O Paris Saint-Germain anunciou o seu novo técnico, que já era conhecido há dias: Mauricio Pochettino, de 48 anos, assinou contrato com o clube da capital francesa até junho de 2022, com uma duração de apenas 18 meses. Ele volta ao clube que defendeu como jogador, de 2001 a 2003, com 95 jogos e seis gols marcados. O argentino estava sem trabalhar desde que foi demitido pelo Tottenham, em novembro de 2019. Ele substituiu Thomas Tuchel, demitido em dezembro. A missão, como sempre, é a mais alta possível: o título da Champions League.

LEIA MAIS: A iminente demissão de Tuchel no PSG também corresponde à perspectiva de contar com Pochettino

“Eu estou realmente honrado em me tornar o novo técnico do Paris Saint-Germain”, afirmou o treinador, em entrevista ao site do clube. “Eu gostaria de agradecer à diretoria do clube pela confiança que eles depositaram em mim. Como vocês sabem, o clube sempre teve um lugar especial no meu coração. Eu tenho memórias maravilhosas, especificamente a atmosfera única do Parc des Princes”.

“Eu volto ao clube hoje com muita ambição e humildade, e estou ansioso para trabalhar com alguns dos jogadores mais talentosos do mundo. O time tem um potencial fantástico e minha equipe técnica e eu faremos tudo que podemos para tirar o melhor do Paris Saint-Germain em todas as competições. Nós iremos também fazer o nosso melhor para dar ao time a identidade competitiva e ofensiva que os torcedores parisienses sempre amaram”, disse ainda Pochettino.

“Nós estamos muito satisfeitos por dar as boas-vindas a Mauricio Pochettino como técnico”, declarou o presidente do PSG, Nasser Al-Khelaifi. “Eu estou orgulhoso de ver o nosso antigo capitão retornando ao Paris Saint-Fermain, já que o clube sempre permaneceu como sua casa. O retorno de Mauricio se encaixa perfeitamente com as nossas ambições e será um outro capítulo empolgante para o clube e um que eu acredito que os torcedores irão apreciar. Com a nomeação de Mauricio Pochettino, o Paris Saint-Germain está empenhado a continuar a construir e fazer o clube avançar nos próximos anos”.

Contrato curto e objetivos altos

Chama a atenção o contrato ser de apenas 18 meses, até junho de 2022, com opção de mais um ano. Em geral, os contratos são um pouco mais longos. Indica que ao menos uma das partes não está segura de um projeto de longo prazo. Talvez nenhum dos dois lados tenha essa convicção.

De qualquer forma, Pochettino vai para um clube de orçamento alto, com uma ambição da mais alta possível. Nada menos que o título da Champions League será considerado um sucesso. Repetir o desempenho de Tuchel, com títulos nacionais e ir até a final da competição europeia e perder, não será o bastante.

O desafio não será pequeno. O time tem problemas, o elenco tem um certo desequilíbrio, embora muito qualificado, e há diversos aspectos mentais e de pressão que existe no clube pela conquista da taça da Europa. Como Tuchel bem sabe, o ambiente tumultuado é comum.

Ao final da temporada, é possível que o treinador perca ao menos uma das suas estrelas, Kylian Mbappé ou Neymar, que são sempre especulados para deixar Paris. Talvez até por isso o treinador tenha sido escolhido, já que ele reconstruiu o Tottenham com muita competência.

O clube também tem gastado menos com transferências. Em parte, porque sabe que o Fair Play Financeiro da Uefa está de olho, mas também por uma mudança de política do clube, que quer fazer contratações mais pontuais para resolver os problemas, não apenas assinar com estrelas, até porque já tem muitas. Remontar a equipe pode ser um desafio interessante e que Pochettino é perfeitamente capaz. Mas ao contrário do Tottenham, a pressão será em fogo alto desde o primeiro dia de trabalho.

Como jogador, capitão do PSG na época de Ronaldinho

Mauricio Pochettino com Ronaldinho (C. Gavelle/PSG)

Pochettino é natural de Murphy, na Argentina, e começou a carreira como jogador no Newell’s Old Boys, onde foi comandado por Marcelo Bielsa. Esteve no time que foi até a final da Libertadores em 1992, derrotado pelo São Paulo. Jogou pelo clube de 1988, quando subiu para o profissional, até 1994, quando se transferiu para o Espanyol, seu primeiro destino na Europa.

Defendeu o clube da Catalunha por sete anos, até que foi para o PSG em janeiro de 2001. Ficou por lá até julho de 2003, quando se transferiu para o Bordeuax. Ficou apenas seis meses no clube antes de retornar ao Espanyol em janeiro de 2004 e ficar lá até o fim da carreira, em julho de 2006. O zagueiro também atuou pela seleção argentina em 22 jogos, com dois gols marcados.

Técnico de sucesso na Inglaterra

Maurício Pochettino, técnico do Tottenham (Getty Images)

Como técnico, estreou na carreira comandando o time feminino do Espanyol, em dezembro de 2008, e ficou um ano no cargo. Em janeiro de 2009, assumiu o time masculino do Espanyol, onde ficou até novembro de 2012. De lá, partiu para a Inglaterra, onde assumiu o Southampton em janeiro de 2013. Foi no clube do sul que ele se notabilizou por conseguir um bom futebol e bons resultados. De lá, foi contratado em 2014 pelo Tottenham, onde ganhou o status atual.

Nos Spurs, Pochettino foi responsável por uma profunda reformulação do time, melhorando o desempenho e tornando a equipe frequentadora da Champions League, algo que o time sofria para chegar antes. Nas cinco temporadas completas que teve pelo Tottenham, terminou em quinto, terceiro, segundo, terceiro e quarto. Só no primeiro ano não esteve em posição que levou à Champions League. Em 2018/19, a última temporada que terminou no comando da equipe, levou os Spurs à final da Champions League, mas foi derrotado pelo Liverpool.

Um ponto pesou contra o argentino no time de Londres: a ausência de títulos. O bom desempenho é inquestionável e é evidente que Pochettino elevou o patamar do Tottenham. Faltou, porém, conquistar uma taça. A última vez que o clube viu um título foi na temporada 2007/08, ainda com Juande Ramos no comando, quando conquistou a Copa da Liga. A Copa da Inglaterra não é conquistada desde 1990/91, e o Campeonato Inglês desde 1960/61.

Pochettino era especulado em muitos clubes, mesmo antes da sua saída do Tottenham. O principal deles era o Manchester United, nos momentos que Ole Gunnar Solskjaer era questionado. Aliás, Pochettino foi considerado um candidato antes mesmo de Solskjaer assumir. Quando Mourinho foi demitido, em dezembro de 2018, o nome do argentino foi muito falado, mas isso não se concretizou.

Seu nome estava ligado a especulações em outros clubes, como a Juventus, que acabou contratando Andrea Pirlo, e mesmo o Bayern de Munique, antes de Hansi Flick se estabelecer como interino e virar efetivo. O Real Madrid é outro clube onde o argentino é muito especulado, sempre que há dúvidas em relação à continuidade de Zinedine Zidane.

Veja mais fotos de Pochettino no PSG