Champions League

Real e Bayern fizeram um jogo à altura do que se espera de dois gigantes

O confronto mais frequente da história da Champions League. Dezesseis títulos europeus em campo. Craques decisivos nos dois lados. Reviravoltas. Chances para os dois lados. Uma prorrogação. E decisões controversas da arbitragem. Real Madrid e Bayern de Munique fizeram um grande jogo de volta das quartas de final, à altura do tamanho dessas duas equipes. No fim, com três gols de Cristiano Ronaldo, os espanhóis venceram por 4 a 2 e  conseguiram a classificação à sétima semifinal seguida, eliminando os bravos alemães que lutaram até o fim, mesmo com um jogador a menos durante aproximadamente 40 minutos.

LEIA MAIS: Entre tantas grandes atuações, Marcelo possivelmente fez sua maior: foi enorme contra o Bayern

Precisando marcar, mais de uma vez, o Bayern de Munique não tinha outra opção a não ser tentar pressionar o Real Madrid para abrir o placar no começo do jogo e ficar mais confortável. Diferente do duelo na Alemanha, tinha Lewandowski no comando de ataque. Mas não conseguiu marcar, apesar de um bom volume de jogo e de uma ótima chance de Thiago. Ele recebeu de Ribéry, na pequena área, e bateu de primeira. Marcelo se jogou para impedir o gol certo. Em seguida, Vidal arriscou de média distância, próximo ao travessão.

Mas a pressão bávara não durou muito tempo. O Real Madrid foi pouco a pouco retomando o controle das ações. Carvajal arriscou chute cruzado de fora da área, bem defendido por Neuer. O lateral-direito também ajeitou para Toni Kross chegar batendo, com perigo. Cristiano Ronaldo e o meia alemão tiveram outras duas boas oportunidades. A primeira foi defendida pelo goleiro alemão. A segunda parou em Hummels. Aos 38 da primeira etapa, a cabeçada de Vidal, após cobrança de escanteio de Thiago, foi a primeira finalização do Bayern desde os 12 minutos.

Não dava para esperar mais para fazer o primeiro gol. E Arjen Robben sabia disso. O holandês chamou a responsabilidade no começo da segunda etapa. Quase marcou em um cavadinha, cortada em cima da linha por Marcelo – de novo. Em seguida, fez jogada pela esquerda e foi derrubado por Casemiro. Pênalti. Lewandowski cobrou e fez 1 a 0 para o Bayern de Munique. Pouco depois do gol, Robben pegou na ponta direita, driblou para o meio, na sua característica e deu um belo passe para Vidal pegar de primeira. A bola passou por cima do travessão.

O Bayern precisava marcar de novo. E o Real Madrid, de pelo menos um gol para ficar mais confortável em campo. Para a sorte dos merengues, Cristiano Ronaldo reencontrou seu faro artilheiro na Champions League. Mas muitos méritos também para Casemiro. O volante brasileiro resistiu à falta na intermediária, levantou-se, ergueu a cabeça e deu um passe preciso na cabeça do português, matador. A finalização foi perfeita, no canto de Neuer.

Cristiano Ronaldo, do Real Madrid (Foto: Getty Images)
Cristiano Ronaldo, do Real Madrid (Foto: Getty Images)

Na saída de bola, o acaso funcionou a favor do Bayern de Munique. Thomas Müller arrumou de peito para Lewandowski, na entrada da área, Nacho cortou e Sergio Ramos bateu na bola, contra o próprio patrimônio. Navas ficou no meio do caminho, e o zagueiro espanhol, que tantas vezes salvou o Real Madrid, marcou contra, em seu 100º jogo de Champions League. O destino consegue ser cruel de vez em quando no futebol.

O jogo caminhava para a prorrogação, quando o árbitro Viktor Kassai apareceu. Arturo Vidal, responsável por desperdiçar um pênalti no jogo de ida, havia recebido o primeiro cartão amarelo aos 5 minutos do primeiro tempo. Levou o segundo, aos 39 da etapa final, por um carrinho em Asensio em que acertou a bola. Antes, havia feito o bastante para ser expulso, mas Kassai ignorou e decidiu mostrar o vermelho em um lance em que ele não o merecia.

Já foi um feito o Bayern de Munique conseguir segurar os minutos finais do segundo tempo para levar o jogo à prorrogação. Até conseguiu mantê-lo mais ou menos equilibrado nos primeiros minutos do tempo extra, mas uma hora a superioridade numérica do Real Madrid, pelo segundo jogo seguido – Javi Martínez foi expulso na partida de ida – se tornaria relevante. Sergio Ramos achou Ronaldo, em posição de impedimento, dentro da área. O português dominou, virou e bateu. O Bayern reagiu indo para a frente com tudo e deixou a retaguarda desguarnecida. Marcelo aproveitou para fazer uma linda jogada individual e rolar para Ronaldo, novamente impedido, fazer o terceiro gol do Real Madrid. Asensio ciscou para cá, ciscou para lá, entrou na área e bateu cruzado para fechar o placar: 4 a 2.

A partida foi muito interessante, como todo o confronto. O Real Madrid mostrou força contra um Bayern de Munique que precisou correr mais do que o normal com um jogador expulso em cada partida. Infelizmente, os erros de arbitragem foram decisivos, mas que fique o legado: o recurso eletrônico tem que ser introduzido com urgência para não corrermos mais o risco de vermos jogos como esse atrapalhados pelo apito.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo