Liga Europa

Roma impõe nova derrota ao Milan e merecidamente garante vaga na semi da Liga Europa

Roma mata o confronto no 1º tempo, administra vantagem na etapa complementar e elimina Milan de maneira incontestável

Uma semana após bater o Milan (1 a 0) em pleno San Siro, a Roma voltou a castigar o time rossonero nesta quinta-feira (18), dessa vez em sua casa, no Estádio Olímpico. Com gols de Mancini (de novo) e Dybala, os Giallorossi triunfaram por 2 a 1 e garantiram vaga na semifinal da Liga Europa. Alegria de um lado, frustração do outro. Enquanto o clube da capital italiana celebra excelente fase sob o comando de De Rossi, a equipe milanista encerra a temporada sem títulos. Comandante do barco, Stefano Pioli está pressionado e corre risco de demissão.

Campeã da Conference League em 2021/22, a Roma ganhou o direito de disputar a Liga Europa da temporada passada. E foi longe na competição. Sob o comando de José Mourinho, o clube da capital italiana chegou até a final continental, entretanto, acabou sucumbindo diante do Sevilla, nos pênaltis. O vice-campeonato ainda causa calafrios na torcida romanista, que deseja retornar à decisão.

A oportunidade está aí. A Roma é semifinalista e chega forte para disputa do caneco.

Roma tem oportunismo de Mancini e precisão de Dybala

Daniele De Rossi escalou a Roma num 4-3-3, com Leandro Paredes, Edoardo Bove e Pellegrini no meio-campo. El Shaarawy, Dybala e Lukaku formaram a trinca de ataque. O Milan, por sua vez, jogou no 4-5-1, com Musah (surpreendentemente caiu pelo lado direito em alguns momentos) e Bennacer na volância, Loftus-Cheek à frente da dupla, e Pulisic e Rafael Leão nas extremidades. Como de praxe, Giroud comandou o ataque rossonero.

Em vantagem no placar agregado e contando com o apoio de sua torcida no Estádio Olímpico, a Roma ‘cozinhou’ o jogo nos primeiros minutos com troca de passes lenta, porém envolvente. Apático e moroso, o Milan não fazia questão de apertar a marcação e acabou punido por isso. A equipe giallorossi seguiu construindo jogadas desde o campo de defesa, até que em uma delas o placar foi inaugurado. Aos 11′, Pellegrini recebeu perto da meia-lua, ajeitou o corpo e experimentou finalização colocada dali mesmo. A bola fez curva, saiu do raio de alcance de Maignan e carimbou a trave. No rebote, Mancini, o zagueiro artilheiro, empurrou para as redes.

Após o gol, o Milan não tinha outra alternativa a não ser sair para o jogo e aumentar seu volume ofensivo. E foi justamente isso que fez. A equipe visitante adiantou suas linhas, marcou em cima e quase empatou com Loftus-Cheek, que acertou a trave de Svilar. Todavia, não era mesmo a noite dos Rossoneros. Pouco tempo após assustar os Giallorossi, o time milanista sofreu mais um duro golpe. Lukaku foi lançado em velocidade, ganhou de Gabbia no embate físico pela direita e tentou cruzamento rasteiro. A defesa do Milan afastou parcialmente e bola sobrou para Dybala. Frio, o argentino esbanjou categoria ao ajeitar e bater de esquerda. Maignan voou e nada achou.

A única boa notícia para o Milan no 1º tempo foi a expulsão de Zeki Çelik, aos 30′. Com intuito de parar um contra-ataque puxado por Rafael Leão, o lateral-direito turco deu carrinho por trás no atacante português e (exageradamente) recebeu o cartão o vermelho direto. Apesar do risco, a entrada do camisa 19 giallorossi não foi violenta e acertou (apenas) o pé de Leão. Um amarelo ficaria de bom tamanho.

Tardiamente, Milan diminui (e se despede da Liga Europa)

Veio o 2º tempo, e o esperado aconteceu. Nas cordas e precisando de uma virada improvável, o Milan controlou a posse de bola e rondou a intermediária giallorossi. O intuito dos rossoneros era encontrar brechas na defesa adversária e diminuir o prejuízo. Mas não obteve sucesso. Bem postado, o time da casa marcou forte, fechou bem os espaços e impediu infiltrações. Sem saída, a equipe milanista apelou para cruzamentos na área e arremates de longa distância. Também não deu certo.

Defesa sólida e ataque veloz. Este foi o mantra da Roma na etapa complementar. Em virtude da desvantagem numérica em campo (já que atuava com um jogador a menos), os donos da casa adotaram postura reativa. Assim, baixaram suas linhas, estacionaram um ônibus na intermediária defensiva e passaram a explorar contragolpes. Em descida rápida, Spinazzola teve a chance de fazer o terceiro gol, porém, parou em Maignan.

Depois de muita troca de passes e ligações diretas, o Milan enfim conseguiu seu gol. Apagado no jogo, Rafael Leão despejou bola na área e encontrou Gabbia, que subiu sozinho, testou consciente e venceu Svilar. Em nada adiantou. 3 a 1 no agregado e vaga para os romanistas.

Milan foca naquilo que lhe restou: cumprir tabela na Série A

Eliminado da Champions League (fase de grupos), Liga Europa (quartas de final) e Copa da tália (quartas de final), o Milan encerra sua temporada de maneira melancólica. Restam seis jogos para o Rossonero em 2023/24. Todos eles pela Série A, competição na qual a equipe milanista já não luta mais por nada e só cumpre tabela. Com 69 pontos conquistados, o Milan ocupa a segunda colocação do certame e deve confirmar em breve sua classificação à Champions 2024/25.

Foto de Guilherme Calvano

Guilherme Calvano

Apaixonado por futebol, uniu o amor pelo esporte mais popular do mundo ao jornalismo. Carioca da gema e grande entusiasta da Premier League, cobriu o Flamengo no Coluna do Fla e o Chelsea no Blues of Stamford. Na música, vai de Post Malone a Armandinho. Eclético assim como na área técnica. Afinal, Guardiola e Mourinho são suas referências.
Botão Voltar ao topo