FrançaLigue 1

O Lille transformou o seu CT em uma galeria de arte de rua, com pedaços do Muro de Berlim

Futebol e arte possuem muitas intersecções. E o Lille compreendeu como as duas áreas se complementam ao transformar o seu centro de treinamentos no palco de uma grande exposição. Desde 25 de março, os Dogues inauguraram a mostra “Arte-Liberdade, do Muro de Berlim à arte de rua”. O clube traz 30 partes originais do Muro de Berlim com o trabalho de artistas contemporâneos e até mesmo três automóveis Trabant (a marca tradicional da antiga Alemanha Oriental) estilizados. E, obviamente, o futebol também virou temática dos grafites.

VEJA TAMBÉM: A queda do Muro de Berlim faz 25 anos, e mostramos o que ela representou ao futebol

“Atualmente, vários ‘muros de Berlim’ são construídos ao redor do mundo e separam os povos de maneira artificial. Ao invés dessas separações, eu desejo a união, o encontro e a comunhão. A exposição é um símbolo desse desejo assim como um desafio cultural, que eu espero que tenha sucesso e que continue além deste evento”, afirma Michel Seydoux, presidente do Lille, que também atua como produtor de cinema.

Os 30 pedaços do Muro de Berlim foram adquiridos por Sylvestre Verger, o responsável pela exposição. Em 2014, no aniversário de 25 anos da queda do muro, o antigo administrador do Museu de Luxemburgo convidou renomados artistas contemporâneos para criar novas artes. Há inúmeras referências à cultura pop e à arte contemporânea – incluindo mesmo o rosto de Eden Hazard, ídolo dos Dogues na conquista da Ligue 1 em 2010/11. Entre os participantes da mostra, está o brasileiro L7M.

Cerca de 1,5 mil pessoas visitaram a exposição em sua primeira semana, com entradas gratuitas oferecidas pelo Lille. Ao final da mostra, em maio, algumas das peças permanecerão na sede do clube, incluindo o rosto de Hazard.

lille lille1 lille2 lille3 lille5

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo