Europa

O que merece um jogador que faz uma simulação como este sueco?

Andreas Johansson é o capitão do Norrkoping, time da Suécia, que está em terceiro lugar na liga. O seu time enfrentava o AIK, quinto colocado na tabela. Aos 33 anos, Johansson é um jogador experiente, com história no futebol sueco. O meio-campista chegou até a ser convocado para a seleção sueca uma vez, em 2009. Não teve continuidade. Mas um lance seu no jogo deste domingo é digno de destaque pela cara de pau e cinismo. Ele foi o autor da simulação mais ridícula que um jogador pode tentar fazer em campo.

LEIA TAMBÉM: Jogaram um hambúrguer no goleiro do Belgrano e ele não teve dúvida: pegou do chão e comeu

Mohamed Bangura, do AIK, levantou os braços para pedir a bola. Johansson, que estava atrás do jogador para marcá-lo, encostou o rosto no cotovelo de Bangura. Ele imediatamente se joga ao chão, como se tivesse sido brutalmente agredido. Bangura, inconformado, ficou gesticulando. Foi uma simulação ridícula. O lance não rendeu punição a ninguém, nem a Bangura, porque o árbitro viu que não foi nada, mas também não gerou punição a Johansson por simulação.

No fim, mesmo jogando em casa, o Norrkoping acabou derrotado pelo AIK por 2 a 1. Um dos gols do AIK foi justamente de Bangura, o que abriu o placar aos 25 minutos do primeiro tempo. Talvez seja uma espécie de punição divina ao meio-campista simulador. Deveria ter recebido uma punição por uma simulação tão ridícula.

Veja:

View post on imgur.com

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo