Champions LeagueEuropaLiga Europa

Platini: “Tecnologia na linha do gol é muito cara para a Uefa”

Embora cada vez mais ganhe espaço nas competições da Fifa, a tecnologia utilizada na linha de gol deve se manter distante da realidade da Uefa por mais algum tempo. Presidente da entidade, Michel Platini reclamou do alto custo para instalar os equipamentos nas competições continentais, apontando a diminuição de erros com a adoção da equipe de árbitros com quatro assistentes.

“Se nós usarmos a tecnologia na linha de gol na Liga dos Campeões e na Liga Europa, ela precisa em instalada em cada estádio nos quais os jogos serão disputados. Se quisermos a tecnologia, teríamos que instalar nesses 280 estádios e remover para as partidas dos campeonatos nacionais. O custo seria de € 54 milhões ao longo de cinco anos, muito alto quando comparado com os erros que aconteceram nos últimos 40 anos. Honestamente, prefiro colocar esse dinheiro no futebol de base e na infraestrutura”, afirmou.

Recentemente, Joseph Blatter confirmou que a Copa das Confederações utilizará sistemas de tecnologia na linha de gol. Além disso, o presidente da Fifa apontou que as dificuldades de adoção das inovações na Europa se dão principalmente por opção de Platini e que a posição do francês não é unanimidade na Uefa.

“Na Liga dos Campeões, estou muito feliz com os resultados. Acontecem poucos erros e os árbitros veem praticamente tudo o que acontece em campo – sem colocar em questão a forma como eles interpretam o que veem”, complementou Platini. Entre os erros recentes em competições da Uefa, está o gol não marcado da Ucrânia contra a Inglaterra, pela Euro 2012, no qual o chute de Marko Devic claramente ultrapassou a linha.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo