Champions League

O talento de Pogba se sobressaiu ainda mais com sua entrega contra o Bayern

Durante o mau início da temporada da Juventus, as dúvidas pairavam sobre Paul Pogba. Obviamente, ele tinha uma responsabilidade enorme a assumir após as saídas dos principais nomes do elenco. No entanto, se a Velha Senhora subiu tanto de nível desde setembro, também deve bastante à maneira como o meio-campista assimilou a responsabilidade. Neste momento, o camisa 10 tomou para si o papel de grande referência técnica. Mas faz mais do que isso, pela entrega que imprime. Nesta quarta, a eliminação para o Bayern de Munique não foi a melhor maneira de premiar a enorme atuação de Pogba. Mesmo assim, o jovem merece todos os aplausos.

VEJA TAMBÉM: A Champions ganhou um duelo para se lembrar para sempre com o espetacular Bayern 4×2 Juve

Ao lado de Morata e de Cuadrado, Pogba esteve entre os melhores em campo pela Juve em Munique. O seu gol, de fato, dependeu de menos talento individual que o segundo. Ainda assim, o destaque se merece pela maneira como conduziu o time nas jogadas ofensivas. O francês era a referência na hora de prender a bola com um pouco mais de inteligência, assim como para arriscar algum lance mais trabalhado. Acabou não resultando em mais gols, mas impressionou pela referência. E com a elegância que lhe é costumeira, peito cheio e cabeça erguida para distribuir o jogo como se estivesse a reger uma orquestra.

Só que Pogba consegue ser um craque sem vaidades. De postura exemplar, evidenciando todo o espírito de luta da Juve. Parecia estar em todos os cantos do campo para acompanhar as jogadas. Em um momento no segundo tempo, quando o cansaço era maior, ajudou a roubar a bola e se lançou à entrada da área para dar opção, mesmo que não tenha recebido de volta. E ofereceu muito suor no trabalho defensivo. Pelo lado esquerdo, teve o trabalho de confrontar Douglas Costa, o eixo principal do Bayern. Marcou, acompanhou, desarmou, bloqueou. Só deixou de anular o camisa 11 quando Coman entrou em campo, e um momento de desatenção acabou sendo fatal para o primeiro gol.

De qualquer maneira, o erro não anula a maneira como Pogba ajudou a manter vivas as esperanças da Juventus. E reforça as expectativas para um talento que, apesar de todo o retrospecto, tem apenas 23 anos. Assim como aconteceu em 2014/15, o crescimento de Pogba na metade final da temporada tem sido notável. Jogador digno de grandes momentos, por mais que a Champions o tenha perdido para o restante de seus mata-matas.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo