Europa

Malcolm Young também era do futebol, torcedor do Rangers e parte da Tartan Army

Falecido neste sábado, aos 64 anos, Malcolm Young já tinha deixado sua larga contribuição para a música. Ao lado do irmão, Angus, liderou uma das bandas de rock mais populares do planeta. Ajudou a eternizar canções em alta voltagem, capazes de eletrificar seus fãs como um raio certeiro. E que também criam uma atmosfera detonante muito além dos shows. ‘Thunderstruck’, por exemplo, fez parte da Copa do Mundo de 2014, tocada em cada estádio brasileiro antes das partidas. ‘Hells Bells’ é um hino para o St. Pauli, executada durante a entrada em campo no Millerntor, e ganhou os auto-falantes do Morumbi por anos, graças a Rogério Ceni. Assim, outros clássicos do AC/DC também possuem seus laços com o futebol. O guitarrista, afinal, era mais um aficionado pelo esporte.

VEJA TAMBÉM: Quando o vocalista do AC/DC quase se tornou dirigente do Newcastle

Malcolm e Angus deixaram a Escócia ainda na infância, imigrando à Austrália quando tinham dez e oito anos, respectivamente. Mesmo assim, tiveram tempo suficiente para cultivar a paixão da família e torcer pelo Glasgow Rangers – por mais que tenham crescido na região de Cranhill, bastante próxima de Parkhead, a casa do Celtic. Os irmãos chegaram a frequentar o Estádio Ibrox algumas vezes, presentes em uma Old Firm em meados dos anos 1970. Pé quentes, assistiram à vitória dos Teddy Bears por 2 a 1.

Além disso, Malcolm Young gostava de vestir a camisa da seleção escocesa. Era mais um na Tartan Army. Em 30 de abril de 1978, aliás, a banda inteira botou o uniforme da equipe nacional em uma apresentação no Glasgow Apollo. Certamente estavam empolgados com as boas perspectivas do time rumo à Copa do Mundo de 1978, com um elenco que acabou sem passar da primeira fase, mas contava com estrelas do calibre de Kenny Dalglish, Archie Gemmill, Joe Jordan e Graeme Souness. Naquela noite, antes da execução de ‘Fling Thing’, o vocalista Bon Scot dedica a canção “aos campeões”. Na noite anterior, o Rangers havia conquistado o Campeonato Escocês, em temporada na qual terminariam com a tríplice coroa nacional, uma das sete de sua história.

O sucesso de AC/DC, em constantes turnês, não permitiu que os irmãos Young estivessem sempre no Ibrox. No entanto, os guitarristas tiveram o gosto de se apresentar em alguns dos maiores estádios do planeta. Tocaram sobre diversos gramados sagrados: Hampden Park, Wembley, Stade de France, Vélodrome, Rasunda, Delle Alpi, Olympiastadion de Munique, Olympiastadion de Berlim, Wankdorf, Nepstadion, Amsterdam Arena, San Mamés, Vicente Calderón, José Alvalade, Pacaembu, Morumbi, Estádio Nacional de Santiago… A lista é bastante extensa, e vai muito além dos citados. Até álbum ao vivo os escoceses gravaram no Monumental de Núñez. Acabou batizado com o sugestivo nome de ‘Live at River Plate’, em sinal de respeito aos donos da casa.

Em 2010, por fim, Malcolm Young seria homenageado pelo clube de coração. O músico foi o convidado de honra do Rangers na cerimônia que entregou à equipe a taça de campeão escocês daquela temporada. Acompanhado pelo filho Ross, o músico ganhou duas camisas, uma para ele e outra para o irmão, além de conhecer o ídolo Ally McCoist. “É fantástico voltar ao Ibrox. Caminhar pelo túnel e entrar em campo foi uma sensação incrível. Faz muito tempo que não venho aqui. Sempre fui torcedor do Rangers, então é ótimo estar com meu filho para assistir a um jogo. Todos em nossa família torcem para o Rangers desde pequenos, é um dia especial para mim”, declarou, na época. Um último prazer antes da derrocada dos Gers e dos descaminhos em sua própria vida, diagnosticado com demência em 2014. As imagens e a torcida, de qualquer maneira, ficam para sempre.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo