Champions League

Simeone: “O Manchester City talvez seja o melhor time do mundo”

Após perder primeiro jogo das quartas de final, Diego Simeone faz elogios ao Manchester City e diz que o Atlético tentará melhorar ofensivamente no jogo de volta

O técnico do Atlético de Madrid, Diego Simeone, saiu com um sentimento dúbio após perder por 1 a 0 para o Manchester City, no jogo de ida das quartas de final da Champions League. Por um lado, o treinador considera o resultado ruim e que o time não conseguiu produzir nada ofensivamente. Por outro, acredita que a equipe teve uma boa atuação, defensivamente sendo muito bom, e ainda acredita que é possível reverter a situação.

“Foi um bom desempenho contra um time extraordinário que consegue unir muitos jogadores de nível mundial em uma unidade incrível. Queríamos defender bem, tirar os espaços e agredi-los nos contra-ataques. Logo quando parecíamos criar as melhores oportunidades, eles marcaram”.

“O resultado é ruim porque perdemos por 1 a 0 e queríamos ganhar. Enfrentamos um rival extraordinário. Os números falam da quantidade de gols que fazem em sua casa. Jogam de maneira muito dinâmica, propondo um jogo coletivo e orquestrado muito bonito de ver”, afirmou Simeone, elogiando o Manchester City.

“Eles talvez sejam o melhor time do mundo. Vamos mudar um pouco a forma como jogamos no segundo tempo desta eliminatória, mas é tudo a mesma coisa para eles – o City jogará da mesma maneira. Mas com humildade e trabalho duro, vamos competir. Então vamos ver onde isso nos leva”, continuou o treinador.

“Jogamos com o pensamento de passar na eliminatória. No primeiro tempo, defendemos muito bem para chegar a essa situação em que não conseguiram chutar no gol. Assim como se aprecia o jogo coletivo deles, temos que valorizar um trabalho forte defensivo e sem vergonha como o que nós fizemos”, disse Cholo.

“No segundo tempo, tivemos alguma chance para sair em contra-ataque, mas nos faltou acertar o passe”, lamentou o treinador, que já adiantou: jogará em casa da mesma maneira, tentando, claro, melhorar em alguns aspectos, especialmente ao atacar. “Temos que melhorar quando temos a bola. Quando pudemos circulá-la, geramos alguma dificuldade para eles”.

“As mudanças buscavam repor energias com jogadores descansados, eles também fizeram isso com jogadores que ofensivamente são muito bons. De Bruyne é um especialista nessas jogadas e levaram a partida com uma vitória por 1 a 0 merecida”, reconhece o treinador do Atlético.

O goleiro Jan Oblak também comentou sobre a dificuldade do jogo. “Todo mundo sabia que seria uma partida complicada. Viemos conseguir um bom resultado. Perdemos, mas a eliminatória está viva”, afirmou o goleiro esloveno. “Defendemos bem toda a partida, salvo em ações de gol. O City tem um modelo de jogo de muita posse e, se perder a cabeça, eles te punem. Tivemos a cabeça fria. Esta foi a primeira parte da eliminatória. Taticamente, estivemos bem, mas em Madri temos que estar com a cabeça fria, conscientes e aproveitar as chances, que seguramente vamos ter”.

“A partida em casa será especial, temos que trabalhar melhor na fase de ataque, porque precisamos marcar dois gols para passar”, disse o zagueiro Stefan Savic, ex-Manchester City, que foi titular na partida. “Eles são uma grande equipe que colocam muitos jogadores por dentro para tentar abrir o jogo e conseguir um passe. Nós teremos que estar em um nível superior para que não nos causem danos quando ataquemos, porque não podemos apenas defender”.

Os dois times voltam a se enfrentar em Madri, no Estádio Wanda Metropolitano. O Atlético terá outro desafio antes: no sábado, os Colchoneros enfrentam o Mallorca, fora de casa.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo