Holanda

Cinco grandes noites europeias no De Kuip, estádio do Feyenoord que completa 80 anos

Você encontra no De Kuip uma das melhores atmosferas do futebol europeu, cortesia da torcida do Feyenoord. Também encontra episódios importantes da história do esporte no continente, uma vez que o Stadion Feijenoord, o nome que consta no seu RG, é o mais tradicional da Holanda e foi palco de nove grandes finais europeias: duas de Copa dos Campeões, duas de Copa da Uefa, seis de Recopa Europeia e uma de Eurocopa.

LEIA MAIS: Um ano sem Cruyff: Como a juventude turbulenta moldou sua personalidade revolucionária

O De Kuip foi construído na década de trinta, ambição do então presidente do Feyenoord, Van Zandvliet, e abriu suas portas pela primeira vez na vitória dos donos da casa por 5 a 2 sobre o time belga Beerschot, em 27 de março de 1937. Ou seja, exatamente 80 anos atrás. Para comemorar a data, selecionamos cinco importantes noites europeias que aquele amontoado de concreto presenciou.

26/11/1969 – Feyenoord 2 x 0 Milan                  

Cruyff, Rinus Michels e o Ajax colocaram o futebol holandês no mapa da Europa com o tricampeonato da Copa dos Campeões, entre 1971 e 1973. No entanto, antes disso, um clube da Holanda já havia conquistado a principal competição de clubes do continente. Foi o Feyenoord, logo antes da sequência do Ajax. E uma vitória dessa campanha foi especial.

O adversário era o Milan, atual campeão e dono de dois títulos da Copa dos Campeões. Enquanto isso, o futebol holandês tinha apenas duas campanhas de destaque: uma semifinal com o Feyennord, em 1962/63, da qual o Benfica saiu vencedor; e a decisão de 1968/69, vencida pelos rossoneri contra o Ajax.

Os italianos venceram, em casa, o jogo de ida segunda rodada de 1969/70, gol de Néstor Combin. A volta, em Roterdã, começou bem para os donos da casa, que empataram com Wim Jansen, logo aos 6 minutos, meio que por acaso. A partida, no entanto, arrastou-se na igualdade até os 37 da etapa final, quando Willem van Hanegen marcou o gol da classificação do Feyenoord.

O som do estádio explodindo de alegria é incrível.

31/05/1972 – Ajax 2 x 0 Internazionale

Um show de Johan Cruyff. Foi o segundo título consecutivo do Ajax, terceiro de clubes holandeses, momento premiado com uma decisão marcada para o De Kuip. Os holandeses não deram chances para a Internazionale e venceram por 2 a 0, todos os gols marcados por Cruyff.  No primeiro, a bola praticamente caiu do céu, depois de uma saída em falso do goleiro italiano Ivano Bordon. O segundo saiu de cabeça.

15/05/1991 – Manchester United 2 x 1 Barcelona

Foi o primeiro título europeu e o segundo no geral – havia conquistado a Copa da Inglaterra da temporada anterior – de Alex Ferguson pelo Manchester United. E Cruyff mais uma vez faz parte da história. Treinava o Barcelona, que se tornaria tetracampeão europeu e levaria o apelido de Dream Team. Mark Hughes marcou duas vezes, todas no segundo tempo, em duas saídas de gol estranhas de Carles Busquets, e Koeman descontou, na vitória por 2 a 1 dos ingleses, que valeu o troféu da Recopa Europeia.

02/07/2000 – França 2 x 1 Itália

A Eurocopa de 2000 foi sediada em conjunto por Bélgica e Holanda. A final foi marcada para o De Kuip e decidida pelo gol de ouro, na prorrogação. Enfrentavam-se a atual campeã do mundo França, de Zidane e Henry, contra a sempre perigosa Itália, com Totti, Maldini, Cannavaro e Nesta. Foi tudo muito tenso: Marco Delvecchio fez 1 a 0 para a Itália, no segundo tempo, e a vitória parecia encaminhada, até Wiltord empatar, aos 48 minutos da etapa final. Na prorrogação, Trezeguet marcou o gol do título europeu francês.

08/05/2002 – Feyenoord 3 x 2 Borussia Dortmund

Ser campeão europeu em casa é para poucos. E o Feyenoord conseguiu. Em 2002, com um jovem Robin Van Persie no meio-campo, ganhou do Borussia Dortmund, por 3 a 2, em seu próprio estádio. Os alemães eram recheados de brasileiros: Evanílson, Dedê, Ewerthon e Amoroso começaram aquela decisão entre os titulares. Amoroso, inclusive, marcou, de pênalti, depois de Van Hooijdonk ter feito 2 a 0 para os anfitriões. Logo em seguida, Tomasson ampliou para 3 a 1, no contra-ataque. Koller ainda descontou, mas o título já estava fadado a ser comemorado pelos donos das arquibancadas do De Kuip.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo