França

Depois de 14 anos seguidos na segundona, o Clermont Foot conquista o acesso inédito e jogará a Ligue 1 em 2021/22

Figurante nas divisões de acesso, o clube desfrutará de sua primeira participação na elite do Campeonato Francês

A Ligue 1 contará com um estreante na próxima temporada: o Clermont Foot confirmou o acesso inédito neste final de semana. O clube vinha de 14 participações consecutivas na segunda divisão, mas nunca tinha ido além da quinta colocação. Na atual campanha da Ligue 2, ao menos, teve consistência para ficar com a segunda vaga da promoção. O Troyes, costumeiro ioiô nas últimas décadas, já tinha subido e também ficou com o título da segundona. O Clermont, por sua vez, selou o acesso na rodada final – superando a concorrência do Toulouse, que precisará disputar os playoffs nas próximas semanas.

O Clermont Football surgiu em 1984, a partir da fusão entre os dois clubes mais importantes da cidade de Clermont. O Stade Clermontois, um dos times originários, chegou a disputar a segundona logo após a Segunda Guerra Mundial. Mesmo assim, o nível costumeiro do futebol da cidade era a terceira divisão. A fusão deu uma força temporária à equipe, que chegaria à segundona novamente em 1988/89. O problema é que, mal gerida, a agremiação declarou falência logo em seguida. Rebatizada como Clermont Foot, precisou se reconstruir a partir da sexta divisão.

A partir de 1992/93, o Clermont Foot emendou quatro acessos em apenas nove anos. Também protagonizou uma campanha histórica na Copa da França de 1996/97, quando, na quarta divisão, eliminou o Paris Saint-Germain (nos pênaltis, depois de um incrível 4 a 4 no tempo normal) e chegou às quartas de final, sucumbindo diante do Nice. Já em 2002/03, aconteceu o retorno à segundona. Foram quatro campanhas até o rebaixamento, mas a reconquista do acesso na terceirona foi imediata.

Assim, desde 2007/08, o Clermont Foot era um tradicional figurante na Ligue 2. O clube se estabeleceu na parte de cima da tabela, com mais campanhas entre os dez primeiros do que entre os dez últimos. Ainda assim, nada suficiente para levar o acesso. Foram três campanhas na quinta colocação. Na temporada passada, os rubro-azuis até pareciam brigar pela promoção e estavam a três pontos da zona do acesso direto. Porém, a interrupção do campeonato por conta da pandemia frustrou os planos e ampliou a espera por um ano, até que a festa acontecesse neste sábado.

Nesta campanha, o Clermont Foot ainda levou um tempo para engrenar. Venceu apenas um de seus primeiros cinco jogos. Só então as vitórias se tornaram mais frequentes, alçando o time à zona dos playoffs no fim do primeiro turno. O Clermont pegou ainda mais embalo no segundo turno, com direito a uma sequência de cinco vitórias, que levaram a equipe até a liderança. Depois disso, quatro rodadas sem vencer cortaram o embalo, mas os rubro-azuis voltaram a ganhar jogos importantes na reta final. Foram quatro vitórias até a penúltima rodada, incluindo confrontos diretos contra candidatos aos playoffs. Assim, o Clermont entrou na rodada final com uma vantagem de três pontos. Mesmo derrotado pelo Caen, a vantagem garantiu a subida, já que o Toulouse só empatou com o Dunkerque e permaneceu dois pontos atrás.

Pascal Gastien, treinador do Clermont Foot, desenvolve seu trabalho desde setembro de 2017. Vê o resultado de longo prazo. Outro personagem importante nos bastidores é Ahmet Schäfer, presidente desde 2019. Um dos proprietários minoritários da agremiação, o empresário suíço chegou a trabalhar na Fifa durante a gestão de Sepp Blatter. Além disso, atuava como consultor de direitos esportivos. Conta com bons relacionamentos nos meandros do esporte e tem realizado diversas parcerias com outros clubes. O orçamento dos rubro-azuis era apenas o décimo da Ligue 2 e mesmo assim o time subiu. O objetivo agora é se estabilizar na elite, planejando uma reforma no estádio para ajudar com mais recursos.

Já em campo, Mohamed Bayo fez a diferença. O guineense de 22 anos chegou do Dunkerque nesta temporada e contribuiu bastante com seus 22 gols, terminando como artilheiro da Ligue 2. O ponta Jim Allevinah foi outra figura preponderante ao longo do campeonato, candidato ao prêmio de melhor jogador da liga, assim como Arthur Desmas concorre entre os melhores goleiros. Já a principal liderança é o uruguaio Jonathan Iglesias, meio-campista que usa a braçadeira de capitão e também a camisa 10. Desde 2017 nos rubro-azuis, o veterano de 32 anos está em sua quinta campanha na Ligue 2 com a equipe.

Além de Clermont Foot e Troyes, o terceiro acesso na Ligue 2 ainda será definido pelos playoffs. Grenoble e Paris FC se enfrentam na primeira rodada, com o vencedor pegando o Toulouse na fase seguinte. Quem sobreviver ainda precisará enfrentar o antepenúltimo colocado da Ligue 1, para ver quem acabará com a vaga na próxima edição da primeira divisão.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo