Europa

Com tanta tranquilidade em um jogo de seleção, é fácil esquecer que Odegaard tem só 16 anos

Não fosse o porte físico franzino, seria quase impossível observar Martin Odegaard jogando e pensar que se trata de um garoto de 16 anos. Nesta segunda-feira, Noruega e Suécia disputaram um amistoso em Oslo, e o duelo não saiu do zero, mas quem esteve presente no estádio Ullevaal se empolgou com o que o garoto mostrou. Titular, jogou tranquilamente como um adulto de bastante experiência.

VEJA TAMBÉM: Assista a todos os 122 gols de Messi, Suárez e Neymar na temporada em um só vídeo

Odegaard foi bastante ativo no duelo, movimentando-se com liberdade na intermediária, apresentando-se para passes e servindo os companheiros com passes longos bastante precisos. Mas isso tudo já sabíamos que o garoto era capaz de fazer, desde os tempos em que vídeos seus pipocavam e clubes de todo o mundo o recebiam em seus centros de treinamento. O importante aqui é notar a naturalidade com que o atleta transitou entre os adversários, chegando até mesmo a fazer uma ótima tomada de bola no meio de campo.

Após o duelo, Ibrahimovic, ofuscado pelo desempenho do garoto, elogiou a atuação do jovem adversário, mas usou também a experiência que tem para aconselhar o moleque no prosseguimento de sua carreira. “Não é fácil dizer, mas ele tem um pai que controla tudo, completamente. Primeiro, ele precisa crescer e se tornar um homem e, então, se livrar de seu pai. Ele foi bem, jogou para a frente e não perdeu muitas bolas. Ele tem muito tempo para melhorar ainda mais. É bom que já esteja  jogando por seu país”,

Conhecendo exemplos de pais que influenciaram tanto na carreira dos filhos a ponto de promessas não concretizadas terem seus insucessos ligados à presença do progenitor, talvez seja bom Odegaard ouvir o que Ibra tenha a dizer, mesmo que para analisar como o conselho se encaixa em sua própria realidade. A parte do talento e da maturidade avançada para sua idade ele já demonstra ter em campo.

Mostrar mais

Leo Escudeiro

Apaixonado pela estética em torno do futebol tanto quanto pelo esporte em si. Formado em jornalismo pela Cásper Líbero, com pós-graduação em futebol pela Universidade Trivela (alerta de piada, não temos curso). Respeita o passado do esporte, mas quer é saber do futuro (“interesse eterno pelo futebol moderno!”).

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo