aos 17, seria a vez do burquinense iniciar sua contagem particular, também de cabeça. E Traoré fez o terceiro aos 32, num presente de Nicolás Tagliafico. Antes do intervalo, Dusan Tadic se responsabilizaria pelo quarto. Limpou na área e bateu no cantinho, vendo a bola beijar a trave antes de entrar.

O Ajax poupou Tadic e Tagliafico para a sequência do segundo tempo, mas logo veria o jogo ficar em suas mãos aos sete minutos. Christian Kum deu uma entrada duríssima sobre Antony e recebeu o vermelho direto. Foi então que a porteira realmente se abriu. Dois minutos depois, Traoré aproveitaria o rebote do chute de Antony para o quinto. O burquinense serviria o sexto, logo na saída de bola, fazendo o desarme e entregando o presente a Antony. O sétimo já sairia aos 12, em cruzamento de Ryan Gravenbech para Ekkelenkamp cumprimentar de cabeça. E o oitavo se emendaria aos 14, numa ajeitada de Traoré para Daley Blind, que bateu no canto.

Foram quatro gols nos sete minutos posteriores à expulsão, dobrando o placar. Nem assim o Ajax estava satisfeito, mas o fluxo de gols diminuiu um pouco. Aos 20, o cruzamento de Antony foi cabeceado por Traoré, já responsável por quatro daqueles nove tentos. Com alterações, os Godenzonen recuperaram a fome aos 29, num pênalti que Klaas-Jan Huntelaar converteu. Eram 10 a 0, não perca a conta. O veterano também assinalou o 11°, na pequena área, aos 31. Aos 33, Lisandro Martínez arriscou de fora da área e fez o seu. Por fim, coube ao craque da noite fechar a contagem aos 42: num contra-ataque, Zakaria Labyad arrancou e Traoré fuzilou.

Tão impressionante quanto o placar é o total de finalizações do Ajax: foram 45 arremates, contra apenas três do VVV. O time somou 23 tiros no alvo, com o goleiro Delano van Crooij ainda evitando um estrago maior. Exceção a Tagliafico, todos os outros 14 jogadores de linha em campo chutaram ao menos uma vez. Lassina Traoré, óbvio, foi quem mais tentou, com nove arremates. O segundo tempo guardaria 27 tiros dos Godenzonen.

O resultado diz mais sobre o desnível da Eredivisie do que sobre a força do Ajax, ainda que tenha impressionado a maneira como o time não tirou o pé do acelerador para construir o resultado histórico. Não houve qualquer piedade com o VVV. A equipe de Erik ten Hag lidera provisoriamente a liga, esperando o resultado do PSV no domingo, e se prepara ao embate contra a Atalanta pela Champions. Já o VVV não vem tão mal assim, décimo colocado, com cinco pontos. É de longe a pior defesa do campeonato, já que nenhum outro time tomou mais que 12 gols nas cinco rodadas anteriores.

Classificação fornecida por
Foto de Leandro Stein

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreveu na Trivela de abril de 2010 a novembro de 2023.
Botão Voltar ao topo