França

Mbappé assinou uma emotiva carta para exaltar as Olimpíadas e deixar claro seu desejo de jogar em Paris 2024

Mbappé escreveu uma carta exclusiva no L'Équipe, em que expressa sua vontade de disputar os Jogos Olímpicos em sua cidade

Kylian Mbappé nunca escondeu seu desejo de disputar os Jogos Olímpicos de Tóquio, e muito antes que as competições acontecessem. Mesmo depois de conquistar a Copa do Mundo, em 2018, o atacante já declarava que o sonho olímpico estava entre seus próximos objetivos. O craque chegou a ser pré-convocado pela França para o torneio masculino de futebol, mas o Paris Saint-Germain recusou-se a liberar seu astro e o jovem viu de casa a campanha morna dos Bleus no Japão. Desta maneira, três anos antes que as Olimpíadas de Paris aconteçam em 2024, Mbappé decidiu anunciar publicamente sua vontade de estar presente.

Nesta sexta, Mbappé assinou uma carta exclusiva no tradicional jornal L’Équipe. O atacante fala sobre a importância das Olimpíadas, a maneira como os Jogos alimentaram seus sonhos na infância e a forma como o evento oferece uma oportunidade singular aos esportistas. Mbappé cita até mesmo o empenho de Neymar pelo ouro no Rio de Janeiro e dá uma cutucada no PSG, pela atitude do clube ao bloquear sua liberação. Mais importante, o craque salienta como disputar os Jogos Olímpicos em sua cidade natal seria único. Se ficar no Parc des Princes ou for mesmo para outro lugar em breve, a mensagem está clara. A liberação às Olimpíadas certamente será uma cláusula contratual em seu próximo vínculo.

Abaixo, a tradução na íntegra:

*****

“Foi assistindo aos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, que percebi a importância desta competição planetária. Os Jogos são ‘A REFERÊNCIA’ do esporte, o Graal absoluto que todos os esportistas do mundo querem competir e experimentar pelo menos uma vez na vida. Este é o momento em que você pode dar o máximo de prazer às pessoas, transmitir emoções e vivê-las em troca. Estar na Vila Olímpica, dar, receber, é uma experiência única do tipo”

“Eu devia ter 13 anos, ainda era muito novo, mas me lembro das horas que antecederam algumas competições em Londres. Eu estava impaciente: antes de cada partida do supertime americano de basquete, com LeBron e Kobe; queria ver como Usain Bolt ia nos transportar para a pista de atletismo nos 100m e nos 200m… Acompanhei muitos outros esportes e, claro, também o futebol, com o Brasil de Neymar vencido na final pelo México. Ney, decepcionado, declarou desejar ganhar quatro anos depois no Rio, em seu país”.

“Foi quando disse a mim mesmo que também quero estar lá. Quero experimentar os Jogos de Paris. É um sentimento forte, interior, como se eu já estivesse destinado a participar dessa imensa festa na minha cidade, no meu país, 100 anos depois das últimas Olimpíadas na França. É um sonho de infância que surge. Tenho o sonho de ver outros esportes que não temos tempo de assistir no resto do ano: judô, handebol e basquete masculino e feminino, o 3×3 no basquete, vôlei, canoagem, mesmo o skate!”.

“Já em 2020, para os Jogos de Tóquio, eu queria participar, era um objetivo, mas rapidamente puxaram o tapete sob meus pés. E quando você vê o que as equipes da França conseguiram… Ganhamos no vôlei, no handebol, fomos finalistas no basquete contra os Estados Unidos. Eles foram em busca do ouro e honraram a França. Espero viver isso e fazer o mesmo em 2024, com uma equipe que reúna os melhores jogadores do momento”.

“Esses jogos serão na França, serão no centenário dos Jogos de Paris. Não é a maior competição no nível do futebol, mas você precisa participar das Olimpíadas em sua carreira. É algo incrível quando você ama os esportes”.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo