Conference League

Uma linda assistência de Douglas Luiz valeu a virada do Aston Villa sobre o AZ

O AZ dificultou a vida do Aston Villa em Birmingham e a reação dos ingleses começou num erro de arbitragem, mas Douglas Luiz também garantiu uma dose de brilhantismo para o triunfo

Douglas Luiz vive um momento excepcional no Aston Villa não é de hoje. E, mesmo poupado do time titular, o meio-campista foi decisivo para mais uma vitória dos Villans na Conference League. A equipe de Unai Emery derrotou outra vez o AZ, mas agora com dificuldades, numa suada virada por 2 a 1 dentro do Villa Park. Os ingleses até foram superiores no primeiro tempo, mas tomavam seus sustos e viram os holandeses abrirem o placar na volta do intervalo. O empate pintou com Diego Carlos, mas a partir de um erro de arbitragem. Já a virada do Villa se consumou na reta final, graças a uma assistência belíssima de Douglas Luiz, para Watkins cravar o tento. O clube de Birmingham se aproxima dos mata-matas, enquanto os representantes de Alkmaar dependerão de um milagre.

O Aston Villa entrou em campo com boa parte de sua base titular. Emiliano Martínez liderava a defesa, com Diego Carlos e Clément Lenglet formando a zaga. O meio tinha Boubacar Kamara e Youri Tielemans. Já na frente, o quarteto de ataque reunia John McGinn, Moussa Diaby, Leon Bailey e Ollie Watkins. Douglas Luiz era opção no banco, assim como Nicolò Zaniolo e Pau Torres. Do outro lado, o AZ também contava com bons nomes. A defesa incluía o goleiro Mat Ryan, o lateral Yukinari Sugawara e o zagueiro Bruno Martins Indi. O meio garantia a qualidade de Jordy Clasie, Dani de Wit e Sven Mijnans. Já na frente, o artilheiro de Vangelis Pavlidis tinha o apoio de Ibrahim Sadiq e Ruben van Bommel – filho de Mark van Bommel.

Villa melhor, mas não marca

O Aston Villa parecia pronto a aplicar outra goleada, por aquilo que foram os primeiros minutos. O gol poderia ter saído aos três, a partir de um escanteio. Ollie Watkins viu sua cabeçada ser salva quase em cima da linha, enquanto Clément Lenglet até marcou na sobra, mas o tento acabou anulado. De qualquer maneira, a superioridade dos Villans era bastante clara. O time botava mais intensidade no ataque, sobretudo pelas jogadas de lado de campo. O AZ dependia de espasmos, quase sempre com Vangelis Pavlidis na frente. O centroavante tentou um ousado gol por cobertura da intermédia aos dez, quando percebeu Emi Martínez fora de posição, mas errou o alvo. Também teria outra investida perigosa pouco depois.

De qualquer maneira, o Aston Villa tinha a partida sob seu controle e era bem mais contundente em suas ações ofensivas. Os ingleses passaram inclusive a arriscar mais de fora da área na sequência do primeiro tempo. Youri Tielemans forçou ótima defesa de Mat Ryan aos 19, em tiro no cantinho que o arqueiro salvou com a ponta dos dedos. Lucas Digne também teria uma batida para fora pouco depois. Contudo, com o passar dos minutos, a pressão se tornou menor e o AZ também conseguiu encaixar sua marcação.

Com a melhora atrás, o AZ passou a se soltar mais na frente. Os visitantes melhoraram na reta final do primeiro tempo, sobretudo nos dez minutos anteriores ao intervalo. Foram alguns lances de perigo em sequência, por mais que a linha alta do Aston Villa conseguisse neutralizar algumas estocadas. Emi Martínez teve que trabalhar. Pegou um chute forte de Pavlidis no alto, antes que Yukinari Sugawara mandasse um míssil para fora. O argentino também fez boa intervenção num lance rente à trave, depois anulado.

AZ desponta, mas o Aston Villa busca a virada

O segundo tempo voltou ainda equilibrado, com os dois times dispostos a dar um passo à frente no placar. O Aston Villa rondava a área e exigia que a defesa do AZ se mantivesse atenta. Porém, os holandeses seriam mais concretos e conseguiram abrir o placar aos seis minutos. Riechedly Bazoer fez um excelente lançamento em profundidade, para Pavlidis disparar a partir da linha de meio-campo. Escapou da marcação de Lenglet e conduziu a bola até invadir a área, com um toque sutil para vencer Emi Martínez. Que os Villans fossem melhores no geral, Pavlidis já tinha se indicado perigoso o suficiente.

O gol não seria bem processado pelo Aston Villa. Pelo contrário, a equipe parecia pedir o segundo tento. O perigo era constante e Sugawara teve um chute cruzado que assustou. Enquanto isso, o AZ podia se defender mais recuado e procurar a velocidade nas transições. Quando os Villans voltaram a chegar, Kamara perdeu uma chance clamorosa na linha da pequena área, ao isolar o chute com a meta a seu dispor. A batida foi tão ruim que a arbitragem deu erroneamente um escanteio, supondo um desvio. E o gol de empate veio aí, aos 15 minutos. No cruzamento de Bailey, Diego Carlos subiu no meio da marcação e desviou de cabeça para as redes.

O Aston Villa cresceu com o gol e passou a martelar pela virada. O AZ estava também mais irritado pelo erro da arbitragem. As mudanças do lado holandês eram necessárias e vieram aos 25, com as entradas de Djordje Mihailovic, Myron van Brederode e Ernest Poku. Já as 28, as primeiras mudanças nos Villans permitiram as entradas de Douglas Luiz, Matty Cash e Nicolò Zaniolo. Enquanto os times tentavam se acertar, o ritmo do embate caiu um pouco, mas dava a impressão de que a vitória poderia pender a qualquer lado.

A virada do Aston Villa se concretizou aos 36 minutos, com a participação de Douglas Luiz. A equipe girou passes na entrada da área, até o brasileiro dar um lindo tapa de primeira. A bola cheia de categoria virou um cruzamento frontal, para Watkins penetrar no limite do impedimento e desviar de cabeça. O triunfo se confirmava. Neste momento, faltava fôlego ao AZ para tentar uma nova resposta. Mesmo as novas mudanças não ajudavam. Os Villans administravam o resultado, embora tenham lamentado a lesão de Diego Carlos já aos 44, com a entrada de Pau Torres na defesa.

O resultado deixa o Aston Villa próximo da classificação. Soma nove pontos, igualado ao Legia Varsóvia, que venceu o Zrinjski Mostar por 2 a 0 na rodada. Mais abaixo, só um milagre para salvar Zrinjski ou AZ, ambos com três pontos. O Villa tenta se distanciar do Legia na próxima rodada, enquanto o AZ faz o jogo dos desesperados contra o Zrinjski.

Foto de Leandro Stein

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreveu na Trivela de abril de 2010 a novembro de 2023.
Botão Voltar ao topo