FrançaLigue 1

Rabiot mostra que merece a confiança de Blanc em vitória do PSG

O Paris Saint-Germain precisava vencer depois do tropeço na rodada passada, quando saiu de uma vitória por 2 a 0 para sofrer o 2 a 2 nos acréscimos do Caen. O personagem principal da vitória do time por 3 a 1 sobre o Toulouse no Parque dos Príncipes foi um jogador preterido no meio da semana, quando faltava um jogador onde ele atua: Adrien Rabiot. O volante fez dois gols e mostrou ao técnico Laurente Blanc que pode confiar nele. No jogo contra o Chelsea, na terça-feira, pela Champions League, o treinador escolheu David Luiz para atuar na função.

VEJA TAMBÉM: Melhor jeito de PSG gastar seus milhões seria reforçando os times pequenos da França

O primeiro gol saiu aos 27 minutos, em assistência de calcanhar de Ibrahimovic para o volante finalizar e marcar. Aos dois minutos do segundo tempo, foi novamente ele que marcou, desta vez em passe do argentino Javier Pastore. O Toulouse voltou para o jogo aos seis minutos, quando Bem Yedder marcou, mas Thiago Silva deu números finais ao jogo aos 29 minutos do segundo tempo, desviando de cabeça uma falta cobrada por Baheback.

Rabiot passou bem a bola e deu uma dinâmica ao time que faltou na terça-feira contra o Chelsea. É um jogador de mais saída de bola que David Luiz, mais acostumado à função. A sua entrada no jogo do fim de semana passado, contra o Caen, não o habilitou como opção, ele foi mal. Mas, como mostrou nesta partida, é um bom jogador. Volante canhoto, tem técnica e sabe chegar à frente quando necessário. Foi um dos que mais fez passes no jogo, 64, atrás de Pastores (85), Thiago Silva (72) e Marquinhos (65). Considerando que dois deles são zagueiros, a importância dos seus passes no meio-campo é maior. Fez ainda quatro desarmes na partida.

A primeira opção para a sua posição é de Thiago Motta, que, aliás, vinha sendo criticado antes de se machucar. Mas a atuação de Rabiot, que tem só 19 anos, mostra que ele merece alguma confiança de Blanc para quando a oportunidade surgir. Tem técnica e pode dar ao meio-campo a dinâmica que faltou em alguns momentos contra o Chelsea.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo