Champions League

Real Madrid vence em Milão e faz Inter precisar de um milagre para se classificar

A Internazionale continua em uma campanha ruim na Champions League e foi derrotado pelo Real Madrid pela segunda vez nesta fase de grupos. Depois de perder por 3 a 2 em Madrid, nesta quarta-feira viu os merengues vencerem por 2 a 0 em San Siro, o que deixa a equipe de Zinedine Zidane em uma situação melhor para se classificar à próxima fase. A Inter, por sua vez, continua como lanterna do Grupo B e precisa de uma combinação de resultados para não ser eliminada na primeira fase da competição pela terceira vez seguida.

LEIA TAMBÉM: O Gladbach reafirmou sua força com outra goleada sobre o Shakhtar, desta vez por 4 a 0

Antonio Conte levou a campo a sua formação tradicional: um 3-5-2, com seus principais jogadores disponíveis. Ao contrário do que se via do outro lado, com o Real Madrid de Zinedine Zidane sem dois dos seus principais nomes, Sergio Ramos e Karim Benzema, em meio a um surto de COVID-19. Casemiro, recuperado da doença, estava disponível, mas ficou no banco por ainda não ter condições físicas ideias.

Com os desfalques, e mais o fato que a Inter precisava vencer o jogo para ainda respirar na Champions League poderiam sugerir que os italianos viriam com uma sede enorme para o jogo em busca da vitória. A sugestão está certa, mas não foi o que se viu em campo. Aliás, nem perto disso. O que se viu foi um time do Real Madrid muito mais tranquilo e que conseguiu jogar sem problemas, mesmo fora de casa.

Logo a cinco minutos, o Real Madrid teve a chance graças a um pênalti cometido sobre Nacho Fernández, que apareceu na área e foi tocado por Nicolò Barella. Eden Hazard, então, cobrou e marcou 1 a 0. Isso já complicou a vida da Inter, que precisava vencer, sem ressalvas. E o desenrolar do jogo mostrou que não foi um começo ruim apenas: o jogo da Inter não seria grande coisa.

Depois de uma jogada trabalhada pela esquerda, Lucas Vázquez acertou um chute perigosíssimo na trave aos 12 minutos. Pouco depois, foi a vez de Ferland Mendy receber a bola em profundidade, já dentro da área, e perder a chance de finalizar para tentar o passe para o meio. Mais uma boa chance dos visitantes em San Siro.

Virar o jogo era difícil, mas Arturo Vidal tratou de deixar ainda mais complicado com um ato estúpido. Ele recebeu dentro da área, tentou a jogada e foi derrubado. Um lance que o árbitro poderia ter marcado falta, sim, e, portanto, pênalti. Não era um lance indiscutível, mas era perfeitamente marcável. Como foi o lance de pênalti para o Real Madrid, no início do jogo.

Só que o árbitro Anthony Taylor não marcou. Vidal, inconformado, reclamou com muita veemência. Tomou o amarelo. Continuou reclamando, falou algo que o árbitro não gostou e ele nem guardou o cartão amarelo: mostrou novamente ao chileno, em seguida tirou o vermelho do bolso, e expulsou o sul-americano. Aos 33 minutos, a Inter, que perdia por 1 a 0 e precisava virar o jogo, ficava com um jogador a menos. Se parecia uma montanha difícil de subir, ela ficou ainda mais íngreme pela explosão do seu meio-campista.

A Inter pouco chegava ao ataque. Conseguiu em uma cobrança de falta de Romelu Lukaku, que era de uma posição perigosa, mas a bola em si foi cobrada para longe. O que se via em campo era uma Inter minúscula em futebol, que não conseguia nem fazer o goleiro Thibaut Courtois sujar o uniforme. Foi assim que os dois times foram para o intervalo.

Novamente, diante do contexto, era esperado que Conte inflamasse o seu time nos vestiários para tentar uma recuperação, àquela altura já com ares milagrosos. O técnico da Inter fez duas mudanças: Danilo D’Ambrosio substituiu Alessandro Bastoni, enquanto Ivan Perisic entrou no lugar de Lautaro Martínez.

No Real Madrid, Zidane voltou com o mesmo time, mas por pouco tempo. .Martin Odegaard deixou o campo aos 13 minutos do segundo tempo para a entrada de Casemiro, enquanto Rodrygo substituiu Mariano Díaz, que fez partida apagada.

Eram 14 minutos quando Lucas Vázquez chegou à linha de fundo pelo lado direito e cruzou para a segunda trave, onde Rodrygo, livre, completou para o gol no seu primeiro lance na partida: 2 a 0 para o Real Madrid. Se é difícil virar com um placar de 2 a 0 contra, com o adversário jogando bem, imagina quando a equipe vai mal, como era a Inter?

Rodrygo comemora o seu gol pelo Real Madrid contra a Inter (Imago/OneFootball)
Rodrygo comemora o seu gol pelo Real Madrid contra a Inter (Imago/OneFootball)

Conte ainda fez duas tentativas de mexer no time. Alexis Sánchez entrou no lugar de Achraf Hakimi, aos 18 minutos, e Stefano Sensi entrou no lugar de Roberto Gagliardini aos 33. Nada disso mudou o que era o time italiano em campo: burocrático, sem ideias, sem conseguir nenhum lance ofensivo relevante.

O primeiro chute da Inter que acertou o gol só veio aos 36 minutos do segundo tempo, em uma bola cruzada de Perisic, rasteira, que obrigou Courtois a trabalhar um pouco no jogo. Mesmo assim, longe de uma grande chance de gol. O jogo acabou mesmo em 2 a 0 para o Real Madrid, de forma merecida. Ao longo de toda a partida, a Inter chutou cinco vezes, sendo apenas uma delas no gol. O Real Madrid chutou 14, com cinco delas no alvo.

A situação fica complicada para os nerazzurri na Champions League. Para avançar, a equipe de Conte precisa vencer os jogos contra Borussia Mönchengladbach, na próxima rodada, na Alemanha, Shakhtar Donetsk, na rodada final, em casa. Além disso, precisa torcer para que ou o Real Madrid perca seus dois jogos (contra Shakhtar, na próxima rodada, e Gladbach, na última), permanecendo assim com os sete pontos atuais e seja ultrapassado pela Inter que chegaria a oito. Ou que o Real Madrid vença o Gladbach na última rodada, para que o Gladbach, assim, perdesse seus dois jogos e ficasse nos atuais oito pontos, perdendo para a Inter no primeiro critério de desempate, o saldo de gols.

É muita conta para pouco futebol que a Inter jogou até aqui. Em duas rodadas, precisará fazer tudo que não fez até aqui. O Gladbach, por sua vez, terá a chance de eliminar definitivamente a Inter na próxima rodada, na Alemanha, com um mero empate, caso o Real Madrid também vença o Shakhtar, algo plausível, mesmo que o jogo seja na Ucrânia. Isso classificaria os dois times antecipadamente, aliás.

Se a eliminação se confirmar, será a terceira queda da Inter na fase de grupos em três anos. A primeira com Luciano Spalletti. As duas seguintes com Antonio Conte. Para um time que tem a ambição de voltar a ser campeão na Itália e ser competitivo na Europa, parece muito pouco.

Classificação fornecida por SofaScore LiveScore

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo