Europa

Numa rodada final com sua dose de drama, o Malmö fatura o bicampeonato sueco

Um empate bastou para o Malmö celebrar o título diante de sua torcida, mesmo igualado pelo AIK

O Malmö voltou a reinar no Campeonato Sueco e faturou o bicampeonato nacional neste sábado. E o novo título dos celestes guardou um final dramático: a taça foi assegurada graças a um empate por 0 a 0 contra o Halmstad, que manteve a equipe na primeira colocação graças ao saldo de gols. O AIK chegou a igualar a pontuação dos concorrentes, com o triunfo sobre o Sirius de virada no fim de semana, o que não bastou à reviravolta. Assim, diante de toda a emoção, o apito final no Estádio Eleda rendeu uma invasão de campo massiva como poucas vistas nos últimos tempos.

Maior campeão nacional, o Malmö chegou a 25 títulos, abrindo 12 de vantagem para Göteborg e Norrköping na lista de maiores vencedores. O sucesso recente dos celestes é expresso, com o terceiro bicampeonato registrado pela equipe desde 2013. Mas se o troféu de 2020 veio com uma campanha soberana, em vantagem de nove pontos ao final da competição, desta vez a corrida seria muito mais apertada e os favoritos só despontaram na liderança durante a reta final.

A maior parte da Allsvenskan foi liderada pelo Djurgardens. A equipe da capital, que levou o troféu em 2019, permaneceu na primeira colocação durante quase todo o primeiro turno e também o início do segundo. A alternância se tornou um pouco maior no início da segunda metade da competição. E não era só o Malmö que estava de olho na ponta, mas também o AIK. O Elfsborg era outro candidato ao título, embora um pouco mais distante na acirrada corrida.

Sem que o Malmö emendasse grandes sequências de vitórias, o momento da virada ao clube aconteceu nas oito rodadas finais do Campeonato Sueco. Foi quando a equipe venceu o Östersunds por 3 a 0 e saltou da terceira para a primeira colocação, num momento em que AIK e Djurgardens apareciam emparelhados com os mesmos 44 pontos dos celestes. No fim de semana seguinte, a equipe até voltou a cair para a terceira colocação, com um empate contra o Varbergs, mas daria sequência a uma série invicta que não se romperia mais até o final do campeonato. Foi o que permitiu a conquista.

Nesta série de resultados positivos, a principal vitória do Malmö aconteceu no confronto direto com o AIK, a seis jogos do fim: anotou 1 a 0 no Estádio Eleda e retomou a liderança com 48 pontos, agora igualado pelo Elfsborg, enquanto Djurgardens (que perdeu para o IFK Göteborg) e AIK apareciam com 47 pontos. A chave aos celestes foi sustentar esse ritmo acima dos perseguidores. O time derrotou Sirius e IFK Göteborg, enquanto o empate com o Häcken na antepenúltima rodada não atrapalhou a dianteira. Já no penúltimo compromisso, os atuais campeões venceram o Kalmar por 1 a 0 fora de casa. Elfsborg e Djurgardens perderam, deixando a disputa. O único concorrente ainda vivo era o AIK, mas dois pontos atrás.

Assim, o Malmö entrou na rodada final só precisando de um empate em casa contra o Halmstad, lutando contra o rebaixamento. Os visitantes até geraram certo incômodo, mas o problema maior foi a maneira como os celestes desperdiçaram muitas oportunidades, com direito a bola na trave e tudo. Ao menos, o empate por 0 a 0 não atrapalharia a comemoração no Estádio Eleida. O AIK até venceu o Sirius por 4 a 2 e igualou os 59 pontos do Malmö, mas passou longe de tirar a diferença de oito gols de saldo que precisava. A taça mais uma vez ficou no sul do país.

O bicampeonato do Malmö coroa o ótimo trabalho de Jon Dahl Tomasson. O ex-atacante está em sua segunda temporada à frente do clube e consegue levar o segundo título. O treinador exibe um bom número de variações táticas e também jogadas bem trabalhadas que acabam marcando esse período de sucesso. Se na Champions League geralmente os celestes atuaram no 3-5-2 ou no 5-3-2, no Campeonato Sueco muitas vezes o comandante priorizou o 4-2-3-1 ou o 4-4-2. Conseguiu resultados como visitante até melhores do que como mandante e também o melhor ataque da liga.

Enquanto isso, os destaques estão em todos os setores. Antonio Çolak e Veljko Birmancevic formam uma ótima dupla de ataque, combinando-se para 23 gols. Jo Inge Berget e Sören Rieks oferecem muita profundidade nas alas ou nas pontas. No meio, o dinamarquês Anders Christiansen foi outra figura primordial, assim como Adi Nalic na armação. Já na defesa, Anel Ahmedhodzic desponta como uma boa promessa. De qualquer forma, a equipe se valeu também da experiência de vários medalhões que compõem o grupo – como Martin Olsson, Niklas Moisander e Ola Toivonen, com participações pontuais na campanha.

Com a conquista, o Malmö também se confirma nas preliminares da próxima Champions. E a expectativa é de que o time possa fazer um papel tão bom quanto em 2021/22. Os celestes brilharam nas preliminares, ao eliminarem adversários duros como Rangers e Ludogorets, embora tenham sofrido duras derrotas no grupo contra Chelsea, Juventus e Zenit. E se os resultados não corresponderam necessariamente a algumas boas apresentações, a nova chance é mais que justa para os rapazes de Tomasson.

Classificação fornecida por SofaScore LiveScore

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo