Champions League

Oblak, sobre o seu milagre na Champions: “Nem eu sei direito o que aconteceu”

Jan Oblak foi pura intuição e explosão em sua sequência de defesaças nesta quarta, pela Liga dos Campeões. Primeiro fechou o ângulo de Julian Brandt, para depois reagir rapidamente e negar o gol a Kevin Volland por duas vezes. Lance incrível do ótimo goleiro, que ganhou as manchetes após o empate por 0 a 0 entre Atlético de Madrid e Bayer Leverkusen, valendo a classificação dos colchoneros. Questionado sobre o seu milagre, o esloveno teve humildade suficiente para reconhecer que apenas agiu por instinto.

“Eu não sei o que aconteceu. Foi tudo muito rápido. Algumas vezes, você faz três defesas, em outras eles marcam o gol no primeiro chute. É difícil de explicar. Eu vi a bola e parti para cima. Eu reagi muito rápido e tudo se saiu bem”, explicou o goleiro, na saída do Estádio Vicente Calderón. Além da jogada impossível, ele salvou o Atleti em outros momentos da noite, principalmente no segundo tempo, com mais três boas intervenções.

Oblak também ressaltou como o Bayer Leverkusen é um adversário especial em sua carreira. No primeiro encontro com os alemães, nas oitavas de final da Champions 2014/15, ele ganhou a posição de titular. Agora, teve uma das atuações mais espetaculares da carreira: “Há dois anos, contra o Leverkusen, eu fiz minha estreia no Calderón pela Champions diante da falta de sorte de Moyá, que se lesionou. Eu tenho boas lembranças daquela partida. Minha vida mudou um bocado desde que eu me tornei titular”. Hoje, ninguém questiona mais sua posição.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo