Europa

Sinceridade demais: Como o Real Bétis derrubou o treinador da seleção da Croácia sub-17?

Real Bétis e Dinamo de Zagreb, a maior equipe da Croácia, se enfrentam pela ida da fase 16 avos de final da Conference League

Robert Jarni foi um grande jogador da seleção da Croácia e do Bétis em seus tempos de atleta. O jogador fez parte da geração que levou o país ao terceiro lugar na Copa do Mundo de 1998, na França, ao lado de Suker, Prosinecki, entre outros craques. Entretanto, nem mesmo o passado glorioso do ex-jogador o fez permanecer em seu cargo de treinador da seleção sub-17 da Croácia. Jarni acabou demitido pela Federação Croata de Futebol após dizer que o Bétis seria o favorito a vencer o Dinamo Zagreb pela fase 16 avos de final da Conference League.

Por meio de nota oficial publicada em sua página oficial no X (antigo Twitter), a Federação Croata de Futebol informou o desligamento do profissional, explicando conferir liberdade aos jogadores que desejam torcer a outros times que não sejam os do próprio país. Porém, no que diz respeito ao posicionamento de Jarni, treinador e comandante de uma das seleções de base do país, a entidade máxima do futebol na Croácia entende que tal comentário feito contra o único representante croata na Conference League é inadequado e inadmissível.

” A Federação Croata de futebol não interfere na visão futebolística de nenhum treinador, mas promover a unidade dentro da família do futebol croata é uma condição sem a qual uma seleção nacional croata não pode ser gerida com sucesso.

A associação tem grande respeito por tudo o que Robert Jarni deu à seleção croata e que foi por isso que lhe foi dada a oportunidade de liderar pela segunda vez a seleção sub-17.

Infelizmente, nesta ocasião ultrapassou o limite para o lado que a Federação considera inadmissível, porque os treinadores das seleções croatas têm a tarefa clara de promover unidade, cooperação, respeito e confiança mútua entre todos os clubes croatas, razão pela qual a entidade considera este tipo de decisão a única correta para proteger a unidade da família do futebol croata”, diz parte da nota publicada.

Comparação feita por Jarni o tirou da seleção sub-17 da Croácia

Robert Jarni disputou 113 jogos pelo Bétis, marcando 13 gols e dando quatro assistências enquanto esteve na equipe Blanquiverde. Nascido em Čakovec, na antiga Iugoslávia, o ex-lateral-esquerdo fez história no Real Madrid e na Juventus em seus tempos de jogador. Por conta da identificação com o futebol espanhol, especialmente pela passagem de destaque pelos Verdiblancos, o ex-treinador da seleção sub-17 da Croácia concedeu entrevista ao Vecernju List, importante veículo croata. Suas palavras teriam enfurecido a alta cúpula da Federação de Futebol local.

Perguntado sobre o momento dos dois times na temporada para este confronto, Jarni disse que o trabalho de Pellegrini à frente dos espanhóis estava sendo fantástico, ao passo que o Dinamo Zagreb enfrentava um problema de oscilação.

 ” O Dínamo Zagreb tem muitos altos e baixos. Às vezes eles jogam muito bem, outras vezes jogam muito mal. Eles venderam cinco jogadores importantes. É por isso que eles têm esses altos e baixos”, comentou Jarni.

Se a primeira fala poderia ter causado um desconforto entre os dirigentes da Federação Croata de Futebol, a afirmação seguinte pode ter sido a “gota que fez o balde transbordar” para a permanência do treinador à frente da seleção sub-17. Segundo Jarni, o Bétis tem um elenco muito melhor, porém, mesmo considerando o favoritismo maior pelo lado espanhol, não desmereceu o time do Dinamo Zagreb, afirmando que a equipe de seu país tinha peças boas e que podiam dar trabalho nesta eliminatória.

 “ O Bétis tem um plantel muito melhor, não há dúvida, mas atenção que nesta equipe há três ou quatro jogadores que são muito bons, de muita qualidade. Pode acontecer que o Dínamo marque um gol, e então? Qualquer coisa pode acontecer”, reiterou o ex-jogador da Croácia.

Para finalizar, Jarni ainda disse que estaria torcendo em favor do Bétis nesta disputa. O ex-lateral-esquerdo começou a sua carreira no Hajduk Split, clube que rivaliza com o Dinamo Zagreb na Croácia. Sendo assim, o ex-craque da seleção justificou sua preferência pelos espanhois no confronto desta quinta-feira.

“Então, para quem vou torcer? O Betis é o meu clube, onde passei três anos maravilhosos. Não acho que alguém possa me culpar por isso. Além disso, no fundo , fui jogador do Hajduk Split”, explicou o ex-jogador.

Foto de Lucas de Souza

Lucas de Souza

Esse é Lucas de Souza, redator e repórter do Futebol na Veia e da Trivela. Jornalista especializado em Marketing digital é também narrador do Portal Futebol Interior e da RP2Marketing.
Botão Voltar ao topo