Holanda

Governo dos Países Baixos proíbe participação de ex-jogadores, treinadores e celebridades nos anúncios de apostas online

Medida visa reduzir a influência dessas propagandas sobre a população, numa legislação que tende a ser cada vez mais restritiva

O aumento de propagandas relativas a casas de apostas não é uma exclusividade do Brasil. Também na Europa o fenômeno se nota em vários países, algo perceptível até nos patrocínios das camisas. E o governo dos Países Baixos resolveu tomar uma atitude mais restritiva nesta semana. Uma lei aprovada por lá determina que ex-jogadores de futebol, treinadores e outras celebridades não podem mais participar de anúncios de jogos de azar. A medida foi tomada para combater o vício.

O mercado de apostas online foi aberto legalmente nos Países Baixos em outubro do ano passado. Apesar disso, há medidas restritivas que tentam diminuir o envolvimento da população com os jogos. Uma das intenções é limitar as propagandas “sem direcionamento” – aquelas que aparecem a qualquer tipo de público, em anúncios na TV, na internet e nas ruas. Enquanto isso não é feito de maneira mais incisiva, o primeiro passo é evitar que  personalidades locais participem da promoção desse mercado.

A legislação inicial no país previa que atletas em atividade não poderiam participar das propagandas. Entretanto, a aparição de ex-futebolistas e treinadores gerou preocupação nas autoridades dos Países Baixos. Segundo um estudo de 2015, um dos fatores que normalizam os jogos de azar entre a população é a participação de pessoas famosas do mundo do futebol nos anúncios. Isso diminuiria a noção de risco.

A aprovação dos jogos de azar online nos Países Baixos aconteceu sob a intenção de legalizar um mercado que seguia acessado mesmo na ilegalidade. Entretanto, isso não significa um incentivo, mas uma maneira de poder controlar melhor. A preocupação do governo se concentra exatamente nas consequências dos jogos de azar sobre a população, como a vulnerabilidade que causam e também o vício que pode onerar os cofres públicos.

Conforme o detalhamento da nova lei, não podem participar das propagandas: atletas profissionais, treinadores e pessoas públicas no esporte profissional; atores, diretores, apresentadores, cantores, modelos e outras pessoas ligadas a essas indústrias. Ex-jogadores como Wesley Sneijder, Andy van der Meyde e Sjaak Swart estavam entre os veteranos do futebol contratados para anúncios no país, assim como o técnico Dick Advocaat.

Um dos partidos neerlandeses também pretende apresentar um projeto para proibir o patrocínio em clubes de futebol de empresas ligadas a apostas online. O discurso é que as marcas estampadas nas camisas e banners seriam uma “imprudência”, diante das consequências que o vício em jogos pode gerar. A expectativa é de que a proposta também seja aprovada.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo