Champions League

Cristiano Ronaldo fez o seu, mas Manchester United foi amassado pelo Young Boys e perdeu merecidamente

Em casa, Young Boys saiu atrás, mas ficou com um jogador a mais ainda no primeiro tempo, pressionou muito e saiu com a vitória com um gol nos acréscimos

A estreia da fase de grupos da Champions League teve Cristiano Ronaldo marcando gol pelo Manchester United, mas essa foi a única boa notícia para o clube inglês. Diante do Young Boys, em Berna, a equipe comandada por Ole Gunnars Solskjaer foi amassada em grande parte do confronto, tomou o gol da virada nos acréscimos, em um erro terrível. Com uma postura covarde no segundo tempo, os Red Devils é que viveram um inferno no Wankdorf Stadion. Venciam no intervalo, tentaram segurar, tomaram o empate e, nos acréscimos, viram até o empate escapar pelos dedos: perdeu por 2 a 1.

LEIA TAMBÉM: Grupo a grupo, este é o Guia Trivela da Champions League 2021/22

A estreia horrorosa já coloca o clube em uma situação difícil, porque ainda tem no mesmo grupo Villarreal, carrasco dos ingleses na final da Liga Europa da temporada passada, e a Atalanta. Na temporada passada, o United caiu na fase de grupos porque perdeu pontos diante do Istambul Basaksehir. Desta vez, já começa perdendo pontos diante do time suíço, teoricamente o pior do grupo. E sendo dominado pelo adversário.

Recorde logo de cara

No início do jogo, Cristiano Ronaldo já igualou uma marca histórica: igualou Casillas como o jogador com mais jogos, 181. E ampliaria mais os seus números no jogo.

Cristiano Ronaldo abre a conta

O campo sintético do Young Boys não foi um problema para o United, que começou o jogo, como o esperado, dominando as ações. Com presença no campo de ataque, o time inglês conseguiu um gol cedo na partida.

Aos 12 minutos de jogo, Bruno Fernandes, pelo lado esquerdo, achou um passe lindo, de Trivela, e colocou Cristiano Ronaldo na cara do gol. Um passe espetacular, que o compatriota não desperdiçou: ele pegou de primeira e venceu o goleiro: 1 a 0 para o United. Foi o seu 136º gol na Champions League em 181 jogos. Artilheiro máximo do torneio.

Foi o primeiro gol da fase de grupos da Champions League. Parecia que tinha que ser dele.

Expulsão no United

Melhor em campo, os Red Devils chegaram mais vezes, mas nenhuma com o mesmo perigo. Até que as coisas se complicaram aos 34 minutos. O lateral direito Aaron Wan-Bissaka entrou muito forte em Christopher Martins Pereira. O árbitro François Letexier expulsou o jogador.

Com um a menos, Ole Gunnar Solskjaer não quis arriscar. Sacou o atacante Jadon Sancho e colocou em campo Diogo Dalot, recompondo o sistema defensivo. Àquela altura, o Young Boys já levava perigo, finalizava mais a gol e causava problemas aos visitantes.

Retranca inglesa no segundo tempo

O intervalo chegou, para alívio do United, que se segurava na defesa. Para o segundo tempo, Solskjaer foi ainda mais precavido que foi no primeiro momento. Sacou o meio-campista Donny van de Beek e colocou o zagueiro Raphaël Varane. Em campo, o United virou uma retranca: um 5-3-1. Deixava o time suíço com a bola e tentava acelerar nos contra-ataques.

O Young Boys também mudou, mas para ganhar força ofensiva. O técnico David Wagner (sim, aquele, ex-Huddersfield e Schalke 04) colocou em campo Jordan Siebatcheu no lugar de Vincent Sierro. Os primeiros minutos do segundo tempo foram similares aos últimos do primeiro tempo: o time da casa pressionava como podia. Sem criar chances, mas rondando a área.

Com oito minutos, Cristiano Ronaldo tomou a bola e partiu para cima da marcação de Mohamed Camara. Quando entrou na área, caiu e forçou um pouco a barra pelo contato. O árbitro considerou lance normal e mandou seguir o jogo, para reclamação do português.

Empata o Young Boys

A retranca do United foi vencida aos 21 minutos. Meschack Elia recebeu na direita e o lateral esquerdo Luke Shaw estaca muito distante. Ele teve tempo de cruzar para a área e Nicolas Ngamaleu tocou de biquinho para colocar na rede: 1 a 1 em Berna.

Sai Cristiano Ronaldo

O técnico Solskjaer decidiu mudar o time e tirou o seu principal jogador de campo. Sacou Cristiano Ronaldo e colocou Jesse Lingard. Também sacou Bruno Fernandes para colocar Nemanja Matic. Tentou melhorar a marcação no meio-campo, em um time que basicamente só se defendia.

Só dava Young Boys na partida. Com a área muito congestionada, o que o time suíço tentava era chegar ao gol com chutes de fora da área ou cruzamentos. Os suíços tinham muita vontade e os ingleses, só preocupados em defender, pouco conseguiram fazer no jogo. Perdiam a bola rapidamente.

No final do jogo, uma pitadinha de coragem de Solskajer, que colocou em campo o atacante Anthony Martial no lugar de Fred. Só que era tarde demais. A alteração só aconteceu aos 44 minutos, quando o empate parecia encaminhado. Como já diz Murphy: tudo que está ruim ainda pode piorar.

Virada do Young Boys

Quando o empate parecia que seria o resultado final, Lingard fez uma bobagem imensa. O atacante recuou mal, nos pés de Jordan Siebatcheu, que ficou cara a cara com De Gea. Um presente lindo para os suíços, que não desperdiçaram: Siabatcheu tocou no canto, tirou do goleiro e saiu com a vitória: 2 a 1, aos 50 minutos.

Lingard terá muito o que lamentar, mas ele é só a ponta final de uma série de erros que o Manchester United cometeu em campo. Desde a expulsão, que foi pouco inteligente, até a postura em campo, covarde do técnico Solskjaer, preocupado em só defender. Defendeu o tempo todo, mas tomou dois gols e saiu de campo tomando a virada e perdendo logo na rodada inicial. Agora, terá que lidar com uma situação bem mais complicada nos demais jogos.

Os suíços, por sua vez, começam com uma vitória que certamente seria improvável nas cotações, mas que já dá esperança ao torcedor. Será que uma classificação é possível? Ao menos no final desta primeira rodada, os suíços irão dormir sonhando com isso. E têm todo direito de assim ser.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo