EuropaPremier League

Shaw é primeiro jogador dos clubes envolvidos a se posicionar de forma elaborada contra a Superliga

Lateral do Manchester United publicou comunicado em suas redes sociais cobrando que voz de torcedores e jogadores seja ouvida

James Milner, do Liverpool, havia brevemente se posicionado contra a Superliga, enquanto Marcus Rashford e Bruno Fernandes, do Manchester United, e João Cancelo, do Manchester City, haviam feito publicações em que deixavam seu descontentamento subentendido. Nesta terça-feira (20), Luke Shaw, também do United, juntou-se ao coro, mas desta vez de maneira mais direta e elaborada, com um texto em suas redes sociais.

Em seu principal argumento, Shaw destacou a falta que os torcedores fazem nos estádios e como sua voz, assim como a dos jogadores, precisa ser escutada, como atores essenciais ao esporte que são: “Faz mais de um ano que não temos torcedores nos estádios, e sei o quanto eu e meu time sentimos falta deles a cada jogo. Torcedores e jogadores deveriam sempre ter uma voz, e suas opiniões deveriam sempre contar”.

O lateral esquerdo enfatizou que o seu sonho de jogar no que vê como as duas principais competições de clubes do mundo, a Premier League e a Champions League, foi um impulso em sua busca de se tornar jogador – e o fato de esse sonho ter sido possível e, por fim, alcançado diz muito sobre as características da estrutura atual do esporte que deve ser preservada.

Por ora, as manifestações de jogadores dos clubes envolvidos na Superliga são poucas e individuais, mas, segundo o site The Athletic, Jordan Henderson, do Liverpool, já teria convocado uma reunião com os capitães de todos os clubes da Premier League para discutir a situação e, possivelmente, tomar uma decisão de como agir em conjunto.

Independentemente do que acabe sendo determinado por Henderson e os outros capitães da elite inglesa, o ato de Shaw de se expor e deixar clara sua posição, mesmo diante de possíveis repercussões do clube que é seu empregador, é louvável e pode ajudar a desencadear uma resposta daqueles que protagonizam o espetáculo e que, de forma compreensível, têm preferido permanecer relativamente calados até agora.

Confira abaixo o comunicado de Luke Shaw:

“Nem um minuto se passou em que eu não pensei sobre a situação atual. Questionei-me como poderia expressar minha opinião sem causar qualquer problema para meu clube, com que me importo muito, como todos sabem.

Cresci assistindo à Premier League e à Champions League e me apaixonei pelo esporte assistindo ao que são, em minha opinião, as duas maiores competições de clube do mundo. Minha ambição era de um dia poder jogar nessas competições, e parte desta determinação era para mostrar que, com trabalho duro, qualquer poderia alcançar estes sonhos e jogar nos maiores palcos.

Existe muita paixão no mundo todo pelo futebol, e eu tive o privilégio de viver isso em primeira mão. Entretanto, eu me preocupo que essas mudanças possam impactar o esporte que eu e milhões de outras pessoas amamos.

Faz mais de um ano que não temos torcedores nos estádios, e sei o quanto eu e meu time sentimos falta deles a cada jogo. Torcedores e jogadores deveriam sempre ter uma voz, e suas opiniões deveriam sempre contar.”

Mostrar mais

Leo Escudeiro

Apaixonado pela estética em torno do futebol tanto quanto pelo esporte em si. Formado em jornalismo pela Cásper Líbero, com pós-graduação em futebol pela Universidade Trivela (alerta de piada, não temos curso). Respeita o passado do esporte, mas quer é saber do futuro (“interesse eterno pelo futebol moderno!”).

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo